Quarta-feira, 11 de Fevereiro de 2009

O primeiro dia... das próximas semanas

Israel foi ontem a votos. Uma nação dividida, como muitos órgãos de comunicação social apresentaram a situação pré-eleitoral. Deveria escolher um governo e um parlamento. Porém, na verdade, Israel foi apenas escolher a próxima coligação a dirigir o país.

Há quase duas décadas que nenhum governo consegue governar com uma maioria estável na Knesset, o Parlamento israelita, nunca conseguindo terminar o mandato de 4 anos. Ganhe a esquerda ou a direita, as opções de coligação residem numa miríade de pequenos partidos. Dos partidos judaicos religiosos aos da minoria árabe, da extrema-esquerda aos nacionalistas, do efémero partido dos reformados aos novos ecologistas.

Os resultados (quase) definitivos mostram que o partido Kadima – uma amálgama de gente saída tanto de partidos da esquerda como da direita, formada “à pressão” antes da retirada dos militares e dos colonatos israelitas da Faixa de Gaza em 2005 – obteve o maior número de deputados, 28. Porém, apenas mais um do que o Partido Likud, de direita. Tzipi Livni, antiga ministra dos Negócios Estrangeiros e indigitada chefe do governo após a auto-demissão do PM Ehud Olmert, e Binyamin Netanyahu, líder do Likud e que já foi ele próprio Primeiro-Ministro, cantam vitória.

É uma vitória cheia de riscos para cada um. Apesar da enorme divisão de votos entre muitos partidos, a maioria do eleitorado votou à direita. Daí que será especialmente difícil para Livni formar uma aliança de partidos. ‘Bibi’ Netanyahu, por esta via, tem o caminho facilitado, podendo aliar-se aos vários partidos religiosos.

Em qualquer dos casos, não sairá nenhum governo sem a participação do partido Israel Beiteinu (Israel Nossa Casa), liderado por Avigdor Lieberman, um nacionalista de origem russa com posições radicais. De um partido de, e para, imigrantes russos, o Israel Nossa Casa transformou-se ontem na terceira força política israelita. Com um discurso frontalmente anti-árabe, é a favor de transferência de populações e de territórios entre Israel e um eventual estado palestiniano. Defende a anexação dos principais blocos de colonatos judaicos, e da entrega das cidades israelitas de maioria árabe situadas junto à "Linha Verde", a fronteira reconhecida internacionalmente entre Israel e o futuro estado palestiniano.

O sucesso de Avigdor Lieberman e das suas ideias radicais é o eco político da última campanha militar em Gaza. Israel não conseguiu acabar com o Hamas. O Hamas não parou de lançar mísseis sobre o Sul de Israel. O eleitorado decide-se por quem promete tomar posições de força contra o terror. É uma equação simples, mas os resultados são complicados.

Outra das novidades das eleições é a degradação do voto nos partidos religiosos. O antigo bloco sionista-religioso dividiu-se em dois partidos, cada um a entrar à tangente na assembleia nacional. O Shas, tradicional partido dos judeus sefarditas (judeus de origem ibérica e árabe) perdeu votos entre os seus eleitores menos religiosos, a favor do secular Israel Nossa Casa. Até entre os haredim ou judeus ultra-ortodoxos, houve quem se atrevesse ao "voto livre", em vez de seguir a posição (quase)vinculativa dos rebbes (os grandes rabinos).

Pouco ficou definido nestas eleições. A única coisa garantida no final das eleições é a assunção que o eleitorado israelita está muito dividido e, além do mais, pouco convencido pela retórica dos partidos tradicionais. Na mão de pequenos partidos com agendas muito particulares, é apenas uma questão de tempo, talvez apenas algumas semanas, até que haja novas eleições. No panorama actual, um qualquer governo de coligação não se conseguirá manter, com tantos interesses a ser satisfeitos de tantos lados opostos. A corda é demasiado frágil para poder ser puxada de tantos lados.

Sem quaisquer dotes de profecia, atrevo-me a antever uma nova votação para os tempos mais próximos.

publicado por Boaz às 20:04
link do artigo | Comente | favorito

.Sobre o autor


Página Pessoal
Perfil do autor. História do Médio Oriente.
Galeria de imagens da experiência como voluntário num kibbutz em Israel.


Envie comentários, sugestões e críticas para:
Correio do Clara Mente

.Pesquisar no blog

Este blog está registado
IBSN: Internet Blog Serial Number 1-613-12-5771

É proibido o uso de conteúdos sem autorização

.Artigos recentes

. Pontes e muros entre Roma...

. Habemus "chaver" no Vatic...

. Quando a sirene toca, de ...

. Morto e envenenado (por e...

. A onda africana

. Vêm aí os Persas?

. Jihad casher? – os fanáti...

. Passerelle de Jerusalém

. A Cruz nas terras do Cres...

. Os moicanos de hoje

. De bolha em bolha (de Cop...

. 9/11 – A década

. Kiddush com tequila (Em t...

. De olhos na Diáspora

. Mazal tov!

.Ligações

.Visitantes

Jewish Bloggers
Powered By Ringsurf

.Arquivos

. Maio 2014

. Março 2013

. Novembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

.subscrever feeds

Partilhar