Quinta-feira, 17 de Março de 2005

África Minha - versão Blair

Recentemente, o PM britânico Tony Blair propôs a adopção de um compromisso sério e empenhado para combater a pobreza em África. O plano não é novo e prevê o cumprimento de compromissos antigos, feitos pela maioria dos países desenvolvidos, que consistem na atribuição de um valor equivalente a menos de 1% do PIB em ajudas ao desenvolvimento em África. Embora o valor de 1% pareça pequeno, são poucos os casos em que a promessa é cumprida: somente alguns países escandinavos. Sabe-se que o valor, já de si pequeno, da ajuda ao desenvolvimento do Terceiro Mundo tem decrescido na maioria dos países.

Não me lembro de ter ouvido Blair falar do fim dos subsídios da UE aos agricultores europeus, incluindo aos britânicos. Não sou daqueles ocidentais, normalmente de esquerda, que, talvez por sentimentos de culpa não resolvidos, acham que TUDO o que acontece de mal em África é causado pelo Ocidente. No entanto, é inegável que a existência de subsídios agrícolas na Europa (e EUA) é um dos principais entraves ao desenvolvimento dos países pobres.

Os tomates do Gana

Este é um exemplo verídico. No Gana existe uma fábrica de transformação de tomate para produção de conservas. A matéria-prima era normalmente adquirida a centenas de produtores locais, que assim tinham um rendimento garantido que lhes permitia manter as suas famílias.

A certa altura, embora existindo matéria-prima local abundante e barata, a fábrica começou a importar tomate. De Itália. A razão é simples. Os produtores de tomate italianos recebiam da UE grandes subsídios à produção, o que lhes permitia venderem o tomate a um preço ainda mais baixo do que o produzido no Gana. Uma evidente distorção das regras da concorrência, com efeitos desastrosos. No Gana, não em Itália, obviamente. Centenas de famílias ganesas perdessem uma importante fonte de sustento.

É bem possível que alguns deles tenham entretanto decidido imigrar para a Europa. Inclusive para Itália.

A Zâmbia e o milho transgénico

Um outro exemplo real do cinismo europeu aconteceu à cerca de dois anos. A Zâmbia atravessava um período de grave seca e escassez alimentar. (Nós temos seca, mas é evidente que não vai faltar comida nos supermercados, nem que ela tenha de vir de Vanuatu.)

O governo zambiano decidiu autorizar a importação de sementes de milho transgénico, de uma variedade mais resistente à seca - que acontece ciclicamente naquela região. Logo da Europa se eriçaram cabelos. Os barrigudos de Bruxelas apontaram as baterias à Zâmbia e, com medo de uma eventual contaminação genética, ameaçaram proibir a importação de todos os seus produtos agrícolas, caso a medida fosse adiante.

Para evitar perder os escassos recursos provenientes das exportações, o governo de Lusaka voltou atrás na decisão. Os zambianos continuaram com fome até o governo ter encontrado outra solução e os intelectuais-de-barriga-cheia de Bruxelas puderam continuar a ir ao supermercado e comprar o que lhes apetecesse, sem receio de estarem a levar para casa um molho de grelos contaminado por transgénicos.

Depois ainda há os defensores do perdão da dívida externa dos países subdesenvolvidos (ou em desenvolvimento como fica bem dizer). Mas isso é outra história...

tags: ,
publicado por Boaz às 17:59
link do artigo | Comente | favorito
2 comentários:
De angel_innocent a 19 de Março de 2005 às 11:55
muito interessante o teu blog e a tua página pessoal. Gostei, parabens!
De annie hall a 18 de Março de 2005 às 10:39
Deixei-lhe um bem-aja .Depois conto da viagem,creio que é um local onde gostaria de ir.Boas férias.annie

Comentar artigo

.Sobre o autor


Página Pessoal
Perfil do autor. História do Médio Oriente.
Galeria de imagens da experiência como voluntário num kibbutz em Israel.


Envie comentários, sugestões e críticas para:
Correio do Clara Mente

.Pesquisar no blog

Este blog está registado
IBSN: Internet Blog Serial Number 1-613-12-5771

É proibido o uso de conteúdos sem autorização

.Artigos recentes

. Pontes e muros entre Roma...

. Habemus "chaver" no Vatic...

. Quando a sirene toca, de ...

. Morto e envenenado (por e...

. A onda africana

. Vêm aí os Persas?

. Jihad casher? – os fanáti...

. Passerelle de Jerusalém

. A Cruz nas terras do Cres...

. Os moicanos de hoje

. De bolha em bolha (de Cop...

. 9/11 – A década

. Kiddush com tequila (Em t...

. De olhos na Diáspora

. Mazal tov!

.Ligações

.Visitantes

Jewish Bloggers
Powered By Ringsurf

.Arquivos

. Maio 2014

. Março 2013

. Novembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

.subscrever feeds

Partilhar