Quarta-feira, 31 de Dezembro de 2008

Ilusões

O governo de Israel rejeitou a proposta francesa de um cessar-fogo provisório com o Hamas. Os mais ingénuos poderiam descrever esta resposta israelita à iniciativa francesa como "um sinal evidente de que Israel não deseja a paz".

Não se iludam. Tal como a comentou um responsável israelita, "A proposta de cessar-fogo provisório unilateral do ministro dos Negócios Estrangeiros francês, Bernard Kouchner, não foi considerada útil, porque é evidente que o Hamas não vai suspender o lançamento de foguetes contra Israel".

No Líbano, em 2006, Israel deixou o trabalho incompleto e o Hezbollah evidentemente aproveitou-se disso. O resultado: está hoje mais forte (quero dizer, armado) do que antes da guerra e não vai deixar de voltar a atacar Israel na próxima oportunidade. Israel não pode cometer o mesmo erro outra vez.

tags: ,
publicado por Boaz às 19:33
link do artigo | Comente | favorito

O luxo da verdade

É um caso raro de lucidez e coragem política. O ministro dos Negócios Estrangeiros da República Checa, país que assume a nova – a partir de hoje – presidência em exercício da União Europeia, defendeu sem rodeios o direito de Israel de se defender contra o Hamas.

Numa entrevista ao diário checo Mlada Fronta Dnes, Karel Schwarzenberg disse: "Vejamos uma coisa: o Hamas aumentou abruptamente o número de mísseis disparados contra Israel, desde que o cessar-fogo terminou em 19 de Dezembro. Isso não pode continuar a ser tolerado."

Enquanto muitos líderes mundiais se limitam a lamentar o grande número de baixas civis, o ministro dos Negócios Estrangeiros checo tem a perspicácia de expor os factos como eles são: a estratégia do Hamas de colocar as suas bases e depósitos de armamento em áreas densamente povoadas é a razão para o crescente número de mortos palestinianos.

E acrescentou: "Porque eu sou um dos poucos que tem expressado compreensão para com Israel?... Eu estou a desfrutar do luxo de dizer a verdade".

Outros, como o Presidente francês Nicolas Sarcozy, anterior presidente da União Europeia, não tiveram a mesma coragem de sacudirem dos ombros o peso do tão hipócrita discurso "politicamente correcto". De certo, pelo medo que, de novo, a França seja incendiada pela populaça magrebina suburbana.

tags: ,
publicado por Boaz às 19:29
link do artigo | Comente | favorito
Domingo, 28 de Dezembro de 2008

Meio mercado (ou será que os árabes fizeram greve?)

Hoje foi o dia de ir ao mercado de rua de Jerusalém, o Mahane Yehuda. Habitualmente, é um local quase caótico, apinhado de gente atarefada no meio das compras e de vendedores que gritam os seus pregões de descontos imbatíveis, num tom quase histérico. Porém, hoje o shuq (mercado em hebraico) estava calmo. Metade das lojas - as lojas dos vendedores árabes - estavam fechadas.

Devido à ofensiva militar em Gaza e com receios de distúrbios entre os árabes da Cisjordânia (tão perto de Jerusalém), as medidas de segurança foram aumentadas. Muitos dos vendedores do mercado Mahane Yehuda trazem diariamente os seus produtos de Belém, Hebron e outras cidades árabes.

Hoje, ou foram impedidos de passar pelos controles de segurança, ou então decidiram fazer um boicote aos compradores judeus.

PS - Os preços das verduras estavam ligeiramente mais altos hoje no mercado...

publicado por Boaz às 17:56
link do artigo | Comente | favorito

A nação deslumbrada

De acordo com uma sondagem publicada na última sexta-feira pelo jornal USA Today, o presidente eleito dos EUA, Barack Obama, é o homem no mundo que os americanos mais admiram. Não é o vendedor de beigels de rua, o rancheiro texano ou o cantor de country do bar da esquina. Quase um terço dos inquiridos referiram Obama, que é empossado presidente em menos de um mês, como "o mais admirado".

Não se admirem, é provavel que seja só um deslumbramento passageiro... Afinal, todos os hot-shots passam por um estrelato destes. Seja o futuro presidente, seja o vencedor do Big Brother. Por agora Obama tem apenas belas poses no palco, frases bem estudadas ou fotos de família na praia.

Deixem-no começar a mexer na papelada da Casa Branca, fazer alguma coisa em nome da América, ter de tomar decisões impopulares, que o papel de "herói do momento" depressa se desvanece. Tem até 20 de Janeiro para curtir a boa fama.

tags: ,
publicado por Boaz às 09:32
link do artigo | Comente | favorito
Sábado, 27 de Dezembro de 2008

Foram avisados

Começo por dizer que: sim, é trágico o que se passa em Gaza. Porém, há que afirmar que o Hamas foi avisado. O governo de Israel anda, há semanas, a avisar que, caso não terminasse o lançamento de mísseis sobre as cidades de Sderot, Netivot e Ashkelon, situadas a poucos quilómetros da Faixa de Gaza, seria desencadeada uma operação em larga escala contra as instalações do Hamas na Faixa. Alegadamente, havia uma trégua entre o Hamas e Israel. Porém, há poucos dias o Hamas retomou o lançamento de mísseis. Chegaram a lançar 60 mísseis em 3 dias.

Estavam à espera de quê? Que Israel lhes mandasse bolos? Nenhum país permitiria impavidamente uma situação como a aquela que se tem mantido em Sderot nos últimos 7 anos. O lançamento quase diário de mísseis sobre a cidade, a partir de Gaza.

O Mundo condena. Também não se espera outra coisa. No entanto, só se condena a "gigantesca desproporção" da resposta de Israel e se lamenta o sofrimento em Gaza. Esperam-se para os próximos dias as marchas dos esquerdistas europeus frente às embaixadas de Israel, a queima de bandeiras israelitas da Indonésia à Noruega. Porém, os marchantes e os queimadores de bandeiras nada dizem nem dirão sobre o terror permanente por que passam os habitantes de Sderot. Para eles não há solidariedade internacional. Mesmo que, ao contrário do que fez o governo de Israel antes do início da operação, eles não sejam avisados pelo Hamas da chegada dos mísseis.

tags: ,
publicado por Boaz às 18:32
link do artigo | Comente | ver comentários (1) | favorito
Quarta-feira, 24 de Dezembro de 2008

Natal em Chanucá


Shopping Mamilla, em Jerusalém, decorado para Chanucá.

Este ano o Natal caiu na semana do festival judaico de Chanucá. Em Jerusalém, os símbolos de ambas as festas misturam-se. Na maior parte da cidade impera a decoração de Chanucá, com iluminações em forma de candelabro e dreidels (um brinquedo em forma de pião usado numa brincadeira tradicional nesta época).

Ao anoitecer, as famílias judaicas acendem as velas da chanukiá, o candelabro de Chanucá, o principal ritual da festa. Nas famílias judaicas ashkenazim (judeus originários do Leste Europeu) cada elemento da família acende o seu próprio candelabro, incluindo as crianças. Os sefarditas (judeus ibéricos e dos países árabes) acendem uma para toda a família. Depois de acesas as velas, seguem-se as canções tradicionais da época.

Na rua que sobe do Bairro Judeu da Cidade Velha em direcção ao Bairro Arménio, na porta de cada casa é possível encontrar um candelabro aceso. Ali perto, é possível ver um pinheiro decorado numa das janelas do Patriarcado Arménio. Mais adiante, uma loja de cerâmica arménia toca "Silent Night". Na praça em frente à Porta de Jaffa, as lojas de cristãos estão decoradas. Não existem árvores decoradas em locais públicos. O Shopping Mamilla, um dos locais da moda em Jerusalém está decorado para Chanucá, mas não há referências ao Natal. Só na Estrada de Hebron, já próximo do posto de controlo de Belém, é possível encontrar algumas decorações natalícias penduradas nos postes de iluminação pública.

Nos cafés e padarias, bandejas com montes de sufganiot – um bolo frito redondo, bem parecido com a bola de Berlim, mas com menos creme " despertam a gula dos clientes. Normalmente recheadas com geleia ou chocolate, as versões modernas do doce incluem uma autêntica bomba calórica com cobertura de chocolate e risquinhas de chocolate branco. São uma tentação, mas desculpem-me se o digo: nem a melhor das sufganiot ganha às filhós de laranja da minha mãe.

Natal não é feriado em Israel. Ao contrário das ocasiões das principais festividades judaicas, os serviços e transportes públicos funcionam normalmente. O Natal é apenas um dia. Chanuká são oito.

publicado por Boaz às 20:35
link do artigo | Comente | ver comentários (2) | favorito
Sexta-feira, 12 de Dezembro de 2008

Nem para me coçar

Os dias continuam com 24 horas e isso significa que eu não tenho tempo para tudo. (Eu sei, não sou a primeira pessoa no mundo a queixar-se com falta de tempo). Tanta coisa para fazer...

Empacotar a casa para a mudar de sítio (são só uns 500 metros de distância, mas não dá para levar tudo nos bolsos). Escolher algumas mobílias, como o roupeiro do quarto e as estantes da sala, que a casa nova não tem... e não é nada prático manter a biblioteca em caixotes e a roupa em malas de viagem. Já nos estamos a preparar para a chegada do herdeiro da fortuna (Oh, oh!) e daí que já passámos horas e horas em lojas a escolher o carrinho de bebé, a banheira, as chupetas e a infinidade de coisas que um bebé precisa.

O e-mail de Dvar Torá da Yeshivat Hakotel vai de vento em popa. E como eu, além de escritor quinzenal do texto de Ética Judaica, sou o revisor, editor, montador de texto e a pessoa que carrega no botãozinho de "Enviar", todas as semanas... não me tem faltado trabalho. Agora até já tem uma versão em espanhol e por este andar, a coisa não vai ficar por aqui. Leitores de língua albanesa e cambodjana, preparem as caixas de correio electrónico!

O que sobra? Pouco, daí que apareça pouco por estas bandas para escrever mais uns artigos. Tenho vários na forja mas, como já dei a entender, o tempo não dá para tudo. Já entendi, a solução é dormir menos e correr mais. Vou tentar.

PS - Este artigo foi só mesmo para aliviar um pouco a pressão... Vai tudo bem. Tirando uma dorzinha de dentes, mas isso também passa.

publicado por Boaz às 02:00
link do artigo | Comente | ver comentários (4) | favorito

.Sobre o autor


Página Pessoal
Perfil do autor. História do Médio Oriente.
Galeria de imagens da experiência como voluntário num kibbutz em Israel.


Envie comentários, sugestões e críticas para:
Correio do Clara Mente

.Pesquisar no blog

Este blog está registado
IBSN: Internet Blog Serial Number 1-613-12-5771

É proibido o uso de conteúdos sem autorização

.Artigos recentes

. Pontes e muros entre Roma...

. Habemus "chaver" no Vatic...

. Quando a sirene toca, de ...

. Morto e envenenado (por e...

. A onda africana

. Vêm aí os Persas?

. Jihad casher? – os fanáti...

. Passerelle de Jerusalém

. A Cruz nas terras do Cres...

. Os moicanos de hoje

. De bolha em bolha (de Cop...

. 9/11 – A década

. Kiddush com tequila (Em t...

. De olhos na Diáspora

. Mazal tov!

.Ligações

.Visitantes

Jewish Bloggers
Powered By Ringsurf

.Arquivos

. Maio 2014

. Março 2013

. Novembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

.subscrever feeds

Partilhar