Quarta-feira, 28 de Junho de 2006

A vida de branco e negro

Na semana passada comecei a trabalhar em part-time em Kiryat Zanz, um bairro de Jerusalém habitado quase exclusivamente por judeus haredim, os chamados "ultra-ortodoxos".

Confesso que senti uma certa suspeita quando a pessoa que me arranjou o trabalho me levou ao local. Um "ortodoxo moderno" como eu é um deslocado num bairro como Kiryat Zanz. Fechadas por natureza, as comunidades haredim - ao menos em Israel - têm pouco contacto com os "de fora".

Normalmente, esse contacto é do tipo daquele que tenho com eles. Trabalho. Neste caso, eu trabalho para eles. Limpo as escadas de três prédios do bairro. Já sabia à partida que a tarefa não iria ser fácil. O facto de terem muitos filhos - uma média superior a 7 filhos por família - faz com que as casas e os edifícios onde vivem sejam difíceis de manter em ordem. Com habitantes preocupados com coisas menos mundanas, os bairros dos "ultras" são frequentemente muito mais sujos que os demais. Ao menos em Jerusalém.

Todavia, e até agora, apesar da sua normal distância, não me posso queixar de falta de hospitalidade. Em vários casos, pessoas que haviam passado por mim nas escadas, voltaram pouco depois de copo na mão e ofereceram-me algo para beber. Noutro caso, um jovem chegou até a perguntar-me se eu era militar do exército de Israel para assim dizer uma bênção por mim. Achei particularmente estranha esta situação.

Os haredim - com as suas dezenas de sub-grupos: Chabad, Zanz, Satmar, Belzer, Breslov, e muitas outras mais pequenas, cujos nomes dependem na maioria dos casos das terras de origem do grupo, são maioritariamente afastados do Estado de Israel e das suas instituições. Assim, uma bênção de um deles por um eventual soldado de Israel pareceu-me quase oposto à crença que normalmente apresentam muitos haredim.

Um destes grupos, Satmar, é mesmo radicalmente anti-sionista. Mais ainda, membros do pequeno grupo Neturei Karta participam frequentemente nas manifestações organizadas a favor dos Palestinianos, na Europa e Estados Unidos. No entanto, não o fazem tanto por um humanismo em relação aos Palestinianos, mas antes para demonstrarem a sua oposição à existência do Estado de Israel. Para eles, um país governado por judeus só sob a liderança do Mashiach (Messias). Muito mediáticos na sua propaganda, são no entanto mal vistos pelos outros haredim, quer pelo seu discurso extremista, quer pelas suas acções.

O seu ódio ao Estado de Israel é tão grande que fazem tudo o que podem para desacreditá-lo. Por isso, nos últimos anos, o líder do Neturei Karta foi inclusive "Ministro dos Assuntos Judaicos" do governo palestiniano e era visita frequente no quartel-general de Arafat. Mais recentemente, apesar das barbaridades ditas pelo presidente iraniano contra Israel e os Judeus (das quais a negação do Holocausto foi apenas uma delas), uma delegação do movimento foi recebida por Ahmadinedjad em Teerão.

Os "corvos"

Pela forma como se vestem, os hassidim ou haredim são alcunhados de "corvos" ou "pinguins". Seguindo o vestuário dos séculos XVIII e XIX da Europa Oriental, usam o invariável traje negro com camisa branca, sem gravata, chapéu negro ou o famoso shtreimel (chapéu de pêlo), as longas barbas e as longas payot encaracoladas. À excepção dos Chabadniks que as usam curtas e atrás das orelhas. As mulheres vestem-se de acordo com as mais rígidas leis de modéstia. Procurando ser o "menos atractivas possível", usam vestidos largos que não permitem fazer notar as formas do corpo e de cores pouco vistosas. Na cabeça lenços ou toucas-estilo-saco ou em alguns casos, perucas, a fim de esconderem completamente o seu cabelo.

Super-protegidas no seu ambiente, e por terem poucos contactos com "os de fora", as crianças haredim são normalmente muito tímidas mas evidentemente curiosas. Durante as minhas horas de trabalho, é com frequência que noto crianças que me observam, escondidas atrás das portas entreabertas, ou no andar de cima, espreitando-me. Se olho na sua direcção, rapidamente se ocultam.

Apesar da desconfiança inicial, tenho de admitir que sinto um certo apreço pelo seu modo de vida. A sua teimosia, chamemos-lhe assim. O desafio em viver de uma forma tão austera - austera para mim e para a maioria de nós. Mas todavia alegre, já que a alegria é um ponto muito importante na religiosidade e quotidiano haredi. O facto de manterem com tanto afinco valores tão distantes daqueles enraizados no modo de vida maioritário no "mundo exterior", como a obsessão pelo culto do corpo ou a busca de prazeres.

Por isso até acho natural que me olhem de lado, com uma certa desconfiança. Já que é óbvio que não sou - nem desejo ser - um deles. Apesar das payot que começam a despontar.

publicado por Boaz às 20:40
link do artigo | Comente | favorito
9 comentários:
De Johann Wollvsttaven a 5 de Agosto de 2006 às 02:02
Luz e Prosperidade sejam em teus caminhos,
Somente escrevo para externar o apreço que sinto pelo modo claro e objetivo com o qual públicas teus artigos, meu caro. És benvindo ao povo de Israel, e que o Eterno te agracie com Paz e Saúde. Se quizeres agrega-me o endereço ao MSN e poderemos conversar com tempo.

Lehitraot.

Johann Wollvsttaven
De arnaldo lopes a 11 de Agosto de 2010 às 17:26
posso ser seu amigo virtual por favor?
De Anónimo a 11 de Agosto de 2010 às 17:33
Hmmm, amigo virtual? Nao entendi a pergunta.
Do Facebook ou algo do genero? (Declaro que eu apenas aceito amigos reais, ou seja que eu conheço de alguma forma...).
Sempre pode mandar-me emails para o endereço do blog: bodexpiatorio@sapo.pt...
De arnaldo lopes a 18 de Agosto de 2010 às 21:06
boa noite!!!!
eu gosto do povo judeu,eu tenho varias duvidas, eu sempre quis ter um amigo judeu, mas com o passar do tempo esta ficando mais dificil.
Eu conheço bem a história milenar dos judeus. Eu tenho 35 anos, sou brasileiro. Depois que assisti o filme a lista de Oscar shindler. Ai tive a certeza que amo os judeus.
Mas na vida real vai ser dificil fazer amizades, pois eu não tenho nem contato com um filho de abraão.
Já tentei entrar em comunidade de orkut, tb não consegui.
Eu queria ler o livro do flavio josefo- A história do povo hebreu, mas não posso comprar agora!!!
Meu sonho é conhecer a terra santa e ver o tumulo de Abraão,eu queria saber se os judeus de hoje sabe a qual tribo de israel eles pertencem.
Eu gostaria de saber se vc é judeu?
Me desculpe se estou sendo mal compreendido.
Minha intenção era poder me manter informado sobre tudo que diz respeito aos filhos de abraão,Isac e Jacó.
me desculpe pelo amigo virtual, se eu poder ser um espectador, trocar idéias e poder tirar minhas dúvidas, tá bom.
obrigado por tudo!!!!!!!
De Boaz a 11 de Setembro de 2010 às 20:23
Se quiser envie-me um email para o endereço: bodexpiatorio@sapo.pt.
De a. cardoso a 5 de Julho de 2006 às 07:06
Gostei de saber mais sobre esses grupos judaicos, supreendeu-me o facto de alguns deles serem contra o Estado de Israel.
Continua a contar-nos mais coisas.
De ffun a 30 de Junho de 2006 às 03:32
Já que no msg fazes sempre questão de aparecer quando não estou... é para te mandar um abraço pela objectivo conseguido... e parabéns pelo blog que é ele próprio testemunho do percurso.
De RAFAEL a 28 de Agosto de 2012 às 23:34
ola boaz como sabe eu sou tambem um observante do judaismo e gosta de saber uma yeshiva em israel que acolha judeus observantes

se souber mande o link ou contacto
De RAFAEL a 28 de Agosto de 2012 às 23:40
ola boaz como sabe eu sou tambem um observante do judaismo e gosta de saber uma yeshiva em israel que acolha judeus observantes

se souber mande o link ou contacto

e tambem gostava que me adicionasse no fb para termos uma conversa mais longa e abordada sobre judaismo

Comentar artigo

.Sobre o autor


Página Pessoal
Perfil do autor. História do Médio Oriente.
Galeria de imagens da experiência como voluntário num kibbutz em Israel.


Envie comentários, sugestões e críticas para:
Correio do Clara Mente

.Pesquisar no blog

Este blog está registado
IBSN: Internet Blog Serial Number 1-613-12-5771

É proibido o uso de conteúdos sem autorização

.Artigos recentes

. Pontes e muros entre Roma...

. Habemus "chaver" no Vatic...

. Quando a sirene toca, de ...

. Morto e envenenado (por e...

. A onda africana

. Vêm aí os Persas?

. Jihad casher? – os fanáti...

. Passerelle de Jerusalém

. A Cruz nas terras do Cres...

. Os moicanos de hoje

. De bolha em bolha (de Cop...

. 9/11 – A década

. Kiddush com tequila (Em t...

. De olhos na Diáspora

. Mazal tov!

.Ligações

.Visitantes

Jewish Bloggers
Powered By Ringsurf

.Arquivos

. Maio 2014

. Março 2013

. Novembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

.subscrever feeds

Partilhar