Domingo, 16 de Novembro de 2008

Ora pois

Muitas vezes, quando conheço um novo brasileiro, ele pergunta-me com um ar de curiosidade sincera: "é verdade que os portugueses sempre dizem 'ora pois'?". A minha reacção, a início, era de perfeita estranheza. Não me lembro de ter ouvido essa expressão em Portugal. Porque será então que os brasileiros me perguntam sobre essa alegada "expressão típica dos portugueses"?

Esta situação é apenas a revelação do desconhecimento acerca de Portugal e dos portugueses que existe entre os brasileiros. O país foi colónia portuguesa durante vários séculos. A base principal da cultura brasileira é evidentemente a herança portuguesa: em especial a língua, e a maioria da população de religião cristã. A influência portuguesa entrou, em maior ou menor grau, em todas as áreas da sociedade brasileira. Porém, actualmente, os antigos colonizados conhecem muito pouco de Portugal.

Conhecem relativamente bem a nossa história, mas apenas até à independência do Brasil. Na literatura estudam Camões e até Bocage, mas não a moderna literatura portuguesa. Da música ouviram falar – só falar, porque na verdade nunca escutaram nada – de fado. Na prática, música portuguesa é o tão fora de moda Roberto Leal. E isto porque ele começou a sua carreira em terras brasileiras.

Por vezes, para satirizar os portugueses, os meus amigos brasileiros cantam a famosa canção "Vira, vira" da banda Mamonas Assassinas. Essa banda fez um sucesso estrondoso também em Portugal. Eu e os meus amigos sabíamos de cor todas as músicas do único CD editado pela malograda banda. Até vir para Israel e conhecer alguns brasileiros, nunca tinha percebido que "Vira, vira" era exactamente uma sátira aos portugueses. Talvez porque os portugueses não têm de si mesmos a imagem que essa canção mostra. Contudo, essa representação exagerada é, de alguma maneira, a impressão que os brasileiros têm dos portugueses.

Em mais de 30 anos de telenovelas brasileiras em Portugal, os portugueses aprenderam e acostumaram-se ao sotaque do Brasil. Aprenderam até algumas das gírias. A maioria dos artistas populares no Brasil chega aos tops de venda de discos e fazem concertos em Portugal. Ao contrário, os brasileiros não assistem às telenovelas portuguesas, os discos dos artistas portugueses na moda não chegam ao Brasil e só meia dúzia de intelectuais é que conhecem Mariza, Dulce Pontes ou até Eugénia Mello e Castro, a qual há anos que reside no Brasil.

Apesar de centenas de empresas portuguesas terem negócios multi-milionários no Brasil: nas telecomunicações, no turismo, na banca, na electricidade ou no petróleo, essa presença não é percebida como portuguesa. Depois de décadas de imigração para o Brasil, a qual é hoje na sua maioria de empresários, dos portugueses continuam a ter a imagem do Manuel e do Joaquim, com grande probabilidade de um deles ser padeiro. Talvez pensem que todos os portugueses se chamem por esses dois nomes apenas. As mulheres portuguesas chamam-se invariavelmente, Maria. E têm bigode e pêlos no sovaco. (Já me perguntaram com seriedade se as jovens portuguesas continuam a seguir essa "moda".)

É óbvio que Portugal não pode esperar influenciar hoje o Brasil como o fez há 500 anos. O Brasil é um gigante comparado com Portugal, e o fluxo de influência é muito maior do Brasil para Portugal do que no sentido contrário. Mas não deixa de ser totalmente absurdo esse nível de desconhecimento.

publicado por Boaz às 20:57
link do artigo | Comente | favorito
3 comentários:
De Gonzas a 17 de Novembro de 2008 às 20:36
E saberem onde fica Portugal só porque têm um ascendente qualquer que até é Português. Mas é o que acontece sempre com os países "gigantes". Basta ver os Estados Unidos e a sua cultura internacional. Têm tanto para olhar para dentro que não se preocupam em olhar o que os rodeia. Mas eu gosto de brasileiras
De Patrícia Almeida a 19 de Novembro de 2008 às 10:14
Gostei muito deste artigo... Infelizmente é assim mesmo que funciona.

Quando estive há dois anos no Canadá, senti exactamente o mesmo, sendo o Canadá um dos países mais ricos do mundo. As preocupações dos locais, era sobretudo saber se em Pt as pessoas se vestiam assim ou assado como eu, como fazia o tempo, etc...

Ora lembro-me de uma vez, termos respondido em francês do Quebec : "não... sabes, em Portugal, não faz muito frio porque a fogueira que temos em frente às nossas grutas é sempre bastante farta de lenha!!!" Ao que nós os portugueses desatámos a rir!

Em simultâneo, percebi que o alinhamento editorial dos noticiários é como que provinciano , sem informações sobre o Mundo em Geral...

Enfim, valha-nos nós que podemos ir viajando para desmistificar essas ideias.

Abraço
Patrícia
De João Bosco Mendes a 7 de Abril de 2009 às 18:36
Oi, Gabriel.
Cheguei ao seu blog pesquisando exatamente a expressão "ora pois", para verificar se ela seria mesmo de uso corrente em Portugal. E o seu artigo foi mais ilustrativo do que o verbete de um bom dicionário, sem dúvida.
Quanto a nós brasileiros desconhecermos a realidade portuguesa, não é coisa a ser generalizada demais. Veja. Venho me dedicando a uma obra sobre Portugal há mais de 10 anos!, estive lá durante um bom período (às minhas custas, inteiramente) e adquiri centenas de obras sobre a história de sua terra, principalmente de autores portugueses. No momento, na reta final do meu trabalho, já ultrapssei as 1.000 páginas (se vou conseguir editar ou não, é outra história). Quantos portugueses você conhece que estudaram tanto o Brasil?
Em minhas conversas com amigos, é frequente falarmos sobre Portugal, e, creia, não é de mal, como alguns portugueses às vezes imaginam (e dão a entender, eventualmente).
Por outro lado, é próprio do ser humano valorizar mais a sua própria terra, o lugar onde nasceu, o que muitas vezes é levado ao exagero, à xenofobia, coisa que combato sempre que possível.
Parabéns pelo artigo, que está ótimo. Caso queira me responder, meu email aí está.
Um abraço, Bosco.

Comentar artigo

.Sobre o autor


Página Pessoal
Perfil do autor. História do Médio Oriente.
Galeria de imagens da experiência como voluntário num kibbutz em Israel.


Envie comentários, sugestões e críticas para:
Correio do Clara Mente

.Pesquisar no blog

Este blog está registado
IBSN: Internet Blog Serial Number 1-613-12-5771

É proibido o uso de conteúdos sem autorização

.Artigos recentes

. Pontes e muros entre Roma...

. Habemus "chaver" no Vatic...

. Quando a sirene toca, de ...

. Morto e envenenado (por e...

. A onda africana

. Vêm aí os Persas?

. Jihad casher? – os fanáti...

. Passerelle de Jerusalém

. A Cruz nas terras do Cres...

. Os moicanos de hoje

. De bolha em bolha (de Cop...

. 9/11 – A década

. Kiddush com tequila (Em t...

. De olhos na Diáspora

. Mazal tov!

.Ligações

.Visitantes

Jewish Bloggers
Powered By Ringsurf

.Arquivos

. Maio 2014

. Março 2013

. Novembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

.subscrever feeds

Partilhar