Domingo, 11 de Dezembro de 2005

País plastificado

Israel é um país coberto de plástico. Os israelitas são viciados em PET, poliuretano, esferovite e derivados. Louça e talheres descartáveis são a moda nas refeições de Shabbat. As toalhas de mesa são cobertas por uma manga de plástico e no fim da refeição simplesmente deitam-se os restos com as louças e os talheres para o caixote. Muito práctico.

Eu, habituado à separação de embalagens em Portugal - confesso que é a única coisa em que sou manifestamente ultra-ortodoxo - deparo-me com um retrocesso de anos nos meus hábitos mais básicos do dia-a-dia: deitar sacos de lixo sem qualquer separação para o contentor. E se me custa! Por inúmeras razões.

Primeiro, acho importantíssimo o cuidado com o ambiente. Daí depende não só o nosso futuro, mas também o nosso presente mais são. Depois, por questões económicas: há que ter sentido práctico.

Ora, Israel (ainda mais que Portugal) é um país muito pobre em termos de recursos naturais. Petróleo e gás existem, mas em quantidades insignificantes. (Há poucos meses foi descoberta uma jazida de gás natural ao largo da Faixa de Gaza que será explorada por uma empresa britânica.)

De um modo geral, matérias-primas têm de ser importadas. Petróleo e derivados são importados de longe, apesar da ironia de os maiores produtores de petróleo do mundo serem vizinhos de Israel. É que, esses vizinhos que nadam em petróleo boicotam Israel e assim a fonte de combustíveis tem de ser procurada mais longe. Tudo isto acarreta custo enormes ao país.

A única coisa que consigo salvar para reciclagem são as garrafas de plástico, para as quais há uns contentores aqui e acolá. Todavia, parece ser um acto tão pouco habitual que, há poucos dias, um dos meus professores, ao ver-me levar um saco de garrafas para o 'ecoponto' me chamou tzadik*!

No Judaísmo existe a ideia de Tikkun Olam - reparar o Mundo. A ecologia acaba por ser uma das formas mais básicas de atingir esse princípio.

PS - 'Uma pessoa cujos méritos ultrapassam a sua iniquidade é um tzadik'. (Mishnê Torá). O Talmud diz que, em cada momento há 36 tzadikim a viver entre nós e é por eles que o mundo não é destruído.

publicado por Boaz às 00:48
link do artigo | Comente | ver comentários (6) | favorito
Terça-feira, 6 de Dezembro de 2005

Confirma-se

Confirmo a ideia existente em Portugal de que os brasileiros conhecem muito mal os portugueses. O portuga é o sujeito de inúmeras anedotas brasileiras. O ignorante, bruto e simplório por excelência.

Entre quase uma dezena de brasileiros que estuda aqui na yeshiva, todos têm do português a imagem do Manuel dono de uma padaria, cuja família provém de alguma aldeola perdida no meio de Portugal. Para eles, as mulheres portuguesas têm buço e cabelos nos sovacos.

Música portuguesa conhecem pouca ou nenhuma, simplesmente porque, segundo me disseram, as rádios no Brasil não passam a música Made in Portugal. Mas se, por algum acaso ouviram falar de música portuguesa, foi Fado.

PS - Hoje (6 de Dezembro) mudou-se mais um aluno para o meu quarto. Todas as camas ocupadas. Agora somos seis, dois israelitas, dois brasileiros, um português e o recém-chegado francês. Por cá, os franceses têm a fama de sujos e barulhentos. Vamos a ver se se confirma o estereótipo...

publicado por Boaz às 21:43
link do artigo | Comente | ver comentários (4) | favorito

.Sobre o autor


Página Pessoal
Perfil do autor. História do Médio Oriente.
Galeria de imagens da experiência como voluntário num kibbutz em Israel.


Envie comentários, sugestões e críticas para:
Correio do Clara Mente

.Pesquisar no blog

Este blog está registado
IBSN: Internet Blog Serial Number 1-613-12-5771

É proibido o uso de conteúdos sem autorização

.Artigos recentes

. Pontes e muros entre Roma...

. Habemus "chaver" no Vatic...

. Quando a sirene toca, de ...

. Morto e envenenado (por e...

. A onda africana

. Vêm aí os Persas?

. Jihad casher? – os fanáti...

. Passerelle de Jerusalém

. A Cruz nas terras do Cres...

. Os moicanos de hoje

. De bolha em bolha (de Cop...

. 9/11 – A década

. Kiddush com tequila (Em t...

. De olhos na Diáspora

. Mazal tov!

.Ligações

.Visitantes

Jewish Bloggers
Powered By Ringsurf

.Arquivos

. Maio 2014

. Março 2013

. Novembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

.subscrever feeds

Partilhar