Domingo, 16 de Agosto de 2009

Chegou a vez do filho do chefe

Há poucas semanas, Yair, de 18 anos, o filho mais velho do Primeiro-ministro israelita Benyamin Netanyahu foi incorporado na Tzavá, o Exercito de Israel. Como todos os israelitas, também o filho do chefe de governo são obrigados a começar o serviço militar aos 18 anos. Os homens servem por três anos; as mulheres – sim, elas também – por dois anos. Tirando o facto do jovem Yair ser o único soldado do exército israelita com um guarda-costas, em tudo o resto ele será igual aos seus colegas de pelotão. No início terá de ultrapassar três semanas de treino militar básico. Como em todos os exércitos, começará de "soldado raso". A partir daí, poderá escolher o ramo das forças armadas que deseja integrar, de acordo com a classificação que adquiriu na altura da inspecção militar.


Soldado no porto de vigia no telhado da yeshiva de Hevron, Outubro de 2006.

A experiência militar é parte fundamental da vida em Israel e fonte de prestígio. As altas patentes militares usam as suas medalhas como credenciais para ascender na carreira política. Muitos políticos adquiriram fama no campo militar: Yitzhak Rabin tomou parte na conquista de Jerusalém na Guerra dos Seis Dias, Ariel Sharon liderou as tropas no Sinai na mesma guerra, Ehud Barak participou na operação antiterrorista de Entebbe, e o próprio Netanyahu foi membro de uma unidade de elite.

Ao contrário de Portugal, onde há já alguns anos a tropa é opcional, em Israel, poucos escapam à incorporação. À partida, todos os israelitas judeus são obrigados a cumprir o serviço militar. Dos não-judeus, apenas os Drusos e os Beduínos têm a mesma obrigação. Os Árabes israelitas – os Drusos e os Beduínos não são árabes – estão isentos de servir no Exército. No entanto alguns alistam-se de forma voluntária.

As mulheres cumprem um serviço militar mais curto que os homens e não integram unidades de combate, mas já podem ser piloto de aviões. A discussão mantém-se sobre o papel das mulheres na hierarquia e na realidade militar em Israel. Há anos uma jovem que tinha ganho o concurso de Miss Europa foi alistada como soldado. Obviamente foi notícia. Como comentou na altura o correspondente da SIC na sua reportagem: "Israel é o país onde a Miss Europa vai à tropa".

Apesar de obrigadas à incorporação, as mulheres podem optar por fazer aquilo a que se chama de "serviço nacional". A maioria das jovens judias religiosas escolhe esta opção, substituindo a tropa regular pela realização de trabalhos voluntários nas mais diversas áreas. Da assistência em hospitais, escolas ou lares de idosos até guias turísticos, trabalhos de arqueologia e proteção ambiental ou mesmo secretária dos serviços secretos, na maioria dos casos as jovens elegem funções relacionadas com a sua futura profissão. O “serviço nacional” é uma oportunidade preciosa de formação profissional e de pesquisa de mercado de trabalho.

Uma realidade recente são os refuseniks. Uns são “objectores de consciência”, os que por razões ideológicas são contra o uso de armas. Outros, mais problemáticos, são soldados que apesar de pertencerem ao exército, se recusam a cumprir ordens específicas como participar na evacuação de colonos (como aconteceu em Gaza), ou no extremo oposto, recusam-se a servir nos chamados Territórios Palestinianos.

Desde a fundação do Estado de Israel, os haredim ou judeus ultra-ortodoxos estão também isentos de ir à tropa, desde que estudem numa yeshiva. Porém, na última década foi fundada uma nova unidade de elite do exército, o Nahal Haredi, composta exclusivamente por soldados religiosos. Tirando a inexistência de mulheres nas suas bases e um maior tempo para rezar e estudar Torá, esta unidade segue as mesmas exigências do exército regular. Por ajudar a integrar os jovens na vida ativa pós-tropa, o Nahal Haredi passou a ser uma opção aceite para jovens de famílias ultra-ortodoxas normalmente hostis à entrada no serviço militar.

Para os judeus religiosos que não são ultra-ortodoxos, é também possível conciliar a experiência militar e os estudos judaicos, através do programa yeshivat hesder. Os jovens que escolhem este modo, estudam dois anos numa yeshiva, fazem pelo menos 18 meses de tropa e voltam mais um ano para a yeshiva. Algumas yeshivot têm já no seu currículo classes de preparação dos seus alunos para o exército, ensinando em especial os desafios de cumprir Shabbat durante a tropa.

Outra das particularidades de ser soldado em Israel é que, após a conclusão do longo serviço militar, todos os homens são considerados na reserva. Em Portugal, nos tempos idos do serviço militar obrigatório, "ficar na reserva" praticamente significava "livrar-se da tropa". Pelo contrário, em Israel a "reserva" obriga à prestação de um período de serviço militar extra, chamado miluim, que pode chegar a um mês por ano. Isto, até aos 40 anos. Num país com uma situação de segurança tão delicada "fazer miluim" é a oportunidade de melhorar o treino e atualizar as capacidades dos soldados após o final da tropa.

Existe o costume que os jovens recém saídos da Tzavá façam uma longa viagem pelo Mundo no ano seguinte ao final da tropa. Os destinos favoritos são o Oriente, com as praias de Goa e as trilhas de montanha do Nepal e de Caxemira, a Tailândia e o Cambodja pejadas de mochileiros israelitas. A América Latina, com o Brasil, a Patagónia, o Peru e a Colômbia são destinos cada vez mais populares.

Imigrado para Israel aos 30 anos, fiquei automaticamente isento de cumprir o serviço militar. Com essa idade, se me alistasse com voluntário, teria de fazer uns 6 meses de tropa. Tenho de confessar que, por um lado, me arrependi de não o ter feito. Além de ser uma experiência importante em termos de integração no país, um reconhecimento da contribuição dos militares para a existência de Israel, ainda me ajudaria imenso a desenvolver o meu hebraico.

Porém, tenho de recordar-me que, em 26 de Junho de 2007, imediatamente antes de tomar o autocarro na Batalha rumo ao aeroporto, para viajar como imigrante para Israel, na hora da despedida prometi à minha mãe que não iria à tropa. Cumpri a minha promessa.

publicado por Boaz às 01:19
link do artigo | Comente | favorito
5 comentários:
De ester a 16 de Agosto de 2009 às 23:33
Como mae de 3 filhas que fizeram aliá,me acalmei quando constatei que as duas primeiras nao cumpriram a vida militar......mas como se para pagar a lingua,a terceira tem como foco o serviço militar!
o que dizer? que estou tranquila?
mas sei que cada qual com seus conceitos e ideologias agem por si so e sabem distinguir as prioridades vivenciais em israel
Tudo na hora certa com a proteçao de D us e alegria dela,acho que compensará minhas noites mal dormidas
e Eretz ganhara mais uma aliada civil...........e vc uma cunhada pra tb cuidar
beijo
De joão moreira a 18 de Agosto de 2009 às 17:20
uma correcção:
o recenseamento militar e as respectivas inspecções eram obrigatórias, no ano em que se completassem 18 anos. A partir daí, era necessário pedir adiamento de incorporação, o que significava, passar à reserva. Esta era a situação para quem quisesse continuar a estudar. Porém só o poderia fazer até aos 24 (25, depois da criação do 12º). No fundo, tinha 6/7 anos para concluir a licenciatura. foi o que aconteceu comigo. Depois da licenciatura, passei à situação de disponibilidade. como sou gémeo e, geralmente, só um é alistado, a fava ficou para o meu irmão (tbem licenciado). Posteriormente, com as limitações financeiras e o fecho de muitas unidades militares é que o processo de recrutamento passou a ser muito restrito.
jm
De J.Wollvsttaven a 18 de Agosto de 2009 às 20:49
Caro amigo, Shalom .

Com grande alegria recebi hoje a entrevista que concedestes à Sheila Sacks no periódico Nosso Jornal Rio. Lembrei de quando conversamos a primeira vez, via web , vc estava super animado com o processo de conversão, revi as fotos do seu casamento e as da pequena Moriah . Hoje, nossas preces tem um agradecimento especial pela alegria de saber que a boa mão de HaShem tem te guardado em todos os teus caminhos.

Grande abraço.
De Boaz a 19 de Agosto de 2009 às 00:35
Já saiu? Pensava que era só para a edição de Rosh Hashaná! Tal como eu aprendi na faculdade de Jornalismo: não se pode confiar nos jornalistas! ;o)
De Guedes a 15 de Outubro de 2010 às 15:01
gostei muito de ler o artigo, ja que sou português e dentro de meses vou para o exercito Israelita.
Podia ter também falado nos que estudam na universidade em cursos pagos pelo exercito e depois é que vão a tropa e dão mais anos de serviço militar.
Mantém o bom trabalho
Shabbat shalom.

Comentar artigo

.Sobre o autor


Página Pessoal
Perfil do autor. História do Médio Oriente.
Galeria de imagens da experiência como voluntário num kibbutz em Israel.


Envie comentários, sugestões e críticas para:
Correio do Clara Mente

.Pesquisar no blog

Este blog está registado
IBSN: Internet Blog Serial Number 1-613-12-5771

É proibido o uso de conteúdos sem autorização

.Artigos recentes

. Pontes e muros entre Roma...

. Habemus "chaver" no Vatic...

. Quando a sirene toca, de ...

. Morto e envenenado (por e...

. A onda africana

. Vêm aí os Persas?

. Jihad casher? – os fanáti...

. Passerelle de Jerusalém

. A Cruz nas terras do Cres...

. Os moicanos de hoje

. De bolha em bolha (de Cop...

. 9/11 – A década

. Kiddush com tequila (Em t...

. De olhos na Diáspora

. Mazal tov!

.Ligações

.Visitantes

Jewish Bloggers
Powered By Ringsurf

.Arquivos

. Maio 2014

. Março 2013

. Novembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

.subscrever feeds

Partilhar