Segunda-feira, 12 de Março de 2007

O valor do tempo

Há quase seis meses, em meados de Setembro, mudei-me para a Yeshivat Hakotel, na Cidade Velha de Jerusalém, uma das mais importantes yeshivot de Israel. A início, e apesar de já haver passado quase nove meses no Machon Meir, outra yeshiva de Jerusalém, a perspectiva de estudar na HaKotel, me fazia pensar se estaria realmente à altura de tal desafio.

Nos nove meses no Machon Meir havia estudado no Departamento Espanhol e Português, com um contacto muito limitado com a língua hebraica e ainda menos com o estudo profundo do Talmude Babilónico, uma das obras mais importantes do Judaísmo, que serve de base à lei judaica.

Em princípio deveria ter entrado para a nova yeshiva apenas em Dezembro, quando estava prevista a chegada de alguns estudantes brasileiros que seriam os meus companheiros de estudo. Porém, inesperadamente, no início de Setembro do ano passado, o director do programa em português da Yeshivat HaKotel anunciou-me que me poderia mudar em meados do mês, três meses antes do previsto.


Yeshivat Hakotel. O estudo de Torah vale por todos os preceitos

A chegada foi algo próximo da tragédia. O quarto que nos foi determinado era ocupado por um monte de lixo, no meio do qual viviam 3 estudantes - dois israelitas e um inglês. Habituados e auto-obrigados a viver na ordem, tanto eu como Michel, o meu novo companheiro de quarto e de estudos brasileiro, passámos as primeiras horas daquela tarde de 17 de Setembro de 2006 a limpar o quarto. O chão mal se via com tantas garrafas vazias ou meias cheias deitadas por ali. Quando, algumas horas mais tarde chegaram os outros 3 ocupantes do quarto, não puderam reconhecer o lugar.

Àquele que eu percebi ser o "bagunceiro" principal, entreguei um ultimato, a fim de manter a ordem: "se eu encontrar uma garrafa ou uma peça de roupa suja no chão, não interessa de quem seja, prometo que a ponho em cima da tua cama!". A ameaça resultou, e daí até à saída de Sam, o quarto manteve-se impecável. Uma prova que, por vezes, uma posição inicial de força ajuda a instaurar a paz e a ordem...

O outro choque, bem mais forte que o da desordem dos aposentos, foi ao nível dos estudos. Iríamos estudar entre as 9 e as 23 horas, de Domingo a Quinta e na maior parte, em hebraico. O foco principal do estudo seria a secção Shabbat do Talmude Babilónico - um conjunto de várias dezenas de livros escritos em hebraico antigo e aramaico (uma língua hoje extinta, próxima do hebraico), entre os anos 200 e 500 da nossa era.

Na primeira semana, apesar de passarmos várias horas ocupados com o Talmude, Michel e eu avançávamos apenas algumas linhas na folha da Gemará. A pouca experiência no assunto, aliada à debilidade do hebraico e ao completo desconhecimento do aramaico eram para nós obstáculos quase intransponíveis para o progresso nos estudos. Por isso tudo, as conclusões a que chegávamos, ao fim de várias horas de estudo eram, invariavelmente equivocadas. Ainda mais, a nossa entrada na Gemará havia sido um autêntico "mergulho de cabeça", com estudo por livros em que o hebraico não contém nem os sinais das vogais nem sequer a pontuação das frases.

Todavia, aos poucos, a repetição das expressões, a ajuda do dicionário e o uso cada vez mais frequente do hebraico no dia a dia, fizeram-nos avançar de tal modo, que alguns meses depois, já éramos capazes de ler várias linhas sem consultar o dicionário, perceber as ideias, confrontá-las e tirar as conclusões.

O crescimento ao nível espiritual e de estudos, nestes seis meses é, no entanto, impossível de calcular. A aquisição do hábito e da capacidade (e mesmo da sensação de necessidade) de estudo intensivo e ao nível individual talvez sejam os melhores resultados destes meses.

Há pouco tempo Michel comentava-me que quase não se reconhecia após os meses que havia passado na yeshiva. As mudanças haviam sido demasiado fortes e rápidas. Para Michel e os outros brasileiros que entretanto chegaram e após uns meses voltaram para o Brasil, o desafio maior é manter um caminho de estudo e de prática religiosa, ao mesmo tempo quando estão imersos num ambiente tão hostil a esse mesmo estudo e prática. As bases adquiridas pela sua passagem pela Yeshivat HaKotel serão uma boa ajuda na persistência nesse caminho.

Por mim, continuarei por mais algum tempo, no mínimo uns meses, ou mesmo uns anos, a estudar. Ainda não estou seguro com que objectivo concreto me manterei no estudo. No entanto, o estudo de Torá por si mesmo, sem qualquer segunda intenção, é o nível mais elevado de dedicação à descoberta da palavra Divina.

Ao olhar para trás interrogo-me: é possível saber o valor de seis meses?

publicado por Boaz às 11:45
link do artigo | Comente | favorito
4 comentários:
De Gabriel 'Boaz' a 17 de Março de 2007 às 17:56
As amizades que encontrei e fotografei e publiquei no meu site, não têm nada a ver com o ambiente em que vivo hoje. A maioria dos compnheiros do kibbutz não eram judeus, e os que o eram, não eram religiosos. Mas foram bons tempos.
De Gabriel 'Boaz' a 17 de Março de 2007 às 17:54
Oops, o meu português abrasileirou? Não foi com intenção, mas é óbvio que, por mais cuidado que tenha em manter o meu português de Portugal, a convivência com os muitos companheiros brasileiros que encontrei nesta estadia em Israel, terá os seus efeitos na forma de falar.
Mas, admitamos, Camões e Machado de Assis expressaram-se no meesmo idioma, ou não?
De antonio a 16 de Março de 2007 às 12:19
Entretanto, a Golpilheira, toda a zona desta Beira Litoral, está com a Natureza em flor.
A temperatura está na casa dos 15 a 20 graus.
Um abraço.
António
De Daniel a 13 de Março de 2007 às 23:13
Depois de ler este texto fiquei com o sentimento de que o Gabriel se expressou em português do Brasil. Mas que significa? Que o Gabriel encontrou, principalmente, amigos Brasileiros? - Vendo as fotografias da página pessoal vejo que tem estado sempre muito bem acompanhado... Gabriel conta-nos das amizades!; Tens feito amigos(as) para a vida? (Também serve para medir o valor do tempo, não!?)

Comentar artigo

.Sobre o autor


Página Pessoal
Perfil do autor. História do Médio Oriente.
Galeria de imagens da experiência como voluntário num kibbutz em Israel.


Envie comentários, sugestões e críticas para:
Correio do Clara Mente

.Pesquisar no blog

Este blog está registado
IBSN: Internet Blog Serial Number 1-613-12-5771

É proibido o uso de conteúdos sem autorização

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.Ligações

.Visitantes

Jewish Bloggers
Powered By Ringsurf

.Arquivos

. Maio 2014

. Março 2013

. Novembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

.subscrever feeds

Partilhar