Quinta-feira, 31 de Março de 2005

Os Estados incapazes e o Mundo impassível (I)

O Zimbabué vai hoje a votos. Não se esperam mudanças no panorama político daquele país africano. Infelizmente. Como nas últimas eleições, marcadas pela fraude em larga escala e pela intimidação da oposição, actualmente as forças que se opõem a Mugabe quase não têm acesso aos meios de comunicação social, enquanto o poder usa todos os meios do Estado para se promover.

Mugabe tem feito a sua campanha do mesmo modo que tem conduzido o seu último mandato presidencial, acusando a Grã-Bretanha e Tony Blair de todos os males que afectam o Zimbabué. Vai ao cúmulo de acusar Blair de ser o culpado pela seca e pela fome.

Apesar da situação catastrófica do país e da demência do presidente, não se espera uma revolução para exigir a democracia como as que se sucederam nos últimos meses na Geórgia e na Ucrânia e, na semana passada, no Quirguistão. Infelizmente de novo. Não haverá observadores internacionais independentes para fiscalizar a legalidade do escrutínio. Haverá alguns mirones de ocasião, apenas por fachada, já que são "compadres" de Robert Mugabe.


Família, Transkei, África do Sul. National Geographic

E a isto o mundo, infelizmente deverá reagir como reagiu da última vez que houve eleições por aqueles lados. Aliás, como reage de cada vez que há eleições fraudulentas em África. Olha, cala-se e vira as costas.

O fantasma colonial

Nada se faz para travar os genocídios dos negros animistas e cristãos da Núbia e dos negros muçulmanos no Darfur, ambos no Sudão. Só no caso do Darfur, um relatório divulgado esta semana revelou haver já mais de 300.000 (trezentos mil!) mortos. Mais do que os do tsunami do Índico!

O espinho colonial cravado na consciência política europeia, faz com que os governos do mundo, em especial os da Europa, evitem denunciar o que quer que seja. O único que se atreve a levantar a voz é Tony Blair, exactamente aquele a quem muitos na Europa olham como o cãozinho de estimação de George W. Bush. Enorme ironia. Enquanto isso, os intelectuais de França vão tecendo hipócritas considerações pseudo-humanistas sobre o estado do Mundo e Monsieur Chirac defende o fim do embargo de armas à China.

Mesmo as Nações Unidas pouco fazem para travar as ditaduras africanas. Quando a Indonésia saiu de Timor-Leste e as milícias arrasaram o país, a ONU estabeleceu um governo provisório, liderado por Sérgio Vieira de Mello. No Kosovo, após a violência étnica entre sérvios e albaneses, de novo a ONU interveio, e ainda hoje a província sérvia é governada pelas Nações Unidas. Nada disto é feito em África e a razão é evidente.

Estabelecer governos sob a égide da ONU em países como o Zimbabué ou o Sudão seria um "perigoso" precedente, para ser aplicado a uma boa parte dos países africanos, assim como a alguns asiáticos e latino-americanos. Obviamente que o influente bloco africano da ONU se oporia a tal medida. Veria nela um regresso ao colonialismo, esse fantasma recorrente nos discursos dos presidentes africanos - com Mugabe à cabeça. Desculpa válida para todas as suas deficiências.

tags: ,
publicado por Boaz às 16:12
link do artigo | Comente | favorito
1 comentário:
De Funny a 2 de Abril de 2005 às 13:16
Li com interesse o teu post e só tenho pena de uma coisa, de ser verdade. Mas como a pena não resolve nada e os políticos (a maioria) tb n, devemos começar a pensar o q é q nós podemos fazer enquanto cidadãos empenhados num mundo melhor... Afinal nos países democráticos (normalmente) temos liberdade para agir, eleger, pressionar, incomodar, chamar à atenção... isto se estivermos dispostos a incomodarmo-nos.

Comentar artigo

.Sobre o autor


Página Pessoal
Perfil do autor. História do Médio Oriente.
Galeria de imagens da experiência como voluntário num kibbutz em Israel.


Envie comentários, sugestões e críticas para:
Correio do Clara Mente

.Pesquisar no blog

Este blog está registado
IBSN: Internet Blog Serial Number 1-613-12-5771

É proibido o uso de conteúdos sem autorização

.Artigos recentes

. Pontes e muros entre Roma...

. Habemus "chaver" no Vatic...

. Quando a sirene toca, de ...

. Morto e envenenado (por e...

. A onda africana

. Vêm aí os Persas?

. Jihad casher? – os fanáti...

. Passerelle de Jerusalém

. A Cruz nas terras do Cres...

. Os moicanos de hoje

. De bolha em bolha (de Cop...

. 9/11 – A década

. Kiddush com tequila (Em t...

. De olhos na Diáspora

. Mazal tov!

.Ligações

.Visitantes

Jewish Bloggers
Powered By Ringsurf

.Arquivos

. Maio 2014

. Março 2013

. Novembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

.subscrever feeds

Partilhar