Domingo, 29 de Março de 2009

O último acorde

Há poucos dias, uma orquestra composta por crianças do campo de refugiados palestinianos de Jenin realizou uma pequena actuação em Israel. A audiência: um grupo de sobreviventes do Holocausto. As crianças eram membros da orquestra palestiniana "Cordas da Liberdade" baseada naquele campo de refugiados. O concerto foi realizado no Centro de Sobreviventes do Holocausto de Holon, uma cidade próxima de Tel Aviv.

A princípio, as crianças não sabiam que iriam tocar para tal plateia. Os espectadores também não sabiam da proveniência das crianças. As crianças pensavam que era apenas um grupo de idosos israelitas. Os sobreviventes pensavam que as crianças provinham de uma aldeia árabe vizinha.

A surpresa mútua despertou curiosidade pela história de ambos os grupos. A vida dos refugiados palestinianos não é assunto de quotidiano em Israel. As crianças nunca tinham ouvido falar do Holocausto - não é assunto ensinado nas escolas palestinianas, e se, por acaso for mencionado, é mostrado apenas como "propaganda sionista".

Hoje, em reacção à participação das crianças no concerto, a orquestra foi desmantelada por autoridades palestinianas. O apartamento onde funciona a escola de música foi confiscado. O caso foi visto como "perigoso, porque foi dirigido contra a identidade cultural e nacional dos Palestinianos".

Mais importante do que cultivar a música ou o entendimento, é manter a luta. Manter as crianças treinadas na propaganda da causa, está acima de tudo.

tags: ,
publicado por Boaz às 22:33
link do artigo | Comente | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 20 de Março de 2009

Porto de refúgio

Imigrantes, migrantes e refugiados. Três termos que fazem parte do quotidiano de Israel. A maioria dos israelitas é imigrante (como eu, por exemplo), aquilo que em hebraico se chama oleh – o que fez aliyá, a imigração para Israel. Ou, se eles próprios não são imigrantes, serão a primeira ou segunda geração de cidadãos de Israel. São poucas as famílias que se estabeleceram em Israel há mais de três gerações.

Além da muito discutida situação dos refugiados palestinianos, a história de Israel é marcada pelas sucessivas ondas de refugiados judeus. Primeiro, os quase um milhão de judeus países árabes. Depois, sucessivamente, os judeus do Irão, da ex-União Soviética. Os judeus argentinos e uruguaios chegaram durante a crise económica na América Latina, enquanto uma nova vaga de anti-semitismo na Europa fez chegar os franceses nos últimos anos.

Na última década, com o desenvolvimento económico – em especial depois do abrandamento da violência da Segunda Intifada, milhares de imigrantes não-judeus chagaram ao país para trabalhar. É um fenómeno corrente em todas as sociedades modernas. Em Portugal, e na generalidade da Europa Ocidental são os africanos, os chineses, os sul-americanos e os europeus do Leste. Nos EUA são os mexicanos ou os cubanos. Em Israel, a imigração económica é quase totalmente asiática: filipinos, tailandeses, chineses, cingaleses (do Sri Lanka). Nos últimos anos, surgiram dois novos fenómenos das migrações para Israel: os sudaneses e os eritreus.


Vestido de menina africana na cerca da fronteira Israel-Egipto, 20-8-07. Foto de Yonathan Weitzman.

Do Sudão chegaram refugiados do Darfur. Fogem de um dos mais trágicos e ignorados conflitos actualmente no Mundo, iniciado em 2003. As milícias árabes Janjaweed que contam com o apoio do governo sudanês lutam contra vários grupos de guerrilha de tribos não-árabes da região. De acordo com organizações não-governamentais, o número de mortos poderá ultrapassar os 500.000. Os refugiados são mais de 2,5 milhões. Numa comunidade internacional vesga e cheia de "outros interesses", a única consequência do conflito foram as recentes acusações de crimes de guerra e genocídio contra o presidente do Sudão Omar al-Bashir. Como retaliação pela afronta da crítica, o governo sudanês expulsou as organizações internacionais de ajuda aos refugiados de Darfur.

A guerra, a pobreza e a ditadura na Eritreia levaram a uma pequena vaga de refugiados para Israel. A Eritreia, um país do Leste de África pouco maior do que Portugal, foi parte da Etiópia até à independência, em 1993. É por várias organizações considerada um dos países com pior registo de direitos humanos no Mundo. (Aliás, quem ouviu falar da situação na Eritreia?) O presidente eritreu, Isaias Afewerki, foi incluído na lista dos piores ditadores pela revista Parade Magazine. Toda a imprensa é controlada e as eleições são proibidas por "polarizarem a sociedade".

Em Israel, algumas centenas de refugiados sudaneses receberam asilo político, algo extraordinário, já que provêm de um país que, além de não ter relações diplomáticas com Israel, é visto como um país hostil. Ainda assim, os sudaneses de Darfur receberam ajuda do Estado. As crianças ingressaram nas escolas. Os eritreus começam a substituir os árabes nos trabalhos de limpeza de ruas e edifícios públicos. Em Alon Shevut, dois homens da Eritreia são uma visão comum a cuidar da limpeza pública. Na Yeshivat HaKotel, um jovem eritreu foi a última adição à equipa de funcionários.

O que espanta mais nesta história é que os sudaneses e a maioria dos eritreus são muçulmanos. Arriscaram-se a atravessar mais de 1500 quilómetros de deserto, onde ficaram sujeitos à violência de bandidos, em terras sem lei nem ordem. Na passagem pelo Egipto, sofreram a brutalidade da polícia. Algumas mulheres relataram terem sido violadas. Querem chegar a Israel, o único país judeu do Mundo. O "pequeno Satã" e "inimigo dos Árabes e do Islão". Ainda assim, com todos os seus defeitos, é o porto de abrigo sonhado por muitos.

publicado por Boaz às 21:50
link do artigo | Comente | favorito
Sexta-feira, 13 de Março de 2009

Beleza escandinava

Era para ser apenas mais um jogo de ténis. Israel defrontava a poderosa Suécia no escalão principal da Taça Davis, a mais importante competição internacional de ténis masculino por equipas. A realizar em Malmö (lê-se "Malmou"), a terceira cidade da Suécia, com várias semanas de antecedência percebeu-se que aquele não iria ser apenas uma partida de ténis. A organização do torneio recebeu ameaças contra a presença dos atletas israelitas. Pouco mais de um mês após a operação "Chumbo Fundido" em Gaza, houve apelos ao boicote ao jogo com a equipa de Israel.

O boicote desportivo de Israel foi demonstrado recentemente pelo Dubai, quando recusou conceder um visto à tenista israelita Shahar Peer para participar no Torneio de ténis da cidade, um dos mais importantes do calendário da modalidade. A organização alegou que a recente operação militar em Gaza iria suscitar sentimentos negativos por parte dos fãs do ténis, contra a presença de atletas israelitas. Contudo, face à enorme controvérsia levantada e sob ameaça da suspensão do Torneio do Dubai do próximo ano, foi concedido um visto ao tenista israelita Andy Ram.

No caso sueco, o facto de a população de Malmö ser composta em quase 40% de imigrantes, a maioria muçulmanos, não foi alheio à massiva campanha anti-israelita intitulada "Parem o Jogo". Houve propostas para mudar o local da partida para outra cidade sueca. Porém, a organização recusou. Ao mesmo tempo, a polícia local declarou-se incapaz de garantir a segurança dos fãs israelitas. Daí que a "solução" foi a realização dos jogos à porta fechada. Para lá do IKEA, fica provada mais uma vez a eficiência sueca.


Malmö: Manifestações nas ruas e o estádio vazio.

No dia anterior aos jogos, houve violentas manifestações anti-Israel na cidade, com cerca de 7.000 participantes. O ambiente era tenso. Apenas um grupo restrito de 300 espectadores foi permitido de presenciar as partidas. Para a história, além da vergonhosa ingerência da política no torneio – política e desporto, digam o que disserem, andam sempre de mãos dadas – ficou a vitória de Israel. Os atletas israelitas foram recebidos como heróis em casa. Já a Suécia e a sua arrogância ficaram a cuspir pó após a derrota face a uma equipa israelita tecnicamente muito inferior.

Este é apenas um dos episódios da recente vaga anti-israelita na Escandinávia. Já esta semana, uma equipa de 45 lutadores israelitas de taekwondo que deveria participar num torneio também na Suécia, foi avisada para ficar em casa. De novo, as autoridades disseram que "não poderiam garantir a segurança" dos atletas e dos fãs que os acompanhassem.

Na vizinha Noruega, durante as semanas em que durou a operação militar israelita em Gaza, realizaram-se algumas das mais numerosas e virulentas manifestações anti-Israel em toda a Europa. Nos jornais noruegueses são comuns as notícias e os artigos de opinião (muitas vezes é difícil distinguir os dois tipos) declaradamente contra Israel. O mais famoso escritor norueguês da actualidade, Jostein Gaarder (autor do best-seller O Mundo de Sofia) é um dos mais ferozes intelectuais anti-Israel no país.

Esta hostilidade contra Israel traduz-se também em ameaças aos judeus suecos e noruegueses. Os ataques contra sinagogas têm aumentado de frequência. Em várias ocasiões, artistas têm realizado livremente actuações de carácter visivelmente anti-semita. Em 2004, um museu de Estocolmo exibiu a peça Branca de Neve e a Loucura da Verdade, em que glorificava uma terrorista suicida palestiniana que tinha morto 22 pessoas num café de Haifa. A exposição era coordenada por uma conferência pública sobre a prevenção do genocídio. Na Noruega, o comediante Otto Jespersen, numa das suas rotineiras actuações na televisão pública troçou: "Eu gostaria de aproveitar a oportunidade de lembrar todos os biliões de pulgas e piolhos que perderam as suas vidas nas câmaras de gás alemãs, sem terem feito nada de errado a não ser viver em pessoas de origem judaica". Na ocasião, uma queixa foi feita por um cidadão judeu contra o comediante. O artista recebeu o apoio declarado dos colegas e da televisão pública.

Historicamente, a Suécia e a Noruega, tidas como países liberais e defensores de nobres causas, têm um registo secular de anti-semitismo. Em 1685, o Rei Carlos XI da Suécia passou uma lei proibindo os Judeus de viver no país "pelo perigo da eventual influência da religião judaica na pura fé evangélica". Leis especiais anti-judaicas existiram na Suécia até meados do século XIX. No caso da Noruega, os Judeus foram oficialmente proibidos de residir no país durante mais de 800 anos, até ao século XIX.

Durante a Segunda Guerra Mundial, as autoridades da Noruega forneceram aos Nazis (que ocupavam o país) as listas dos membros da minúscula comunidade judaica. Mais de 700 judeus noruegueses morreram em Auschwitz. A Suécia, neutra durante a Guerra, acolheu a pedido da Dinamarca a quase totalidade dos judeus dinamarqueses, marcados para a morte pelos Nazis. As acções heróicas do diplomata Raoul Wallenberg, que salvou milhares de judeus húngaros da deportação, garantiram um bom-nome à nação.

Preso pelo Exército Vermelho depois da Guerra, Raoul Wallenberg desapareceu na escuridão do Gulag (o sistema soviético de "reeducação", eufemismo para campos de concentração e de trabalhos forçados). Numa desconhecida vala-comum onde jazerá, algures na Sibéria, o cadáver de Raoul Wallenberg deve revolver-se, perante o estado a que chegou a grandiosa democracia escandinava.

publicado por Boaz às 13:28
link do artigo | Comente | ver comentários (4) | favorito
Domingo, 8 de Março de 2009

Rol de excomungados

História macabra (divulgada a semana passada no Brasil, mas podia ser em qualquer outro lugar): pai viola filha de 9 anos. A menina fica grávida (de gémeos). A mãe da menina decide que a filha deve fazer um aborto. Perante o escândalo, o bispo católico de Recife excomunga a mãe e os médicos por terem autorizado (ela) e realizado (eles) a interrupção da gravidez.

"Não existe pecado sem perdão, mesmo para a pessoa que cometeu aborto. Agora, para receber o perdão é preciso arrepender-se, é preciso uma conversão", disse dom José Cardoso Sobrinho.

O pai exemplar não é mencionado na lista dos excomungados, nem na dos pecadores...

tags: ,
publicado por Boaz às 19:11
link do artigo | Comente | ver comentários (3) | favorito
Terça-feira, 3 de Março de 2009

Quem com ferros mata

Num golpe típico de cowboiadas e lutas de mafiosos, o presidente da Guiné-Bissau foi assassinado. Nada de extraordinário, num país que desde a independência tem vivido no caos e na miséria, na opressão de uma elite de tiranos e de gente despreocupada com a sorte dos seus concidadãos comuns. Sem ordem nem sistema capaz de a aplicar, a lei do mais forte impõe-se sempre que a ocasião o permite. Os militares, descontentes com a decapitação da chefia militar pelo mesmo Nino Vieira, vingaram-se matando-o a tiro.

Nino Vieira não deixará grandes saudades aos guineenses. Manda-chuva absoluto de um país miserável – cronicamente destacado entre os mais pobres do mundo – espremeu os poucos recursos da nação em proveito próprio. Nada de novo na bela colecção de ditadores e assassinos que têm dirigido os destinos da maioria dos estados africanos. Os ventos da mudança, que já sopram noutras latitudes do Continente Negro, ainda não chegaram com força positiva a Bissau.


Piroga na praia de Bubaque, Ilhas Bijagós, Guiné-Bissau.
Quem conhece, diz que poderia ser o paraíso...

Depois da independência, em 1974, conseguida depois da Guerra Colonial, a qual atingiu teve alguns dos seus episódios mais violentos exactamente no terreno da Guiné, o país foi controlado por um conselho revolucionário até 1984. As primeiras eleições multi-partidárias foram realizadas em 1994, mas uma sublevação militar em 1998 afastou à força o presidente – então o mesmo Nino Vieira, assassinado esta semana. O episódio desencadeou a Guerra Civil da Guiné-Bissau.

Em 2000, numas eleições cheias de esperanças para o comum guineense, desgraçado e cansado de guerra, foi eleito Kumba Ialá. Famoso pelo seu barrete vermelho (uma espécie de Saci-Pererê com duas pernas, mas nada mais do que isso), o novo presidente foi tão incompetente como os seus antecessores. Também ele foi deposto por um golpe militar.

Nos meus tempos da faculdade, em Lisboa, uma colega guineense descrevia o país onde nascera com a desilusão de quem se recusa a aceitar como certo o desprezo pelo mérito e o imperativo da lei da selva. Contava que, para passar de classe na sua escola de Bissau – ainda que fosse um colégio privado, já que o sistema de educação pública não responde aos critérios mínimos – tinha de "ajudar" os professores. Favores em dinheiro e géneros eram a única garantia de progredir na escada da educação. Depois de terminada licenciatura, preferiu a precariedade da procura de emprego pós-universidade em Portugal do que o regresso às difíceis origens. Mesmo que um canudo de uma universidade europeia lhe poderia ter aberto algumas portas mais promissoras.

Em 1998, durante a Expo’98, em Lisboa, lembro-me de visitar o pavilhão da Guiné-Bissau. Um vídeo mostrava as belezas naturais e as potencialidades turísticas do pequeno país. Aí, tornava-se ainda mais evidente, quanto tudo o que de bom o país tem é desperdiçado pelos erros da elite que o governa.

A Guiné é o típico estado falhado africano. Os guineenses, presos nas malhas do analfabetismo, do autoritarismo tribal e político, de tradições bárbaras como a mutilação genital feminina, têm sido vítimas da sua impossibilidade de sair do ciclo de tragédias que tem sido a sua história pré e pós-colonial.

E como o resto do Mundo não deposita grandes recursos para ajudar um pequeno país de pouco mais de um milhão de habitantes, parece perpetuar-se "o estado das coisas". Uma fatalidade africana no seu melhor.

tags: ,
publicado por Boaz às 23:03
link do artigo | Comente | ver comentários (1) | favorito

.Sobre o autor


Página Pessoal
Perfil do autor. História do Médio Oriente.
Galeria de imagens da experiência como voluntário num kibbutz em Israel.


Envie comentários, sugestões e críticas para:
Correio do Clara Mente

.Pesquisar no blog

Este blog está registado
IBSN: Internet Blog Serial Number 1-613-12-5771

É proibido o uso de conteúdos sem autorização

.Artigos recentes

. Pontes e muros entre Roma...

. Habemus "chaver" no Vatic...

. Quando a sirene toca, de ...

. Morto e envenenado (por e...

. A onda africana

. Vêm aí os Persas?

. Jihad casher? – os fanáti...

. Passerelle de Jerusalém

. A Cruz nas terras do Cres...

. Os moicanos de hoje

. De bolha em bolha (de Cop...

. 9/11 – A década

. Kiddush com tequila (Em t...

. De olhos na Diáspora

. Mazal tov!

.Ligações

.Visitantes

Jewish Bloggers
Powered By Ringsurf

.Arquivos

. Maio 2014

. Março 2013

. Novembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

.subscrever feeds

Partilhar