Quinta-feira, 17 de Abril de 2008

Bem ocupado

Os leitores frequentes desta casa já devem ter reparado que a coisa tem andado parada nestes últimos dias. A razão é só uma: o meu casamento.

E como se diz em Portugal: quem casa, quer casa. Saí da yeshiva para morar no meu próprio apartamento. A maior parte das coisas estão já arranjadas - a última semana antes do casamento foi um corrupio de mudança de caixas, móveis e toda a espécie de tralha que um apartamento pode ter, para a casa nova. Depois as arrumações e limpezas para deixar o novo lar minimamente habitável.

Depois da festa, voltou de novo a azáfama para arrumar as muitas prendas que recebemos - graças a Deus!

Com isto tudo, ainda mais porque uma das coisas que falta instalar em casa é o telefone para aceder à internet: o blog acabou por ficar para trás. No entanto, não desesperem meus caros fãs, dentro em breve eu voltarei.

publicado por Boaz às 19:54
link do artigo | Comente | ver comentários (6) | favorito
Quarta-feira, 2 de Abril de 2008

Mister Fotogenia

Na maioria das vezes uso a Internet de algum ponto de wireless que encontro nas imediações da yeshivat Hakotel, durante a hora de almoço ou à noite. Em várias ocasiões, turistas me pediram autorização para tirarem uma foto minha.

A razão: o contraste moderno e antigo. Eu, com um laptop no colo, sentado nalgum degrau de uma casa da histórica Cidade Velha de Jerusalém.

Hoje também um cameraman me filmou alguns segundos enquanto navegava na Internet. Devia começar a cobrar por direitos de imagem!

publicado por Boaz às 12:14
link do artigo | Comente | ver comentários (1) | favorito

Mudanças

Uma das maiores mudanças na vida de um ser humano – a maioria das pessoas concordará – é o casamento. No dia anterior, é-se solteiro. No dia seguinte, casado. Não é apenas uma alteração de estado civil, um "sim" dito entre tantos outros durante a vida. É toda uma nova forma de ser que começa.

Mesmo para os casais que vivem juntos durante um certo período sem se casarem, após dizerem o "sim" e assinarem os papeis, a sua realidade passa a ser diferente. O compromisso anterior era um comum acordo mais ou menos informal. Sem qualquer obrigação além daquelas que existem numa relação entre duas pessoas comuns. Agora é a lei que prescreve uma parte das obrigações e direitos de cada um.

Estou a menos de uma semana dessa enorme mudança. Desde 15 de Agosto do ano passado – ou 1 de Elul no calendário hebraico – data do nosso compromisso formal, foram meses intensos de preparações. Primeiro a decisão da data. Em Israel é normal os casais noivarem durante pouco tempo, umas semanas, um ou dois meses no máximo. Todavia, para nós não podia ser muito cedo, ainda durante o ano passado, para permitir que as nossas famílias, em Portugal e no Brasil, pudessem marcar férias com antecedência e virem ao casamento.

Por outro lado, não queríamos adiar demasiado até ao Verão seguinte, para evitar o intenso calor estival de Israel. Ainda, teria de ser antes da Páscoa Judaica, que este ano acontece em meados de Abril, pois a lei judaica proíbe os casamentos nos 40 dias depois da Páscoa. Depois desses 40 dias já estaríamos no Verão. Oito de Abril pareceu-nos a data ideal.

Marcámos o local da festa para a Yeshivat HaKotel, onde eu estudo, pois sabíamos que fariam um preço especial pelo facto de eu ser aluno da yeshiva. Com vários meses de antecedência, fizemos a reserva do salão da yeshiva. Um dos maiores salões do Bairro Judeu da Cidade Velha, com vista para o Muro Ocidental e o Monte do Templo, é um local cobiçado para festas.

Decidir o menu. Ressalvar que não queremos a comida picante, a pensar nas nossas famílias, pouco habituadas aos quentes temperos do Médio Oriente. A decoração. O salão não providencia tudo, por isso há que conseguir quem fornecerá as flores para as mesas.

Seguiu-se a decisão do número de convidados e a divisão deste número entre os convidados do noivo e os da noiva. Quem chamar, quem deixar "pendente", quem excluir? Não se pode chamar toda a gente. Quem ficará ressentido connosco se não o chamarmos? O fotógrafo. De boca em boca passam informações. Foi fácil de encontrar. A banda de música. Escutámos CDs de bandas que tocam em casamentos, prestámos atenção nos casamentos onde estivemos, fomos até a uma audição especial de um grupo num estúdio de Jerusalém.

Começar a pensar onde iremos morar. Decidimo-nos por um colonato alguns quilómetros a sul de Jerusalém, Alon Shevut, na região de Gush Etzion. É o local de residência de várias famílias brasileiras que ambos conhecemos. Além de ter sido a morada da noiva até há poucos meses, o que significa que ela conhece muita gente no local. O que significa que a integração será, assim, mais fácil para ambos. A burocracia israelita foi o próximo obstáculo a transpor. As autoridades religiosas exigem uma série de documentos. Fizemos várias visitas ao Tribunal Rabínico de Jerusalém para tratar de alguma papelada.

A roupa. Um vestido de noiva é algo que só se veste – em princípio – uma vez na vida. Comprar seria um desperdício de dinheiro. Em Israel, não faltam organizações que dão vestidos de noiva ou alugam a preços bem acessíveis. A minha roupa foi bem mais fácil de decidir. Um fato, ao mesmo tempo de noivo, mas que eu pudesse usar depois para o Shabbat. Uma camisa branca, uma gravata. Os meus sapatos de Shabbat. Sem dores de cabeça.

Outra ponderação foi: quem escolher para as duas testemunhas na cerimónia de casamento? É um cargo de honra na boda, convém que seja alguém de quem estejamos especialmente próximos. A quem chamar para dizer as sete bênçãos no pálio nupcial? Com a quantidade de rabinos que conhecemos não é difícil escolher. O problema é quem ficará de fora.

Estudar. A lei judaica é bastante minuciosa com as relações entre as pessoas. Ainda mais entre os membros do casal. Pelo facto de a lei judaica proibir o contacto entre marido e esposa durante o período menstrual, a relação está muito dependente do ciclo da mulher. Durante vários meses estudei com um rabino as leis de nidá, nome dado ao estado da mulher durante a menstruação, e Shalom bait, a paz em casa. É óbvio que o relacionamento entre o casal não pode ter como fundamento único a relação sexual. Nos dias em que o contacto físico entre os cônjuges é proibido, é essencial encontrar outros meios de manter a relação entre ambos forte e harmoniosa.

Esta última semana tem sido uma correria para tratar das coisas para a casa. Ainda mais, por coincidência, esta é a última semana do semestre da yeshiva. Desta forma, tenho de tirar todas as minhas coisas do meu quarto. A solução foi transferir tudo para o apartamento onde a minha noiva ainda mora em Jerusalém. Desta forma, a carrinha das mudanças poderá levar, de uma vez só, todas as nossas coisas para a casa nova.

Recebemos a maior parte da mobília e dos electrodomésticos. Mas tivemos de andar à procura em casas de móveis e em sítios de Internet que vendem artigos usados, para encontrar as coisas que nos faltavam. Visitar casas aqui e ali para apreciar as mobílias. Com todas estas coisas, não me posso queixar. Tivemos muitas ajudas. A mão estendeu-se muitas vezes para nos ajudar. Mesmo sem pedirmos.

A mitzva (preceito judaico) do casamento, a base da ordem divina "crescei e multiplicai-vos", é uma das mais apreciadas. É enorme e incansável o esforço e a generosidade das pessoas para ajudarem os futuros casais. Há organizações que doam de tudo, desde móveis e roupa de casa, até arranjos de flores para decorar o salão da festa. A sociedade judaica sustenta-se, acima de tudo, na família. Por isso tanto é investido para ajudar cada nova família que nasce.

publicado por Boaz às 12:08
link do artigo | Comente | favorito

.Sobre o autor


Página Pessoal
Perfil do autor. História do Médio Oriente.
Galeria de imagens da experiência como voluntário num kibbutz em Israel.


Envie comentários, sugestões e críticas para:
Correio do Clara Mente

.Pesquisar no blog

Este blog está registado
IBSN: Internet Blog Serial Number 1-613-12-5771

É proibido o uso de conteúdos sem autorização

.Artigos recentes

. Pontes e muros entre Roma...

. Habemus "chaver" no Vatic...

. Quando a sirene toca, de ...

. Morto e envenenado (por e...

. A onda africana

. Vêm aí os Persas?

. Jihad casher? – os fanáti...

. Passerelle de Jerusalém

. A Cruz nas terras do Cres...

. Os moicanos de hoje

. De bolha em bolha (de Cop...

. 9/11 – A década

. Kiddush com tequila (Em t...

. De olhos na Diáspora

. Mazal tov!

.Ligações

.Visitantes

Jewish Bloggers
Powered By Ringsurf

.Arquivos

. Maio 2014

. Março 2013

. Novembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

.subscrever feeds

Partilhar