Segunda-feira, 25 de Fevereiro de 2008

Viver na lista negra

Maale Mikhmash, o colonato a 10 quilómetros a noroeste de Jerusalém onde passei o último Shabbat, é um lugar aparentemente tranquilo. A pequena comunidade, situa-se num desvio a algumas centenas de metros da Estrada 60, a via que atravessa as montanhas da Samaria e liga Jerusalém a cidades como Nablus ou Jenin e continua até Nazaré (a original). Numa área semi-desértica, Mikhmash é tórrido no Verão e frio e no Inverno. No alto de uma montanha, o vento é presença todo o ano.

Isolada, tem como vizinhos mais próximos a vila árabe de Mukhmas – a semelhança dos nomes não é coincidência. Para sudeste, vêem-se dois núcleos suburbanos de Jerusalém: Pisgat Zeev e Neve Yaakov. A ocidente, na crista das montanhas da Judeia, estende-se a cidade de Ramallah, sede da Autoridade Palestiniana. Ao longe, mais para norte, o colonato de Rimonim, ainda mais isolado. Não muito longe, a oriente, estende-se o vale do Jordão.

Aqui habitam poucas centenas de famílias. As ruas são quase desertas durante qualquer dia da semana e, no Shabbat nenhum carro cruza o local. Com uma excepção apenas: o carro da segurança. Segurança é uma palavra muito discutida e uma preocupação quotidiana na vida de Mikhmash.

Até há poucos anos, Maale Mikhmash era uma alternativa aos altos preços das casas e do bulício de Jerusalém. Havia planos para estender o povoamento. Novos bairros, montados de início apenas com caravanas, deveriam ser organizados com vivendas simpáticas rodeadas de pequenos jardins.

A retirada de Gaza, em Agosto de 2005, e os posteriores planos do governo de Ehud Olmert de entregar mais terras aos Palestinianos, instalaram a incerteza em Mikhmash, assim como na maioria dos outros colonatos. Maale Mikhmash, Rimonim e muitas outras comunidades isoladas foram incluídas na "lista negra" de possíveis áreas a entregar aos Palestinianos.

Como consequência da mudança de política, a maioria das obras foi cancelada. A já longa paragem na construção de uma nova sinagoga e centro comunitário, só com as paredes exteriores, é um sinal da situação de paralisação que se vive na comunidade. Não se permite a construção de novos bairros, apenas a construção de casas particulares. E casas novas, dada a situação de incerteza em relação ao futuro, são poucas as que se vêm em construção. Poucas são as novas famílias que, por agora, apostam no futuro em Mikhmash. Por enquanto, um dos poucos sinais de construção é a renovação de uma pequena sinagoga.

Mesmo noutros colonatos mais desenvolvidos, a paragem das obras também é a regra. Na região de Gush Etzion, a sul de Jerusalém, mesmo sendo uma área considerada dentro da cintura urbana da capital e que se pretende incluir no seu território municipal, os planos também foram alterados. A expansão para norte do grande colonato de Efrat está parada. O projecto de unir Elazar e Alon Shevut, numa extensão de menos de dois quilómetros, no vale que separa as duas localidades, regressou ao fundo da gaveta. Planos para aumentar a selecta colónia de Alon Shevut, onde a maioria dos habitantes são famílias americanas que vivem em belas vivendas com jardins bem cuidados, e onde a procura de casa é grande, também estão em stand-by.

Ninguém sabe bem qual será o futuro. A situação em Gaza não transmite muita confiança nas negociações entre as partes. Entregar mais territórios, ainda mais na cercania de Jerusalém, é arriscar-se a transferir para a capital a desesperada situação de Sderot, bombardeada diariamente há mais de 7 anos pelos mísseis Qassam lançados de Gaza.

publicado por Boaz às 21:55
link do artigo | Comente | favorito

.Sobre o autor


Página Pessoal
Perfil do autor. História do Médio Oriente.
Galeria de imagens da experiência como voluntário num kibbutz em Israel.


Envie comentários, sugestões e críticas para:
Correio do Clara Mente

.Pesquisar no blog

Este blog está registado
IBSN: Internet Blog Serial Number 1-613-12-5771

É proibido o uso de conteúdos sem autorização

.Artigos recentes

. Pontes e muros entre Roma...

. Habemus "chaver" no Vatic...

. Quando a sirene toca, de ...

. Morto e envenenado (por e...

. A onda africana

. Vêm aí os Persas?

. Jihad casher? – os fanáti...

. Passerelle de Jerusalém

. A Cruz nas terras do Cres...

. Os moicanos de hoje

. De bolha em bolha (de Cop...

. 9/11 – A década

. Kiddush com tequila (Em t...

. De olhos na Diáspora

. Mazal tov!

.Ligações

.Visitantes

Jewish Bloggers
Powered By Ringsurf

.Arquivos

. Maio 2014

. Março 2013

. Novembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

.subscrever feeds

Partilhar