Domingo, 25 de Novembro de 2007

Experiência israelita

Nestas últimas semanas andei enrolado com a possibilidade de ser guia e animador de jovens judeus estrangeiros de visita a Israel. Um trabalho interessante e que costuma ser bem pago.

A oportunidade surgiu quando um dos meus professores indicou o meu nome à secção "Israeli Experience" da Agência Judaica, que organiza viagens de grupos de jovens judeus e forma os seus guias e animadores. No meu caso, na mira teria os vários grupos de jovens judeus brasileiros que todos os anos visitam Israel, durante várias semanas. Passeiam, têm actividades lúdicas e educativas, com o objectivo de os aproximar da realidade israelita e, porque não, tentar despertar neles o desejo de, futuramente, imigrarem para Israel.

Primeiro tive de preencher alguma papelada. Um "teste americano" com dezenas de perguntas de cultura geral e judaica, história e geografia de Israel. Em hebraico, o que me criou mais dificuldades do que estava à espera. “Não vale a pena quebrar muito a cabeça com isso”, disse uma das secretárias da organização ao ver-me atrapalhado. Ainda assim demorei mais de uma hora com o teste.

Seguiu-se uma entrevista exploratória. Pedi que fosse em inglês. Razões para a minha candidatura, experiência anterior, os meus prós e contras para uma função desta natureza, o que eu posso dar de especial aos jovens que pode ser valioso para os objectivos do programa. As perguntas esperadas.

Uns dias depois passei à próxima fase: um dia de actividades em grupo com os outros candidatos. Comigo estavam vários colegas da yeshiva que buscavam a mesma oportunidade. E ainda vários israelitas.

Fizeram-nos várias provas individuais. Pediram-nos para classificar e comentar frases polémicas do género: "O Estado de Israel tem de fazer uma separação entre politica e religião" ou "Sem a ocorrência do Holocausto, o Estado de Israel não teria sido fundado."

Divididos em pares, em pouco tempo tínhamos de elaborar uma actividade a ser apresentada a todo o grupo. Durante a apresentação, de apenas 5 minutos (não sabíamos do tempo tão curto enquanto a preparávamos) éramos interrompidos por um dos monitores, que nos pedia para explicarmos o que fazíamos, em inglês. Retomávamos. Nova interrupção: agora explica em espanhol! Unos segundos de explicación... OK, em português! Pus à prova o meu jeito para línguas...

Seguiram-se teatrinhos para testar a nossa capacidade de resolver situações complicadas. E se um dos jovens do grupo do qual éramos guias não quisesse levantar-se cedo para rezar? Como falaríamos com ele e o convenceríamos a levantar-se? E se vários elementos do grupo tivessem roubado as toalhas do hotel, incluindo a professora que os acompanhava? E se o enfermeiro estivesse "a fazer-se" às meninas? Ou um dos jovens não quisesse ir fazer um passeio a Hebron "por ter medo de ser morto num tiroteio"?

Se for escolhido para ser guia, ainda terei de passar por um seminário de preparação, durante dois dias. Além da componente financeira, que não é nada negligenciável, alicia-me a possibilidade de ajudar alguns jovens a aproximarem-se das suas raízes judaicas.

Mesmo estudando em colégios judaicos no Brasil, muitos deles têm uma vivência judaica muito pobre. A imagem que têm do Judaísmo é pouco mais do que um pequeno conjunto de tradições estranhas passadas pelos avós. De Israel sabem o que lhes ensinam nas aulas de história judaica, das celebrações da Independência de Israel ou do Dia de Jerusalém. Lá longe. Da actualidade israelita sabem o que lhes chega pelo olhar vesgo da televisão.

Tenho visto – e eu próprio o experimentei – que não é a mesma coisa ser judeu em Israel e na Diáspora. Depois de passar um tempo por cá, as marcas são demasiado profundas para se ignorarem. Alguns dos jovens provavelmente baixarão os braços face ao "peso de ser judeu". Contudo, para a maioria, estou seguro, despertar-se-á um desejo de aprender mais sobre essa herança dos avós e dos pais que eles muitas vezes não entendem, mas não conseguem deixar de lado.

Garantir que apenas um destes jovens afastados não ceda à assimilação, é um desafio enorme, mas é um trabalho essencial e muito recompensador. No mundo de hoje, nós os judeus, falamos muito das ameaças dos árabes e do Irão. Esquecemo-nos que a maior ameaça ao povo de Israel não parte dos Ahmadinejads, mas dos milhares de Moshes, Yosefs e Davids que desprezam o seu Judaísmo e se perdem pela assimilação.

E quem tem armas para lutar contra esta tendência suicida, não pode ficar de braços cruzados.

publicado por Boaz às 22:59
link do artigo | Comente | favorito
3 comentários:
De Pedro a 4 de Dezembro de 2007 às 10:04
Bom dia,

O Clara Mente está em destaque no SAPO, em http://blogs.sapo.pt e http://www.sapo.pt.

Parabéns e boa continuação.

Pedro
De G.S. a 4 de Dezembro de 2007 às 16:50

Suponho que mais do que se ganhar bem, há o prazer íntimo de se participar nessa aprendizagem para a vida de jovens, sejam eles judeus ou não!

E se o objectivo é este aqui descrito, então é uma realização incalculável!
Uma acção belíssima! Se imbuído desse espírito, espero que sejas 'seleccionado'!

Gostei bastante do teu blogue [vim até aqui pelo 'destaque']. Parabéns!

De Hugo Jorge a 4 de Dezembro de 2007 às 18:00
Gostei de conhecer este blog.
Muito bom.

Hugo Jorge
http://dr-hugo-jorge.blogspot.com/

Comentar artigo

.Sobre o autor


Página Pessoal
Perfil do autor. História do Médio Oriente.
Galeria de imagens da experiência como voluntário num kibbutz em Israel.


Envie comentários, sugestões e críticas para:
Correio do Clara Mente

.Pesquisar no blog

Este blog está registado
IBSN: Internet Blog Serial Number 1-613-12-5771

É proibido o uso de conteúdos sem autorização

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.Ligações

.Visitantes

Jewish Bloggers
Powered By Ringsurf

.Arquivos

. Maio 2014

. Março 2013

. Novembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

.subscrever feeds

Partilhar