Terça-feira, 3 de Março de 2009

Quem com ferros mata

Num golpe típico de cowboiadas e lutas de mafiosos, o presidente da Guiné-Bissau foi assassinado. Nada de extraordinário, num país que desde a independência tem vivido no caos e na miséria, na opressão de uma elite de tiranos e de gente despreocupada com a sorte dos seus concidadãos comuns. Sem ordem nem sistema capaz de a aplicar, a lei do mais forte impõe-se sempre que a ocasião o permite. Os militares, descontentes com a decapitação da chefia militar pelo mesmo Nino Vieira, vingaram-se matando-o a tiro.

Nino Vieira não deixará grandes saudades aos guineenses. Manda-chuva absoluto de um país miserável – cronicamente destacado entre os mais pobres do mundo – espremeu os poucos recursos da nação em proveito próprio. Nada de novo na bela colecção de ditadores e assassinos que têm dirigido os destinos da maioria dos estados africanos. Os ventos da mudança, que já sopram noutras latitudes do Continente Negro, ainda não chegaram com força positiva a Bissau.


Piroga na praia de Bubaque, Ilhas Bijagós, Guiné-Bissau.
Quem conhece, diz que poderia ser o paraíso...

Depois da independência, em 1974, conseguida depois da Guerra Colonial, a qual atingiu teve alguns dos seus episódios mais violentos exactamente no terreno da Guiné, o país foi controlado por um conselho revolucionário até 1984. As primeiras eleições multi-partidárias foram realizadas em 1994, mas uma sublevação militar em 1998 afastou à força o presidente – então o mesmo Nino Vieira, assassinado esta semana. O episódio desencadeou a Guerra Civil da Guiné-Bissau.

Em 2000, numas eleições cheias de esperanças para o comum guineense, desgraçado e cansado de guerra, foi eleito Kumba Ialá. Famoso pelo seu barrete vermelho (uma espécie de Saci-Pererê com duas pernas, mas nada mais do que isso), o novo presidente foi tão incompetente como os seus antecessores. Também ele foi deposto por um golpe militar.

Nos meus tempos da faculdade, em Lisboa, uma colega guineense descrevia o país onde nascera com a desilusão de quem se recusa a aceitar como certo o desprezo pelo mérito e o imperativo da lei da selva. Contava que, para passar de classe na sua escola de Bissau – ainda que fosse um colégio privado, já que o sistema de educação pública não responde aos critérios mínimos – tinha de "ajudar" os professores. Favores em dinheiro e géneros eram a única garantia de progredir na escada da educação. Depois de terminada licenciatura, preferiu a precariedade da procura de emprego pós-universidade em Portugal do que o regresso às difíceis origens. Mesmo que um canudo de uma universidade europeia lhe poderia ter aberto algumas portas mais promissoras.

Em 1998, durante a Expo’98, em Lisboa, lembro-me de visitar o pavilhão da Guiné-Bissau. Um vídeo mostrava as belezas naturais e as potencialidades turísticas do pequeno país. Aí, tornava-se ainda mais evidente, quanto tudo o que de bom o país tem é desperdiçado pelos erros da elite que o governa.

A Guiné é o típico estado falhado africano. Os guineenses, presos nas malhas do analfabetismo, do autoritarismo tribal e político, de tradições bárbaras como a mutilação genital feminina, têm sido vítimas da sua impossibilidade de sair do ciclo de tragédias que tem sido a sua história pré e pós-colonial.

E como o resto do Mundo não deposita grandes recursos para ajudar um pequeno país de pouco mais de um milhão de habitantes, parece perpetuar-se "o estado das coisas". Uma fatalidade africana no seu melhor.

tags: ,
publicado por Boaz às 23:03
link do artigo | Comente | favorito
1 comentário:
De Joshua a 5 de Março de 2009 às 09:24
É de facto lamentável.
Dos meus 4 grandes amigos da faculdade naturais da Guiné Bissau apenas um regressou depois de terminar a licenciatura e mesmo assim deixou cá a família.
Curioso é verificar que para alguns Nino é considerado uma espécie de herói nacional até mesmo para diversos intelectuas (e não só) Cabo-verdianos !!! Não dá para perceber...

Comentar artigo

.Sobre o autor


Página Pessoal
Perfil do autor. História do Médio Oriente.
Galeria de imagens da experiência como voluntário num kibbutz em Israel.


Envie comentários, sugestões e críticas para:
Correio do Clara Mente

.Pesquisar no blog

Este blog está registado
IBSN: Internet Blog Serial Number 1-613-12-5771

É proibido o uso de conteúdos sem autorização

.Artigos recentes

. Pontes e muros entre Roma...

. Habemus "chaver" no Vatic...

. Quando a sirene toca, de ...

. Morto e envenenado (por e...

. A onda africana

. Vêm aí os Persas?

. Jihad casher? – os fanáti...

. Passerelle de Jerusalém

. A Cruz nas terras do Cres...

. Os moicanos de hoje

. De bolha em bolha (de Cop...

. 9/11 – A década

. Kiddush com tequila (Em t...

. De olhos na Diáspora

. Mazal tov!

.Ligações

.Visitantes

Jewish Bloggers
Powered By Ringsurf

.Arquivos

. Maio 2014

. Março 2013

. Novembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

.subscrever feeds

Partilhar