Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2006

Luz eterna

Durante os anos de domínio grego, o estudo da Torá foi proibido, para que, esquecendo a Torá, os Judeus deixassem de ser Judeus e aceitassem o domínio helénico, não só a nível político mas acima de tudo cultural e religioso. Após uma guerra em que um pequeno exército de judeus, comandados pelos famosos Macabeus, venceu o poderoso exército grego, o governo judaico foi restabelecido na Terra de Israel. Hannukiot, os candelabros de Hannukah. Yeshivat Hakotel, Cidade Velha de Jerusalém

Ao entrarem no templo profanado pelos Gregos, os Macabeus encontraram intacto apenas um pequeno jarro de azeite para acender o candelabro. Suficiente para um único dia de luz. Porém o azeite durou milagrosamente oito dias.


 

Hannukah significa inauguração. Os oito dias do "Festival das Luzes" que os Judeus celebram nesta altura lembram o milagre ocorrido no tempo dos Macabeus e a reinauguração do Templo de Jerusalém que havia sido profanado pelos invasores gregos, há mais de 2200 anos.

Os Gregos foram expulsos da Terra de Israel e o curso imparável da História reduziu o seu império a pó. Vieram os Romanos e a ruína acabou por tomar também conta de todo o seu fausto e poder. Como já haviam sido reduzidos os Egípcios, os Babilónicos e os Persas. Todos impérios poderosos. E depois deles, os impérios fundados pelos Cruzados, os Espanhóis, os Portugueses, os czares russos e os Nazis.

Apesar do seu poder e de todos terem lutado em enorme superioridade numérica contra os Judeus, a todos o Povo de Israel resistiu e sobreviveu.

Porque a luz sempre consegue vencer as trevas. Hannuka é a afirmação da certeza dessa vitória.

publicado por Boaz às 11:43
link do artigo | Comente | favorito
Domingo, 10 de Dezembro de 2006

Regresso ao Egipto

Recentemente, um grupo de estudantes americanos da Yeshivat HaKotel foi de viagem à Polónia. No passeio de uma semana visitaram locais que representam alguns dos momentos mais gloriosos da história judaica e também dos mais trágicos.

Das estreitas ruas de Kazimierz, o antigo bairro judeu de Cracóvia, onde viveram durante séculos inúmeros rabinos que escreveram obras fundamentais do saber judaico. E a menos de 50 quilómetros de distância, o arame farpado, os pavilhões de madeira e as ruínas das câmaras de gás de Auschwitz.

Poucas semanas depois da viagem dos americanos, foi a vez de um colega brasileiro fazer a mesma "peregrinação". De volta a Jerusalém, descreveu a experiência como uma viagem a não repetir. «Foi impressionante, mas nunca mais volto àquele país», disse. «Foi como andar num ambiente de filme de terror. Tudo era fantasmagórico.»


Wroclaw, Polónia (antiga Breslau alemã), o velho cemitério judeu, 2004

Experiências como estas fazem parte de um já instituído ritual de passagem para os jovens em Israel: a viagem a um passado algumas vezes brilhante, mas acima de tudo de desgraça. Uma destas iniciativas, destinada também a jovens judeus de todo o mundo é chamada muito adequadamente, "Marcha dos Vivos". Inclui uma viagem de uma semana pela Polónia e depois outra semana em Israel. Na mente dos jovens, invariavelmente fica impressa a mensagem de que o lugar dos judeus é, agora e sempre, em Israel.

Muitos pais israelitas são reticentes em relação a estas iniciativas. Porquê regressar às ruínas e reviver um passado macabro? Mais, porque ainda hoje vivem actualmente em Israel cerca de 200 mil sobreviventes da Shoa. Avós de alguns desses jovens.

Para lá da perspectiva pedagógica, do lado religioso também há objecções. Na Torá, quando o Povo de Israel saiu do exílio do Egipto, Deus ordenou-lhes que nunca mais voltassem àquela terra. Pela escravatura sofrida na terra dos Faraós, nunca mais o Povo de Israel poderia viver naquele país. Ora, pelo mesmo princípio, dada a violência sofrida pelos Judeus na Polónia, alguns rabinos defendem que os Judeus nunca mais deveriam viver aí.

No entanto, parece ser exactamente o contrário que está a passar-se. A comunidade judaica está em expansão na Polónia. Isto depois do Holocausto - em que mais de 3 milhões de Judeus polacos foram chacinados - dos vários massacres ocorridos poucos meses após a guerra, que terão feito 2 mil vítimas mais e dos 50 anos de domínio comunista. No pós-guerra o anti-semitismo não deixou de ser propagado e a negação da colaboração dos polacos com os nazis foi política oficial.

Casos como o de Jedwabne - uma aldeia onde todos os seus habitantes judeus, cerca de 1500, foram assassinados num só dia, a 10 de Julho de 1941, pelos próprios vizinhos polacos em ajuda aos ocupantes nazis - foram abafados. A imagem que foi sendo passada foi a de que os polacos foram apenas vítimas, e não perpetradores ou sequer colaboradores.

Desde a derrocada do regime comunista assiste-se a um revigorar da vida judaica na Polónia. Após décadas de vida em segredo - para evitar reavivar velhos ódios - em que pais esconderam dos próprios filhos a sua identidade judaica, mais e mais judeus (especialmente os jovens) se revelam, enfrentando uma sociedade onde, de tempos a tempos, se repetem casos de anti-semitismo.

Casos como o ocorrido com o rabino-chefe Michael Schudrich, atacado a murro e com spray-pimenta numa rua de Varsóvia, a profanação de antigos cemitérios ou os grafitis que se repetem nas fachadas das sinagogas.

O tal colega brasileiro que fez a viagem revelou que, desde a chegada ao aeroporto de Varsóvia e um pouco por toda a viagem, a reacção das pessoas à presença visível de um grupo de judeus, não se mostrou muito amistosa. Com frequência ouviam comentários pouco simpáticos.

É neste ambiente que se encontra uma pessoa muito especial para mim: o rabino Boaz Pash, actual rabino de Cracóvia e que serviu como rabino em Lisboa durante 2 anos. Interrogado porque aceitou a missão de ser rabino num país com um registo tão trágico e em que o presente tampouco é risonho para os judeus, respondeu à boa maneira judaica, com outra pergunta: «Sabem o que é um met mitzvá

Um met mitzvah é um morto que não tem que se ocupe do seu enterro e que não pode obviamente ser deixado sem ser enterrado. Sejam quais forem as circunstâncias, com todas dificuldades e os perigos, os judeus que continuam a viver na Polónia, não podem ser deixados sem assistência.

publicado por Boaz às 11:58
link do artigo | Comente | favorito

.Sobre o autor


Página Pessoal
Perfil do autor. História do Médio Oriente.
Galeria de imagens da experiência como voluntário num kibbutz em Israel.


Envie comentários, sugestões e críticas para:
Correio do Clara Mente

.Pesquisar no blog

Este blog está registado
IBSN: Internet Blog Serial Number 1-613-12-5771

É proibido o uso de conteúdos sem autorização

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.Ligações

.Visitantes

Jewish Bloggers
Powered By Ringsurf

.Arquivos

. Maio 2014

. Março 2013

. Novembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

.subscrever feeds

Partilhar