Terça-feira, 11 de Dezembro de 2007

Sudaneses em Jerusalém

Numa viagem de autocarro em Jerusalém, reparei recentemente num grupo de africanos no bairro de Talpiyot, uma das zonas comerciais e industriais da capital israelita. Pelas feições, a cara redonda e o tom muito escuro da pele, percebi que não eram etíopes, o principal grupo africano na população israelita, bem mais claros e de cara mais alongada. Provavelmente, eram sudaneses do Darfur. Tristes, sentados junto à entrada de um edifício comercial, suportando o frio do Outono de Jerusalém.

Desde o início do ano, Israel viu-se a braços com uma onda de refugiados provenientes de África, mais de 3000, a maioria deles originários de Darfur. Atravessaram o deserto sudanês – sabe-se lá os perigos porque passaram, os horrores que viram na sua terra –, cruzaram todo o Egipto e chegaram a Israel. Destino estranho, o que escolheram, dado que eles são muçulmanos. Com milhões de quilómetros quadrados de terras muçulmanas, escolheram o minúsculo Israel - mais pequeno que o Alentejo - como porto de abrigo.


Caricatura do jornal Ventura County Star

Face a pressões internacionais, em especial de várias organizações de direitos humanos judaicas americanas, que se destacam por serem as mais activas pela causa de Darfur (como o Museu do Holocausto de Washington), o governo israelita autorizou a permanência daqueles que conseguiram entrar no país.

Depois de centenas de boat-people vietnamitas, que em 1977 foram acolhidos em Israel, desta vez foram refugiados de Darfur, que receberam asilo político. É uma situação excepcional. São muito poucos os não-judeus que conseguem receber esse acolhimento em Israel. E, ainda por cima, estes refugiados cidadãos de um país hostil e que não reconhece o Estado Hebraico. A lei israelita nega mesmo o asilo a qualquer cidadão de um “estado inimigo”, como é o caso do Sudão.

O dilema de Israel era entre permitir a sua estadia, criando um precedente que poderia gerar um ainda maior fluxo de refugiados em direcção ao país ou, expulsá-los para o Egipto, o país através do qual haviam chegado a Israel. E sabendo que no Egipto muitos refugiados sudaneses foram maltratados e mortos e outros recambiados para o Sudão, onde o mais provável era serem fuzilados à chegada, como centenas de milhar dos seus conterrâneos de Darfur.

O mundo continua a ignorar o drama de Darfur. As Nações Unidas chamam Israel de sociedade de apartheid, de regime brutal e racista. Libelos repetidos também por deputados do Parlamento Europeu, em especial da extrema-esquerda.

Os darfurianos chegados e acolhidos em Israel, de cujo Estado e de várias ONGs recebem assistência, incluindo escola para as crianças, são uma bofetada na cara dos cínicos que da Europa apontam o dedo a Israel. (Nem falo dos patifes da Liga Árabe que apoiam o governo de Cartum e vêm na questão de Darfur um assunto interno sudanês, ou da apatia criminosa das Nações Unidas).

Quantos sudaneses recebeu – ou se prestou a receber – a União Europeia?

publicado por Boaz às 20:21
link do artigo | Comente | favorito
2 comentários:
De Anónimo a 13 de Dezembro de 2007 às 15:54
"Judeu por convicção política? O que tem a ver uma coisa com a outra? Hello?! O Judaísmo é uma religião, não a Internacional Socialista."

Pode ser, mas este post é muito político. Claro que tem direito a ter opiniões políticas, mas se forem sempre em defesa do Estado de Israel contra o resto do mundo, parece tendencioso. Convenhamos, Israel não será exactamente um Estado imaculado, e a União Europeia não é assim tão diabólica.

Abraço:

Licínia Duarte

Licínia Duarte

De Boaz a 13 de Dezembro de 2007 às 21:48
A UE e o resto do mundo tem muita gente que os defenda. Eu defendo Israel. É a terra onde vivo. Não digo que tudo aqui seja risonho. Aliás, se explorar o Clara Mente vai encontrar vários exemplos de críticas que faço a Israel. A UE não é de todo diabólica (isso é a Rússia, a China e a Coreia do Norte), é simplesmente cegamente hipócrita.

Comentar artigo

.Sobre o autor


Página Pessoal
Perfil do autor. História do Médio Oriente.
Galeria de imagens da experiência como voluntário num kibbutz em Israel.


Envie comentários, sugestões e críticas para:
Correio do Clara Mente

.Pesquisar no blog

Este blog está registado
IBSN: Internet Blog Serial Number 1-613-12-5771

É proibido o uso de conteúdos sem autorização

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.Ligações

.Visitantes

Jewish Bloggers
Powered By Ringsurf

.Arquivos

. Maio 2014

. Março 2013

. Novembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

.subscrever feeds

Partilhar