Segunda-feira, 8 de Janeiro de 2007

Centelha judaica

O escritor americano Mark Twain terá dito uma vez que «não há nada tão eterno como o Judeu». Referia-se à forma como os Judeus, apesar de terem sido dominados e perseguidos por inúmeros impérios, acabaram sempre por lhes resistir e sobreviver, enquanto esses mesmos impérios se extinguiram no remoinho da História.

Mark Twain não se referia aos Marranos, mas bem podia tê-los incluído na sua ideia. "Marranos" é o nome dado aos descendentes dos Judeus obrigados à conversão ao Catolicismo e que se mantiveram secretamente Judeus após o decreto de Expulsão de 1496. São também chamados Bnei Anussim, "Filhos dos Forçados".

Poderíamos pensar que os Marranos são curiosidades históricas, realidades (quase míticas) do passado. Mas não, ainda hoje, já no século XXI, mais de 500 anos depois da ordem que os obrigou ao silêncio e a uma vida dupla "Cristãos por fora, Judeus por dentro" ainda existem pessoas que perpetuam essa memória e essas tradições abafadas durante tantos séculos.


Alma judia

Como foi possível a subsistência de rituais como acender as velas antes do Shabbat, jejuar no Dia do Perdão ou não comer comidas fermentadas na Páscoa? Tudo num ambiente de secretismo absoluto, envolvido com o medo de se ser, a qualquer momento, descoberto pela temível e cruel Inquisição. E mais, porque se mantiveram secretos mesmo após a extinção da Inquisição (em Portugal deu-se em 1822), da abertura da sociedade a outras religiões, da instauração da democracia e da instituição da liberdade religiosa?

Durante os anos 20 do século passado, houve um esforço notável por parte do capitão Artur Barros Basto para resgatar os milhares de Marranos ainda existentes no Norte de Portugal. A sua missão levou à construção da Sinagoga do Porto e ao estabelecimento de várias comunidades judaicas em várias cidades e vilas do Norte. No entanto, a sua missão foi bruscamente terminada e as comunidades por ele fundadas acabaram por se desagregar. A emigração nos anos 50 e 60 levou muitos para França.

Também em Espanha, especialmente nas ilhas Baleares, existem descendentes de Marranos, como os Chuetas, judeus maiorquinos perseguidos após um grande massacre no século XIV, ainda antes da Expulsão dos Judeus de Espanha, em 1492. Nos séculos seguintes, os seus descendentes foram sistematicamente excluídos da vida social das ilhas e "Chueta" passou a ser uma expressão de insulto entre os habitantes locais. Aliás, "Chueta", tal como "Marrano" têm o significado de "porco".

As Diásporas portuguesa e espanhola levaram milhares de Judeus e seus descendentes para todo o Mundo, em especial a América Latina. Calcula-se que, actualmente, o Brasil seja o país com maior número de Marranos em todo o Mundo. Serão cerca de 100 mil, especialmente concentrados no sertão do Nordeste. No Peru, várias comunidades subsistiram também e hoje revelam a sua intenção de ingressar no Judaísmo moderno.

Na Índia é a ainda mais incrível história dos Bnei Menashe que desponta. Várias tribos indianas reclamam ser os descendentes de uma das tribos de Judeus exilados na Babilónia há quase 3000 anos e que numa vaga de migrações se estabeleceram nas montanhas do Nordeste da Índia. Aí mantiveram um certo número de tradições judaicas que se foram perpetuando apesar do isolamento extremo. Desde o século XIX, com a chegada repentina de missionários cristãos, a maioria converteu-se ao cristianismo. Alguns milhares, no entanto, insistem no seu Judaísmo e resistiram às investidas dos missionários e hoje aproximam-se do Judaísmo moderno.

Na Polónia, após a II Guerra Mundial, alguns milhares de sobreviventes dos campos de concentração que regressaram às suas terras para reclamar as suas casas e bens, foram mortos pelos polacos que entretanto haviam ocupado as antigas propriedades judaicas. Já depois da retirada das tropas nazis. Assim, a maioria dos judeus polacos sobreviventes, decidiram emigrar para Israel ou Estados Unidos, ou optaram pela ocultação da sua identidade judaica.

Durante várias gerações, cônjuges esconderam um do outro e pais esconderam dos filhos, a sua origem. Como a história dramática de um casal de jovens neo-nazis. Casarem-se e tiveram um filho. Entretanto descobrem que os dois são judeus. Numa sexta-feira à noite resolveram convidar os pais para a refeição de Shabbat. A família não aceitou bem a mudança. Aos poucos deixaram para trás o neo-nazismo e juntaram-se à comunidade judaica ortodoxa de Varsóvia. Hoje, os dois são membros activos dessa comunidade. Porém, alguns dos irmãos do rapaz continuam a ser neo-nazis.

Voltando ao caso português. Na última semana, quinze pessoas - a maioria descendentes de Marranos - terminaram o processo de conversão/retorno ao Judaísmo no Tribunal Rabínico de Jerusalém. Vinham tomando aulas de conversão junto da comunidade judaica do Porto. Entre eles, vários casais que, após a conclusão do processo de conversão, se casaram segundo o rito judaico, na Grande Sinagoga de Jerusalém.

É impossível ter consciência plena do esforço e da motivação destas pessoas. Mas são todas, para lá de curiosidades antropológicas, exemplos vivos e actuais da eternidade da "centelha judaica".

publicado por Boaz às 12:40
link do artigo | Comente | favorito
5 comentários:
De antonio a 12 de Janeiro de 2007 às 12:05
Shalom, shalom
A Guerra dos 6 dias foi uma etapa histórica que muito me impressionou, na época, por vários motivos, um dos quais tinha a ver com a minha quase obsessão em ser piloto da Força Aérea. A forma como a Força Aérea Israelita actuou naquela guerra foi simplesmente fulmimante e só possível com pilotos da fibra de povos como os de Israel.
Comprei, nessa altura, um filme de 8mm super, e fiquei ainda mais impressionado com o rigor e capacidade técnica e táctica das forças armadas Israelitas.
Eu sou dos que têm muita dificuldade em perceber o porquê de não se chegar a um acordo de convivência pacífica entre todos os povos do Médio Oriente.
Algun dia isso será possível? Espero bem que sim, a bem da Humanidade!
-
Já li o comentário no "dispersamente" e deixei lá uma resposta.
Um abraço extensivo ao AL e a todos os demais leitores deste blogue.
António
De a. cardoso a 12 de Janeiro de 2007 às 10:58
Tambem eu me tenho interrogado muito acerca da minha origem, hoje estou convicto ter ascendencia judaica embora nao esteja cem por cento certo.

A ideia recomecar na religiao Hebraica e coisa que me tem vindo a mente muitas vezes ultimamente.

Um abraco.

Shalom
De antonio a 9 de Janeiro de 2007 às 18:30
Caro amigo
Vim aqui por link d´Algodres.
Escrevi há uns meses, por altura da guerra de Israel contra os Hezbolah do Líbano, acerca das várias religiões originárias do Médio Oriente.
Sentia-me, desde há muitos anos, digamos que desde sempre, com falta de conhecimento da matéria, com dificuldades em perceber às primeiras, as razões de existir de cada uma das principais religiões.
É bom haver destes sites para podermos abrir os nossos horizontes.
Vou passar e meditar sobre os temas que aqui são colocados...
Interessam-me.
Um abraço
António
De joao moreira a 8 de Janeiro de 2007 às 23:18
A diáspora, a história dos marranos e judeus sefarditas tem muito a dar a conhecer.
De niconversa a 13 de Julho de 2009 às 18:08
A questão judaica, envolvida nas brumas do passado, me refiro ao passado distante, precisa de clareza aos olhos das novas gerações. Para isto venho sugerir uma leitura interessante: Jesus Cristo - um presente de gregos, em htpp://www.ebooksbrasil,org/ Dowload gratuito.

Comentar artigo

.Sobre o autor


Página Pessoal
Perfil do autor. História do Médio Oriente.
Galeria de imagens da experiência como voluntário num kibbutz em Israel.


Envie comentários, sugestões e críticas para:
Correio do Clara Mente

.Pesquisar no blog

Este blog está registado
IBSN: Internet Blog Serial Number 1-613-12-5771

É proibido o uso de conteúdos sem autorização

.Artigos recentes

. Pontes e muros entre Roma...

. Habemus "chaver" no Vatic...

. Quando a sirene toca, de ...

. Morto e envenenado (por e...

. A onda africana

. Vêm aí os Persas?

. Jihad casher? – os fanáti...

. Passerelle de Jerusalém

. A Cruz nas terras do Cres...

. Os moicanos de hoje

. De bolha em bolha (de Cop...

. 9/11 – A década

. Kiddush com tequila (Em t...

. De olhos na Diáspora

. Mazal tov!

.Ligações

.Visitantes

Jewish Bloggers
Powered By Ringsurf

.Arquivos

. Maio 2014

. Março 2013

. Novembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

.subscrever feeds

Partilhar