Domingo, 25 de Maio de 2014

Pontes e muros entre Roma e Jerusalém

Fiéis judeus ortodoxos passam por um grupo de cristãos que percorrem a Via Dolorosa, Cidade Velha de Jerusalém.
Foto de Micha Bar-Am.

Aos Cristãos e aos Judeus não faltam graves problemas internos. Alguns deles comuns. Assimilação e degradação de costumes. Afastamento e desinteresse das gerações mais jovens. Casos de pedofilia cometidos por membros do clero. Nenhuma religião tem o exclusivo da virtude. Menos ainda, exclusivo do pecado.

Do lado católico, a bomba dos escândalos de pedofilia rebentou na última década. Do lado judaico, o fenómeno do abuso sexual de menores só agora começa a aparecer nos media. O iceberg da pedofilia em escolas e comunidades judaicas mostrou até agora uma ponta muito pequena. Nos Estados Unidos, Austrália e outros países, alimentado pela onda de escândalos na Igreja Católica, o problema da pedofilia nas comunidades judaicas tem sido discutido. Em Israel, pelo contrário, mal se fala do assunto. Porém, quase todos os meses, descobre-se mais um episódio macabro. Debaixo da superfície, o monstro está vivo e, tal como acontecera no caso católico, é abafado por quem deveria travá-lo.

É óbvio que nenhum destes graves problemas internos é causado pelo outro lado. Mesmo que, há alguns meses, um importante cardeal católico tenha acusado os Judeus e o seu alegado “controlo dos media” de serem os responsáveis pelo escândalo de pedofilia que tem abalado o Catolicismo. Momentos de delírio deste género, de quem quer atirar responsabilidades para o quintal do vizinho acontecem também do nosso lado. Do alto das manias de perseguição que existem de parte a parte, parecemos acreditar que o outro lado só pensa em destruir-nos. Aumentar as divisões que existem antes ambos não resolverá nenhuma das polémicas mútuas. E muito menos os problemas internos.

Será dispensável dizer que a Igreja Católica e o papado não têm uma boa imagem entre os Judeus. Os casos de perseguição e violência contra judeus a mando dos Papas (ou outros com maior ou menor concordância papal) foram numerosos desde que o Catolicismo se estabeleceu como a religião maioritária e dominante na Europa. Todavia, a bem da sinceridade na análise histórica, a situação atual das relações judaico-católicas não podia ser mais distinta daquela que caracterizou os últimos séculos. Como mencionou o Presidente de Israel, Shimon Peres, acuando da eleição do novo Papa Francisco, as relações com o Vaticano nunca estiveram tão boas.

Bons sinais

As grandes mudanças começaram com o Concílio Vaticano II, nos anos 60. Logo em 1964, Paulo VI visitou Israel na sua primeira visita papal. (Uma parte da visita do Papa Francisco, que hoje chega a Israel, é para celebrar o 50º aniversário dessa histórica viagem.) Numa rápida estadia de apenas 11 horas na Terra Santa, visitou vários locais sagrados da Cristandade e encontrou-se pela primeira vez com o patriarca ortodoxo Atenágoras I, num sinal de aproximação entre Roma e Constantinopla, há quase 1000 anos de costas voltadas.

Ainda que na altura a Santa Sé e o Estado Hebraico não tivessem ainda estabelecido relações diplomáticas (apenas o seriam 30 anos depois, em 1994) e a visita tivesse sido conduzida como se Israel não fosse um país independente, o papa encontrou-se com o presidente israelita Zalman Shazar.

Foi um encontro de apenas 20 minutos num remoto posto da fronteira entre Israel e a então Margem Ocidental, ocupada pela Jordânia. Dois papados mais tarde, João Paulo II destacou-se por vários atos simbólicos de aproximação: o estabelecimento de relações diplomáticas com Israel, a visita a Auschwitz, o pedido de desculpas pela Inquisição e outras perseguições anti-judaicas. E acima de tudo a histórica visita a Israel, no ano 2000. Bento XVI voltou a repetir os atos simbólicos desde a sua visita à Alemanha e à sinagoga de Colónia. E o Papa Francisco é reconhecido pela sua excelente relação com os Judeus, já desde os anos em que era arcebispo de Buenos Aires.

Ainda assim, alguns episódios pontuais tenham azedado as relações com Israel e a comunidade judaica. Por exemplo, os planos (nunca concretizados) de canonização dos Reis Católicos, Fernando e Isabel, os quais introduziram a Inquisição em Espanha e ordenaram a Expulsão dos Judeus em 1492. E mais recentemente, já no papado de Bento XVI, o controverso processo de reabilitação do rebelde bispo Richard Williamson, conhecido pelas suas declarações anti-semitas e negação do Holocausto. (*ver nota no final) E também, o apoio declarado do Vaticano à causa palestiniana.

Do lado judaico, o diálogo ecuménico com o Cristianismo tem sido liderado pela corrente Reformista. Os “valores humanistas e universalistas” expressos pelo Judaísmo Reformista atendem antes de mais ao valor supremo do “espírito da modernidade”. Entre os Ortodoxos, as coisas são (um pouco) mais complicadas. Ainda mais em Israel. Na Diáspora, os Judeus, mesmo os ortodoxos, têm um contacto mais ou menos próximo com os não-judeus. Em especial com os Cristãos. Conhecem, por contacto cultural com a sociedade em geral, um pouco da cultura cristã. Pelo contrário, em Israel o contacto entre as diferentes religiões é superficial. E até mal visto. Os preconceitos e a ignorância mútuos são profundos.

Manifestações de desprezo

Se bem que sejam inegáveis as feridas abertas no Povo Judeu pela História, em muitos casos não é promovida uma atitude de reconciliação, mas de constante ênfase nessas feridas. Apesar de inúmeras fontes distintas, muitas delas expressando posições contraditórias entre si, a maioria do pensamento judaico não tem uma boa definição do “não-judeu”. As principais fontes legais judaicas foram escritas em períodos de intensa perseguição anti-judaica. A Mishná, durante a ocupação romana da Terra de Israel. O Talmude, nos primeiros três séculos da era comum, após a trágica destruição do Templo de Jerusalém. O Mishnê Torá de Maimónides, no meio das guerras de cristãos contra mouros da Reconquista. O Shulchan Aruch de Yosef Caro, durante a Inquisição Espanhola... Porém, apesar de não ser possível apagar a História, também não podemos olhar para o mundo como se nada tivesse mudado desde os anos de perseguição romana em que o Talmude foi escrito.

Ainda assim, em muitas yeshivot (academias de estudos judaicos) e em panfletos semanais distribuídos em sinagogas, sempre que o assunto envolve o Cristianismo, os tradicionais preconceitos anti-cristãos são expressos abertamente. Nos media israelitas que eu consumo (a maioria deles são em língua inglesa) frequentemente incluem notícias sobre a relação com os cristãos. Sejam casos passados em Israel ou na Diáspora. Em geral, em qualquer artigo que envolva – mesmo remotamente –, o Cristianismo, levanta-se uma onda de comentários dos leitores que demonstram até onde falta avançarmos no diálogo inter-religioso e na educação para a tolerância. Aliás, do de um comparável nível de intolerância manifestado por leitores “gentios” quando as notícias falam de Israel ou os Judeus.

O mesmo se passa com muitas páginas pró-Israel no Facebook. Em todas essas páginas abundam os “Amigos” cristãos, em geral evangélicos. Até aí, nenhuma objeção. Afinal, entre os gentios, eles são os mais entusiastas ativistas pró-Israel. Todavia, sem qualquer controle, como se fosse uma praga incontrolável, junto com as suas mensagens de apoio a Israel e ao Povo Judeu, costumam introduzir os habituais mantras evangélicos, espalhando a sua mensagem de apelo aos Judeus para aceitarem “a salvação”. Ou seja, Jesus. “Amigos”, mas com uma agenda pouco amistosa.

Da mesma forma que não aceito a difamação do Judaísmo e dos Judeus pelos Cristãos, também não aceito a difamação do Cristianismo feita por Judeus. No caso do Facebook, não foram poucas as páginas pró-Israel que deixei de acompanhar (ou seja, deixe de ser “Amigo”) por achar inaceitáveis as mensagens que aí eram propagadas pelos comentadores, com total conivência dos administradores da página. O discurso de ódio e desrespeito, levado a cabo por alguns fanáticos (de ambos os lados), está bem presente na maior rede social do planeta.

Em inúmeras ocasiões, encontrei-me na muito irónica posição de “defensor da honra cristã”. Logo eu! Ainda que eu próprio tenha a minha própria lista de oposições ao Cristianismo – se assim não fosse, não o teria abandonado – elas não implicam uma atitude de difamação ou até desprezo.

Faltam muitos passos a serem dados, de ambos os lados para que hoje, e no futuro, as relações entre os Judeus e os Cristãos, sejam amistosas. Sobretudo, falta educação. Só ela poderá ultrapassar preconceitos, ajudar a sarar feridas ainda abertas e instaurar o respeito mútuo. Que assim seja, Bezrat Hashem.

* Oficiais do Vaticano declararam que, antes da decisão de reabilitação do bispo Richard Williamson, desconheciam as polémicas opiniões do bispo. O Papa Bento XVI criticou o bispo por suas opiniões anti-semitas e ordenou que ele se retratasse publicamente da negação do Holocausto, sem o qual, não poderia exercer quaisquer funções episcopais dentro da Igreja. Há que realçar que a decisão de reabilitação do bispo Williamson foi uma questão interna católica a fim de integrar o grupo dissidente a que pertence, um pequeno cisma católico tradicional que não aceita as mudanças do Concílio Vaticano II.

publicado por Boaz às 10:00
link do artigo | Comente | favorito
Sexta-feira, 15 de Março de 2013

Habemus "chaver" no Vaticano

Março de 2013, Papa Francisco na capa da revista Time.

Dezembro de 2012, o arcebispo Bergoglio acende uma vela de Chanucá numa sinagoga de Buenos Aires.

Com a eleição do novo Papa, é possível pensar na questão do ecumenismo e o diálogo entre Católicos e Judeus. Várias autoridades judaicas felicitaram o escolhido no conclave de 13 de Março. O entusiasmo pela escolha dos cardeais é visível nos círculos judaicos. A começar pelo presidente da República de Israel, Shimon Peres, que convidou o Papa Francisco a visitar Israel o mais breve possível. Ressalvou que as relações do Vaticano com a comunidade judaica estão agora “no melhor nível dos últimos 2000 anos”.

O Rabinato-Chefe de Israel declarou-se satisfeito com a escolha do novo líder da Igreja Católica, expressando os desejos que com o “Papa Francisco, cujas boas relações com o Povo Judeu são bem conhecidas, manterá o mesmo espírito e fortalecer e desenvolver as ligações da Igreja Católica com o Estado de Israel e o Povo Judeu”.

Jorge Mario Bergoglio, até agora Arcebispo de Buenos Aires tem sido uma figura ativa no ecumenismo na América Latina e notado pela relação amistosa com a comunidade judaica, a maior do continente sul-americano. Em Novembro passado, Bergoglio acolheu na catedral de Buenos Aires uma cerimónia evocativa da Kristallnacht, a Noite de Cristal. E em Dezembro, durante a celebração judaica de Chanuká, foi convidado para acender a quinta vela do candelabro numa sinagoga de Buenos Aires.

O Rabino David Rosen, diretor dos assuntos inter-religiosos do Comité Judaico Americano e que tem desempenhado a função de interlocutor do Rabinato-Chefe de Israel para as relações com o Cristianismo, relevou que “o Povo Judeu não poderia ter pedido uma escolha melhor em termos de relações Judaico-Católicas. Nenhum papa antes tinha sido um cardeal com tão próximas relações com uma comunidade judaica”.

Há menos de dois anos, participei numa palestra apresentada pelo tal Rabino David Rosen. Ele destruiu alguns mitos das relações judaico-cristãs. Os quais, de uma perspectiva judaica parecem piores do que são... Na ocasião, questionei-o sobre uma notícia recente que lera num influente diário israelita sobre uma reunião de bispos católicos do Médio Oriente. Na notícia, constava que uma das conclusões dessa reunião fora uma acusação contra Israel pela alegada perseguição aos cristãos (o que seria uma enorme injúria, uma vez que Israel é o único país da região onde existe plena liberdade de culto e onde a comunidade cristã tem crescido). O Rabino veementemente condenou o conteúdo da notícia, negando que essa declaração tenha existido nesses termos.

Ó, a nossa tendência de pintar de negro a nossa própria realidade. Como alguém disse, quando o judeu se esquece que é judeu, o anti-semita faz o favor de o lembrar. Em boa medida, nós parecemos alimentar a nossa identidade judaica à custa do anti-semitismo. (Ou não fosse o anti-semitismo em geral, e o Holocausto em particular, um pilar da atual identidade e mentalidade judaica. Mas isso é um assunto que merecia um artigo à parte).

As coisas parecem ser melhores entre Judeus e Cristãos do que nos parece. E ainda bem. Mas, porque será que apenas parece? Porque, apesar de haver um diálogo ecuménico permanente entre as autoridades religiosas judaicas e o Vaticano, essa boa relação não é ensinada aos leigos, ao povo de cada um dos lados? Muitos católicos mantêm opiniões anti-semitas. E muitos judeus continuam a perpetuar a histórica inimizade entre as duas religiões. Haverá alguma vergonha em destruir pela raiz os mitos e ódios mútuos que foram alimentados durante séculos?

Nota: Para os menos literados na língua hebraica, chaver significa amigo. Esperamos realmente que "Assim seja".

publicado por Boaz às 10:05
link do artigo | Comente | ver comentários (1) | favorito
Quinta-feira, 8 de Março de 2012

Jihad casher? – os fanáticos estão entre nós

Desde há alguns meses que uma das questões mais discutidas na sociedade israelita é a relação com o público haredi, ou ultra-ortodoxo. É uma comunidade fechada, com as suas próprias leis e que se opõe a muitas regras da sociedade moderna e secular. Particularmente controversa é a situação das mulheres nestas comunidades. O assunto invadiu as notícias e as conversas de rua após uma série de acontecimentos na cidade de Beit Shemesh, perto de Jerusalém.

Há anos que esta cidade mista – secular, ortodoxa-moderna e haredi – tem vivido episódios de conflito entre as suas várias comunidades. Para albergar a crescente população haredi, com uma das mais altas taxas de natalidade do mundo, novos bairros têm sido construídos em Beit Shemesh, alguns deles exclusivos para os ultra-ortodoxos. O município é acusado pelos membros de outras comunidades de favorecer o público haredi. Nos bairros vizinhos, ou nas poucas zonas em que as populações se misturam, têm ocorrido actos de violência.

O conflito subiu de tom em Setembro de 2011 com a abertura da escola de meninas Orot Banot, destinada ao público sionista-religioso, situada numa zona limítrofe com um bairro ultra-ortodoxo. Com frequência, grupos de fanáticos haredim ofendiam as alunas em frente à escola, por considerarem o seu modo de vida menos religioso e logo, desprezível. A polícia fez algumas detenções, mas os atos de intimidação continuaram. Liderada por alguns ultra-ortodoxos anti-sionistas mais radicais, uma manifestação foi organizada em frente à escola.


"Mulheres talibã" em Beit Shemesh | Onde está Hillary Clinton?, apagada por Photoshop.
Ativista na secção masculina de um autocarro separado | A histórica foto de Rosa Parks

Clamavam pela "manutenção da pureza dos bairros heredim contra os estrangeiros que conspiram para os profanar, apoiados pelo regime maléfico", numa referência clara ao Estado de Israel, desprezado por várias correntes no Judaísmo Haredi. Em Dezembro do ano passado, a vergonhosa situação em Beit Shemesh atingiu o auge, quando Naama Margolese, uma menina de 8 anos, apareceu na televisão descrevendo como alguns fanáticos a cuspiram e chamaram "prostituta" por frequentar a escola Orot Banot. Uma onda de choque percorreu a sociedade israelita, levando à intervenção das autoridades políticas, civis e religiosas.

Linhas de autocarro segregadas

Esta polémica das relações da sociedade haredi com o resto da população de Israel não é recente. Já nos primeiros anos da independência, eram comuns conflitos em alguns bairros de Jerusalém devido à violação do Shabbat. As “Guerras do Shabbat” tinham lugar num cruzamento do bairro de Mea Shearim, desde então chamado Praça do Shabbat. A polémica aumentou em 1997, com o aparecimento de linhas de autocarro em que homens e mulheres viajam em secções separadas. Os homens adiante. As mulheres atrás. Estas linhas de autocarros ligam cidades e bairros com numerosas populações de haredim, como Jerusalém, Bnei Brak, Ashdod, Arad ou Elad. São conhecidas como Linhas "Mehadrin", usando (indevidamente) uma expressão na Lei Judaica – normalmente usada nas regras da alimentação judaica – e que significa o nível mais estrito da lei, sem leniências. Várias autoridades rabínicas declaram-se contra a segregação – ainda mais sendo forçada, mas muitos mostraram-se compreensivos ou simplesmente calaram-se perante a situação.

De tempos a tempos, eram noticiados casos de mulheres maltratadas por fanáticos por se sentarem na “área masculina”. Algumas faziam-no por mero engano, pensando tratar-se de um autocarro como qualquer outro. Outras de propósito, por não concordarem com a descriminação, tentando desafiá-la. Quando estourou a polémica em Beit Shemesh, movimentos feministas – em especial liderados por não-religiosos – organizaram "invasões das linhas mehadrin". Grupos de mulheres apanhariam os malfadados autocarros segregados, sentando-se na parte da frente, e enfrentando a fúria dos opositores. Porém, avisados da planeada ação de protesto, os utilizadores ultra-ortodoxos dos autocarros, mantiveram a compostura.

Dos autocarros, a campanha de separação dos sexos passou para os lugares públicos. Em Mea Shearim, o mais famoso bairro haredi da Cidade Santa, e em alguns bairros de Bet Shemesh, há já muito tempo que nas principais ruas são visíveis sinais que alertam as mulheres – em especial as turistas – para se vestirem de forma "modesta": saias e mangas longas, blusas fechadas até ao pescoço, roupas folgadas que não revelem as formas do corpo. É com frequência que mulheres que não cumprem as regras de vestuário estipuladas nos cartazes são atacadas – verbal ou fisicamente – ao passar por estas áreas. As sortudas são alvo de cuspidelas ou insultos, mas não faltam casos de mulheres atingidas por sacos com urina ou lixívia, atirados de uma janela por algum vigilante.

Uma vez por ano, durante semana do festival de Succot, as ruas de Mea Shearim enchem-se de fiéis e turistas, para assistir às festividades de Simchat Beit Hashoeva, num dos dias da festa. A confusão e o enorme fluxo de pessoas nas ruas, levaram os fanáticos a impor mais uma das suas "regras de decência": separação das ruas. Um lado para os homens, outro para as mulheres. Com uma barreira a separá-los. Para manter as mulheres, ainda que vestidas de forma modesta, longe da vista dos homens, e salvá-los de eventuais pensamentos lascivos.

Talibanismo judaico

No mesmo bairro de Mea Shearim, um gangue de fanáticos conhecido por Sikrikim (em homenagem aos Sicários, um grupo de guerrilheiros judeus que aterrorizaram os Romanos durante a ocupação da Terra Santa, há dois milénios) começou a ameaçar os lojistas, caso não introduzissem medidas de separação dos sexos nas suas lojas. Filas separadas para pagamento, ou exclusão de mulheres a trabalhar nas caixas registradoras, foram algumas das medidas impostas. Em nome de algo que consideram ser "a moral". Uma das lojas resistentes, uma loja de livros e artigos judaicos especialmente popular entre os turistas, foi várias vezes vandalizada, por resistir a cumprir as ordens dos Sicários. Para além das "regras da modéstia" era imposta a exclusão de venda de livros em inglês, e de alguns autores proscritos pelos Sicários, incluindo todos os escritores sionistas-religiosos. Até que, farto dos prejuízos e da inoperância da polícia, o dono cedeu à maioria das demandas dos fanáticos.

De vez em quando, face à crescente reclamação contra o fanatismo em Mea Shearim, a polícia prendia um ou outro membro dos Sikrikim, para os soltar pouco tempo depois. Não deixa de ser irónico que a polícia de Jerusalém consegue entrar em força nos bairros árabes da zona oriental da cidade para prender (suspeitos ou confirmados) terroristas e toda a espécie de criminosos, ao mesmo tempo não se atreva a impor a ordem no bairro judeu de Mea Shearim. Aí, protestos organizados pelos fanáticos resultam frequentemente na vandalização de propriedade pública, como paragens de autocarro, contentores do lixo, e raramente, a destruição de montras de lojas e queima de carros.

A paranóia sexual haredi que impõe o desaparecimento forçado das mulheres da esfera pública chegou também aos jornais. Ao folhear qualquer jornal haredi, não se encontra qualquer imagem feminina, por mais discreta que esteja vestida. Num dos casos famosos, uma foto de Hilary Clinton durante a operação de captura de Osama bin Laden, foi publicada num jornal haredi de NY. Esta tendência, até há pouco exclusiva dos jornais ultra-ortodoxos, parece estar a alastrar também a alguns sectores do público sionista-religioso. Numa enorme crise de identidade e uma liderança gravemente débil, vários sectores do público sionista-religioso tendem a aproximar-se da ideologia ultra-ortodoxa, que muitos começam a ver como “mais religiosa, pura, judaica”.

Das imposições de vestuário aos não-aderentes às tradições dos locais, à separação nos autocarros, lojas e ruas, não demorou muito até ao surgimento de uma seita local de mulheres de burka. Mal vistas pela generalidade da população e dos líderes religiosos, as “mulheres taliban” não serão mais do algumas dezenas. São insultadas na rua e excluídas de entrar nas lojas, por aderirem a uma indumentária vergonhosa e sem qualquer base na tradição judaica. Cartazes afixados nas paredes de Mea Shearim condenavam a seita talibã como epikoros, hereges. A Eda HaCharedit, a maior organização haredi em Israel, juntando as principais correntes ultra-ortodoxas, emitiu um decreto declarando as burkas como um “fetiche sexual”, tão depravado como a roupa indiscreta ou a nudez. Todavia, comandadas por alguns fanáticos manipuladores, as “mulheres talibãs” resistem à oposição geral, mesmo após a prisão da líder do grupo.

Hilul Hashem, profanação do nome de Deus

É importante ressalvar que, nenhuma destas infâmias tem qualquer suporte na Halachá, a Lei Judaica. Apesar de existirem regras de modéstia estipuladas, estas são muito mais lenientes do que os cartazes de Mea Shearim ou os abusivos líderes das "mulheres talibã". E, tal como noutras coisas na Halachá, nenhuma regra pode ser imposta à força. E muito menos, mediante a humilhação. Neste rol de vergonha e enorme profanação do nome de Deus, várias perguntas saltam para a discussão: porque não se manifestam os próprios religiosos contra este fanatismo? Em especial as mulheres ultra-ortodoxas, que são as primeiras vítimas? E os rabinos, que são a maior autoridade nestas comunidades?

Para responder a estas questões, é preciso entender a sociedade ultra-ortodoxa. As suas regras de autoridade não são as mesmas para a sociedade em geral. Os problemas raramente são denunciados às autoridades civis, vistas como anti-religiosas e hereges. Praticamente todas as controvérsias se discutem ou resolvem através da influência dos grandes rabinos, sem qualquer discussão pública ou debate aberto. Em inquéritos de rua feitos por jornalistas em bairros ultra-ortodoxos, a maioria das mulheres preferia não falar da separação nos autocarros, nas clínicas ou na rua. Outras, falavam do assunto, mostrando a sua concordância com a situação, mas de forma visivelmente pouco convincente.

Numa sociedade onde as mulheres têm um papel secundário, são poucas as que se atrevem a desafiar a crescente exclusão dos seus direitos e desaparecimento forçado da vida pública. Mesmo os homens ultra-ortodoxos que discordam destes ditames do fanatismo mantêm-se em silencio, na maioria dos casos. Ser considerado "liberal" ou "moderno" é um anátema na sociedade haredi. Essa etiqueta implicaria marcar a família de forma fatídica, podendo os filhos ser excluídos do acesso às melhores escolas, prejudicar as hipóteses de conseguir um bom casamento, até à expulsão da comunidade. Mesmo aguentando a custo a situação vigente, poucos se atrevem a enfrentar tal perspetiva. Praticamente isolados do resto do Mundo, desconhecedores ou opositores das regras da sociedade secular e moderna, a exclusão da comunidade da qual dependem seria uma punição insuportável.

Inclusive os líderes religiosos haredim, supostamente todo-poderosos, demonstram ter pouco poder, dominados pelo crescente polvo originado em meia dúzia de lunáticos como os Sikrikim. Também eles receiam ser apelidados de “liberais”, afrontando o modo de vida fechado da comunidade. Os "guardiães da tradição", com o seu silêncio agem contra essa mesma tradição, contrariando o mandamento da Torá: "Não ficarás em silêncio enquanto o sangue do teu irmão é derramado" (Levítico/Vaicrá 19:16). A barreira de separação foi sendo aumentada pouco a pouco, e ninguém se atreve a derrubá-la, ou pelo menos a descê-la a um nível sensato. Salvo algumas excepções. Como o rabino Ovadia Yosef, uma das mais respeitadas autoridades rabínicas atuais, que emitiu uma eloquente condenação do fanatismo; o rabino Haim Amsalem, líder de um novo movimento cívico que une seculares e religiosos, ou o Rabinato-Chefe de Israel. Porém, estas autoridades, ainda que citando fontes irrefutáveis da Lei Judaica nas suas posições, são olhadas como modernistas dentro da ortodoxia, não sendo aceites pelos mais radicais.

Mais do que uma luta pelas regras da modéstia, esta controvérsia prende-se com uma luta pelo controle da própria sociedade haredi. Alguns sectores mais conservadores sentem que o seu modo de vida está ameaçado. Pelo secular Estado de Israel. Pela modernidade imparável que aos poucos começa a ameaçar algumas das suas tradições. A crescente influência da Internet e outros meios de comunicação possibilitou a troca de ideias fora dos círculos fechados das cortes rabínicas, a discussão de temas até agora mantidos debaixo do pano e a publicação de opiniões dissidentes. Não é de admirar que alguns líderes haredim tenham banido o uso da Internet, mesmo as páginas ortodoxas. Porém, as ordens dos líderes são cada vez menos escutadas pelos fiéis, em especial os jovens. Páginas como “Kikar Hashabbat” ou “Chaderei charedim” discutem abertamente temas tabus dentro da sociedade haredi e têm milhares de leitores e comentadores. Assim, face à crescente liberalização, alguns sectores reagem com o extremismo.

Procura-se Vered Ganim

Falta alguém de dentro da própria sociedade haredi, ou alguém de fora, que se oponha ao fanatismo sem provocações desnecessárias. Nos anos 60, para lutar contra a descriminação dos Negros no Sul dos EUA, uma mulher simples recusou sentar-se nos bancos traseiros dos autocarros, destinados aos passageiros "de cor", símbolos do seu estatuto de "segunda classe". Rosa Parks desafiou a descriminação de forma não violenta, mas determinada. Em Israel procura-se uma mulher desse género, uma Vered Ganim (tradução literal do nome Rosa Parks).

O caminho para a harmonia social entre os vários sectores da sociedade judaica em Israel ainda é longo. É precisa uma coragem cautelosa para tomar medidas que resolvam a situação. Às forças de autoridade para deter ações criminosas dos fanáticos, demonstrando que o crime não compensa. Aos políticos, preocupados em manter as frágeis coligações políticas que juntam ideologias opostas em nome da conveniente maioria parlamentar. Aos líderes religiosos, temerosos de parecerem "liberais", preocupam-se mais com a sua própria imagem de "guardiães da tradição" do que do bem e a unidade do povo. Aos seculares, pela sua geral falta de entendimento da sociedade haredi e profundos preconceitos contra ela, que muitas vezes tentam enfrentar os problemas de forma declaradamente provocatória, aumentando as ofensas mútuas.

publicado por Boaz às 16:35
link do artigo | Comente | favorito
Terça-feira, 30 de Agosto de 2011

Kiddush com tequila (Em todos os lugares se encontram judeus)

Cumprem-se hoje cinco meses desde o dia em que embarquei na mais longa viagem que fiz até hoje: Cancún, no México. Fui visitar a kehilá (comunidade judaica) local. A frequentar o curso de preparação de shelichut¹, recebemos uma proposta séria para a pequena comunidade judaica no Caribe mexicano. Depois de algumas conversas via Internet e troca de emails, fui convidado a passar uma semana com a kehilá. Apenas eu iria viajar para Cancún. Nesta fase inicial de contacto com a comunidade, decidiram que era prematuro que a restante família me acompanhasse.

O programa da visita foi um pouco complicado de gerir. Acima de tudo, por ser a primeira vez que passava por uma experiência deste género. Nas semanas anteriores à viagem tive de preparar várias classes, discursos a serem proferidos na sinagoga durante o Shabbat e atividades para as crianças. Contactei rabinos que tinham trabalhado na América Latina, incluindo no México, para saber que assuntos abordar nas classes, para manter as pessoas interessadas. Uma das classes seria para as mulheres. Aconselharam-me a falar sobre o Amor. Além disso organizaria uma “conferência” com um tema à minha escolha.


Praia de Cancún | Espetáculo de um mimo israelita no shopping Kukulcan Plaza.
Pequeno-almoço comunitário | Vitral maia, cúpula do Kukulcan Plaza.

Porém, o que me levantou mais dúvidas foi a convivência com a débil prática religiosa dos judeus locais. Como comer kosher durante uma semana? Se houvesse alguma atividade na praia ou na piscina – ambientes comuns no dia-a-dia dos judeus locais – como ficaria a questão de tzeniut² (ou modéstia feminina)? E, com alguns membros da comunidade não sendo judeus de acordo com a Lei Judaica (por via de conversões não-ortodoxas) como poderia organizar as rezas na sinagoga?

As conversas com o diretor da organização onde estudei dois anos para a preparação da shelichut deixaram-me bem mais descansado. Era preciso, antes de mais, “aliviar um pouco a cabeça” habituada à estrita ortodoxia da vida judaica de Israel. A comida seria providenciada pela cozinha da comunidade, que é kosher, e pelas famílias que respeitam as regras alimentares judaicas em suas casas, como havia comprovado o próprio diretor numa visita a Cancún, alguns meses antes. Na questão da tzeniut, as opiniões que consultei divergiam. Uma dizia para tentar fixar as atividades de forma que evitasse totalmente esse problema. Outra opinião, que me surpreendeu pela complacência, foi simplesmente um peremtório: “Não olhes”.

Quanto aos possíveis não-judeus que integram as rezas na sinagoga (neste caso, convertidos por correntes não-ortodoxas, que não aceitam todas as regras da Lei Judaica), fui aconselhado a ignorar esses casos e organizar as rezas da maneira regular. Existem inclusive algumas razões haláchicas para esta leniência, por isso durante a minha visita não deveria abordar estes casos problemáticos.

A viagem de avião para Cancún foi difícil de aguentar. O horário do voo, saído de madrugada de Tel Aviv, estragou-me a noite de sono. O frio, o barulho dos motores, das dezenas de pessoas a roncar e tossir e o choro das crianças tornaram o longo voo de 12 horas até Filadélfia uma tormenta. A paranóia de segurança dos EUA iria fazer-me correr na curta escala entre os voos. Nem mesmo para quem está habituado à apertada máquina de segurança em Israel, as regras praticadas nos EUA são fáceis de suportar.

Cheguei a Cancún quase 24 horas depois de sair de casa. Passei do fresco início de Primavera de Gush Etzion para o escaldante e interminável Verão das Caraíbas. À saída do aeroporto, a rajada sufocante dos mais de 30 graus e da imensa humidade. O ar condicionado seria o meu melhor amigo naquela semana. Fui recebido pelo presidente da comunidade. Antes de me levar ao hotel, no centro da cidade, passámos pelo pequeno centro comunitário judaico para conhecer as instalações, a dois quarteirões de distância do meu hotel.

Teria algumas horas para descansar, depois de um duche. Antes de me deitar, ainda mandei uma mensagem para casa, pela Internet. Sete horas de diferença em relação a Israel significavam um quase absoluto desencontro de horários para marcar uma conversa com a família. Uma pessoa da comunidade tinha mandado entregar dois cestos com comida kosher (fruta, sumos e bolachas) para satisfazer o meu apetite no hotel. Depois do duche, da mensagem para o lar, do curto descanso, de comer um pouco – no voo de 4 horas desde Filadélfia não havia comido nada – começava o programa de trabalho daquela semana de visita à comunidade judaica de Cancún. As reuniões foram todas à volta da mesa de jantar, com as famílias dos líderes da comunidade.

Antes do primeiro almoço de trabalho, fui levado a um breve passeio para apreciar a famosa praia de Cancún. A alguns quilómetros do centro da cidade, percorrendo a avenida onde se situam os gigantescos hotéis, os clubes noturnos e os centros comerciais luxuosos, chegámos a um ponto onde pude admirar o Mar das Caraíbas, de um azul-turquesa indescritível. Perante tal grandiosidade, recitei a bênção: “Bendito És Tu, Eterno Nosso Deus, que fazes a Obra da Criação”. Pela primeira vez, vi o Atlântico do seu lado ocidental.

Num local tão improvável para encontrar vida judaica organizada como a costa caribenha do México encontrei uma comunidade pequena, de apenas 40 famílias. Todos tinham chegado a Cancún vindos de outra região do México, a maioria da cidade do México. Ou de outros países. Sem escola própria, minada pela assimilação e os casamentos mistos, era até então uma comunidade associada ao Judaísmo Conservador. A atuação do último rabino da comunidade tinha sido de tal modo desastrosa, dando uma péssima fama da comunidade de Cancún, que esta decidiu contratar um rabino ortodoxo.

Não que, com a chegada de um rabino ortodoxo, a comunidade se tornaria só por si ortodoxa. Contudo, apercebi-me que as mudanças pretendidas eram mais do que cosméticas. A liderança estava consciente das mudanças profundas necessárias à sobrevivência da pequena congregação. O problema das conversões “expresso” ocorridas na fase “conservadora” era o assunto mais quente da futura atuação do futuro rabino da comunidade. Num fenómeno demasiado corrente na Diáspora, quase todos os homens da comunidade haviam casado com mulheres não-judias. Em alguns casos, elas tinham passado a tal conversão vapt-vupt, em outros nem isso. Isso significava que entre as crianças da comunidade, poucas seriam judias de acordo com a Halachá (a Lei Judaica).

Para uma comunidade tão pequena e tão pouco religiosa – poucas famílias cumprem as regras alimentares judaicas e apenas um membro da comunidade cumpre o Shabat – a participação nas atividades religiosas da sinagoga é bastante elevada. Ao contrário de comunidades maiores (como Lisboa, por exemplo), a sinagoga tem minyan diariamente. Todas as manhãs, após o serviço religioso: o pequeno-almoço comunitário é uma oportunidade de ouro para organizar uma breve sessão de estudo. No Shabat, após o Kabalat Shabat há sempre um jantar da comunidade, frequentado por umas 50 pessoas. E o almoço na manhã seguinte também é partilhado por várias famílias. Cada um sente a sua responsabilidade como membro, para que a restante comunidade possa manter-se ativa. O compromisso com a vida comunitária é fortíssimo e comovedor de testemunhar.

Durante a semana, servi de chazan (oficiante) durante os serviços matinais na sinagoga. Também fui eu que li na Torá. Duas estreias absolutas para mim. Não creio que me saí tão mal, mas precisarei de mais prática. Na manhã de domingo, a ocasião de conhecer algumas crianças e participar nas suas atividades semanais na sinagoga, junto com o animador do grupo de jovens, recém regressado de Israel. Através de algumas brincadeiras didáticas ensinei-lhes um pouco sobre a festa de Pessach, a acontecer daí a algumas semanas.

Por uma questão de cortesia, visitei o emissário Chabad na cidade. Devido à situação dos casamentos mistos e das conversões, ele tinha recusado a oferta de ser o rabino da comunidade. Por isso, tirando algumas aulas com algumas famílias e o abastecimento de alguma comida kosher importada, ele dedicava-se quase exclusivamente a assistir os turistas judeus de visita a Cancún.

Uma das coisas que mais me impressionou na visita foi a simpatia e informalidade dos judeus cancunenses. Apesar de quase todos serem milionários, vivendo em mansões faustosas, não tinham o menor toque de snobismo, tão comum entre os ricos. (E essa é a imagem que tenho dos judeus mexicanos).

Depois de uma semana de visita, apesar de todos os desafios que uma shelichut em Cancún implicaria, imaginei que seria uma comunidade interessante onde trabalhar. Sendo uma comunidade tão pequena e remota, era contudo extremamente unida e interessada na vida comunitária, algo que falta noutras paragens. O local também ajudara a criar uma boa perspetiva de decidir transplantar a família para tão distantes latitudes. As questões económicas nem sequer foram mencionadas. Esse assunto deveria ser relegado para uma etapa mais avançada nas negociações.

Poucos dias após o regresso a Israel recebi a resposta da kehilá. Eu não seria o escolhido para liderar a comunidade. A minha falta de experiência, face às complicadas questões que rodeiam a vida judaica em Cancún, determinara este desfecho. Ainda que um pouco desiludido, reconheço a razão da decisão. As tarefas são hercúleas e o novo shaliach terá de ter um pulso muito forte para aguentar as adversidades. Além de, diplomaticamente ter de engolir alguns sapos e por vezes fechar os olhos, por outro terá de ter coragem de bater na mesa quando seja imprescindível. Só desejo o maior sucesso ao que tomar o cargo que, um dia pensei que poderia ser eu a realizar. De Cancún e dos seus judeus guardo ótimas memórias.

¹ Shelichut – Literalmente, "missão". O termo aplica-se aos rabinos e educadores (sendo estes chamados de shelichim, "enviados"), que vão trabalhar temporária ou definitivamente com as comunidades judaicas da Diáspora. Também é aplicado aos diplomatas.

² Tzeniut – "descrição" ou "modéstia". Refere-se em especial às regras de vestuário feminino para evitar expor demasiado o corpo. Algo especialmente difícil nos 12 meses de verão de Cancún.

publicado por Boaz às 19:35
link do artigo | Comente | ver comentários (1) | favorito
Sábado, 1 de Janeiro de 2011

Este não é o meu Deus

Mesmo depois de revelar a minha intenção de conversão ao Judaísmo aos meus amigos católicos, continuei a frequentar com fiel assiduidade o Grupo de Jovens da paróquia local, ao qual já pertencia há alguns anos. Por duas razões: todos os meus principais amigos eram também membros do grupo e os valores aí professados eram mais de natureza ética do que puramente religiosa. Ainda que aos poucos me fui abstendo de participar em certas atividades que estavam para lá da minha "linha vermelha" e eram inconciliáveis com a minha opção. A exclusão mais evidente foi cantar na igreja, mesmo que por uma questão diplomática, tenha aberto excepções pontuais por ocasião de casamentos de amigos. Também continuei a participar no Jantar de Natal, uma das raras ocasiões anuais em que o Grupo se encontrava completo.

Este ano, como em todos os Dezembros, os membros do Grupo (entretanto extinto, mas cujos ex-membros mantêm um contacto mais ou menos próximo) combinaram reunir-se uma vez mais para o encontro natalício. Na troca de e-mails para decidir os detalhes do encontro, surgiram várias opiniões distintas. Ao longe, decidi também intervir numa disputa que se levantava entre dois amigos. Numa tentativa de serenar os ânimos, alguém sublinhou que o grupo era composto de pessoas com opiniões diferentes. E, sem qualquer relação com a discussão, realçou que "seguir Jesus" fora a essência dos ensinamentos do Grupo. Na mesma frase, foi destacado que eu fora o único a sair do caminho de forma evidente.


Igreja e Sinagoga, esculturas na fachada da catedral de Estrasburgo, França.
À direita: 'Igreja', um rei segurando o cálice do sangue do Redentor.
À esquerda: 'Sinagoga', uma mulher vendada, de bastão partido e as Tábuas da Lei ao contrário.

Ainda que tenha dado toda a razão à declaração, decidi dar uma explicação: sim, eu havia deixado de "seguir Jesus", mas que o havia seguido durante bastante tempo durante a minha vida. Afinal, fizera a mesma catequese que todos os outros membros do Grupo. Realcei que não vivera o Cristianismo de forma superficial, e que também não fora de forma superficial que tomara a decisão de abandonar o Cristianismo e aderir ao Judaísmo. A minha declaração levantou uma onda de e-mails de conteúdo teológico e uma certa "militância cristã" como nunca me havia deparado desde a minha separação do Cristianismo. Senti-me a ser alvo de uma tentativa de re-evangelização.

Perante a minha afirmação de "apostasia consciente" recebi uma apaixonada descrição de Jesus como salvador e redentor, afirmando a universalidade da mensagem cristã. Nada de novo: toda aquela descrição condensava os meus anos de catequese e de vivência cristã ativa. O autor da mensagem parecia sugerir uma dúvida na seriedade da minha decisão, perguntando se eu havia dedicado à “busca de Jesus” o mesmo empenho que dedicara ao meu processo de conversão. Expliquei que, mesmo antes da decisão de conversão, existem imensas questões e mudanças não apenas na prática, mas sobretudo em termos de concepção do divino e da sua relação com o mundo. A esta altura percebi – e assim declarei – que obviamente aquela discussão não levaria a lugar algum. Nem eu, um judeu consciente, nem eles, cristãos convictos, iríamos mudar de opinião.

Porém, parece que do outro lado, essa constatação não foi entendida. Antes pelo contrário. E em resposta recebi uma citação da Epístola de Paulo aos Coríntios: “(…)E não fazemos como Moisés, que punha um véu sobre o seu rosto para que os filhos de Israel não vissem o fim do que era transitório. Mas o entendimento deles foi obscurecido, e ainda hoje, quando lêem o Antigo Testamento, esse mesmo véu continua a não ser removido, pois é só em Cristo que deve ser levantado. Sim, até hoje, todas as vezes que lêem Moisés, um véu cobre-lhes o coração. Mas, quando se converterem ao Senhor, o véu será tirado. (…)”

Na comparação evidente do Judaísmo com o Cristianismo, entre a riqueza das metáforas desta "Glória da Nova Aliança", encontram-se temas usados em todas as eras pelos teólogos cristãos, na afirmação da nova e radiante fé cristã em contraste com a velha e obsoleta fé judaica. A cegueira judaica que se recusa a ver e aceitar a luz, a ideia da exclusividade na salvação pela via cristã e a desonra dos descrentes. Tive a sensação de estar perante um exaltado pregador medieval, de crucifixo em punho, a tentar convencer os incrédulos, os desgraçados que se recusam a receber "a Glória".

Uma das perguntas clássicas que surgem quando falo acerca da minha conversão ao Judaísmo é: "mas como foi a reação das pessoas à tua decisão?". A curiosidade refere-se em especial à minha família, mas também aos amigos e companheiros cristãos. Ao revelar que nunca recebi qualquer tipo de oposição ou descriminação por parte dos amigos, os ouvintes mostram-se totalmente incrédulos. Cristalizada em muitas mentes judaicas está a ideia que os Cristãos perseguem, oprimem e odeiam os Judeus. Afinal, "Esaú odeia Jacob" ou em outras palavras "Roma odeia Israel". Sob esta ideia, seria inconcebível que um membro abandonasse tranquilamente o "rebanho", sem qualquer reação negativa dos crentes.

Na macabra contabilidade das centenas de milhões de sacrificados no altar das ideologias (sejam religiosas ou seculares), o Cristianismo detém um lugar de destaque. Cruzadas, Inquisições, Expulsões e perseguições implacáveis, conversões forçadas e guerras religiosas. No caso extremo da Shoá (o Holocausto), a atitude cristã, para lá de corajosas exceções, variou entre o silêncio cúmplice e a participação ativa. Estas são algumas das imagens que os cristãos deixaram na História nos últimos dois milénios e são aquelas que ficaram gravadas mais fundo entre os Judeus. É injusto generalizar, mas não é possível negar que o Catolicismo tem um sério “problema de imagem”. E não apenas entre os Judeus.

Na discussão com os meus amigos católicos acerca da minha conversão, evitei todavia referir a questão da tolerância e da aceitação da diferença por parte dos cristãos. Ainda que lemas catequéticos cristãos como "Deus é amor" e princípios éticos como "dar a outra face" tenham sido espezinhados inúmeras vezes ao longo da História, não foi por um conflito ético em aceitar o evidente fosso entre a mensagem apregoada pela Igreja e o comportamento de muitos dos seus líderes e seguidores que me levou a distanciar e por fim abandonar completamente o Catolicismo. Se a razão da minha mudança de religião fosse um desfasamento entre a doutrina e a prática dos fiéis católicos, eu poderia simplesmente ter aderido a uma outra corrente do Cristianismo. Ou até, passar a ser apenas mais um cristão "sem denominação", mantendo a crença em Jesus mas não em qualquer igreja ou religião organizada. Não foi esse o caso.

Ainda que nos últimos 2000 anos o Cristianismo tivesse – ao menos entre os seus próprios aderentes – instaurado a paz, o problema mantinha-se. A minha divergência era com o cerne da crença cristã de que Jesus não só é o Messias, o Salvador, como é o próprio Deus. "Verdadeiro Deus e verdadeiro homem", como foi declarado na referida troca de mensagens. E, apesar da enorme variedade das igrejas e seitas cristãs, esta crença é comum a todas as correntes do Cristianismo.

Reconheço como a crença em Jesus pode ser satisfatória para muita gente, reconfortante até. Tendo sido uma pessoa, com as suas dores, dúvidas e tentações, é extremamente fácil identificar-se com ele. Falando contra a corrupção das elites do seu tempo, proclamando a superioridade da justiça em relação aos rituais, a sua doutrina ética poderia ser apreciada até pelo pacifista ateu mais obstinado. (Aliás, a crítica de Jesus à corrupção e hipocrisia da liderança política e religiosa do seu tempo tampouco é original. Esta acusação foi proferida com veemência por vários profetas das Escrituras Judaicas.)

É muito mais difícil a identificação com uma divindade cuja essência é puramente espiritual e sem qualquer paralelo com algo que exista na natureza. Usando as palavras de Moshe Luzzatto no primeiro capítulo de "O Caminho de Deus", um Deus "cuja verdadeira natureza não pode ser entendida de qualquer forma por ninguém além Dele mesmo. A única coisa que sabemos sobre Ele é que a Sua existência é perfeita em todas as formas possíveis e não existe Nele qualquer deficiência".

Ou, como descreveu o Rabino Joseph Soloveitchik em "O Solitário Homem de Fé": “Deus, como o soberano cósmico, é contemplado na sua infinita majestade reinando supremo sobre a Criação, a Sua vontade cristalizada na lei natural, a Sua palavra determinando os padrões de comportamento da natureza. Ele está em todo o lado, mas ao mesmo tempo, acima e fora de tudo”. O Criador do Universo atua por detrás do "curso natural das coisas" e a Sua Presença acompanha os homens. Mas não é um deles.

A natureza humana de Jesus, em si mesma contradiz a existência da perfeição absoluta da essência de Deus. A natureza humana, por mais elevado que seja o nível que atinja, será sempre limitada, dependente, corruptível. No fundo, não existe nela a perfeição absoluta. Deus é único, indivisível, perfeito e independente de qualquer outra existência. E por isso, não pode ser reduzido a uma existência (mesmo que paralela, se atendermos à crença de duas dimensões da Trindade: o Pai e o Filho) dentro de um corpo humano.

Durante os meus anos de busca espiritual esforcei-me por entender o mistério da dualidade humana e divina de Jesus, assim como o conceito de Salvação defendido pelo Cristianismo. A morte de Jesus – ou seja, a morte do próprio Deus – servindo de perdão definitivo aos pecados de todos os homens. E apenas ela salva. Naquela época, entre as ruínas do meu edifício espiritual, apenas uma crença se manteve inabalável e a salvo do desmoronamento: a crença na existência de Deus.

Alguém que leia estas linhas poderá até considerar-me profundamente enganado em relação às verdades do Cristianismo. Alguém que faça as mesmas perguntas que eu fiz poderá, pelo seu próprio estudo e reflexão, encontrar respostas distintas que o satisfaçam. Poderá até emergir das respostas com uma fé cristã ainda mais fortalecida. Não ponho isso em causa. No entanto, creio que a maioria dos crentes – aliás, de qualquer religião – na verdade nunca se perguntaram a fundo sobre aquilo em que acreditam. Vivem (quando vivem) a sua religião pela força da inércia. A fé não tem de ser racionalmente lógica e, num tempo em que praticamente tudo pode ser explicado pelas teorias científicas, só o ato de acreditar já é um ato de coragem. Mas cada um, se leva a sério a sua fé e a assume de forma consciente, tem de conseguir conciliar os aparentes contrários.

Na altura da revelação da minha intenção de conversão ao Judaísmo aos meus amigos do Grupo de Jovens não revelei os porquês da decisão. Reconheço a delicadeza do tema. Reconheço como a fé em Jesus pode ser algo central na vida daqueles que acreditam nele. Estando num grupo de jovens católico, tive o cuidado de escolher apenas os membros com um Cristianismo mais amadurecido para saberem do meu abandono da fé cristã. Excluí os membros mais novos, há pouco tempo no caminho. Podia simplesmente abandonar o grupo e percorrer sozinho a minha jornada, sem dar satisfações aos meus amigos cristãos. Contudo, por serem amigos, achei importante partilhar a minha mudança com eles. Não me arrependo de o ter feito.

Por fim, afirmo que não existe possibilidade de diálogo teológico entre o Judaísmo e o Cristianismo. O diálogo é apenas possível como forma de trabalhar em conjunto para resolver problemas da Humanidade, em particular nas trágicas relações históricas entre Cristãos e Judeus. A barreira teológica entre ambas as religiões é absolutamente intransponível. Enquanto para os Cristãos, cuja religião se fundamenta na crença de Jesus como o Salvador, o cumpridor das profecias messiânicas judaicas e a própria divindade; para o Judaísmo, as profecias messiânicas ainda não foram cumpridas. Ainda que se fale tanto em "cultura judaico-cristã", o Cristianismo e o Judaísmo possuem na verdade, duas concepções antagónicas do divino.

Nunca me escusei às perguntas dos amigos, quando elas surgiam. A minha conversão foi uma decisão pessoal e eu não tinha a intenção de levar ninguém atrás de mim. Por isso sempre mantive o assunto na maior discrição. Ninguém me verá a pregar na praça ou a bater às portas, armado com a Bíblia Hebraica, tentando convencer os outros a aceitar a verdade judaica. Não é esse o caminho do Judaísmo.

Não espero a compreensão dos cristãos – nem sequer dos meus amigos – pela minha mudança de crença. Menos ainda a sua aprovação. Não peço nem uma nem outra. Só não aceito que ponham em causa a minha seriedade na forma como vivi o Cristianismo e de como o abandonei.

publicado por Boaz às 23:00
link do artigo | Comente | ver comentários (31) | favorito
Terça-feira, 7 de Dezembro de 2010

Fé e esforço

A chuva, que tardava neste Outono israelita, chegou ontem. Porém, a situação de seca extrema, que se agrava de ano para ano, não se resolve com um dia de aguaceiros, por muito generosos que sejam (o que nem sequer foi o caso de ontem). Devido à grave seca que se vive em Israel, causada pela extrema falta de chuvas – que até agora haviam caído apenas durante um dia desde a Primavera passada –, e com o Outono quente e seco já quase no fim, o Rabinato-Chefe de Israel apelou às comunidades judaicas para rezarem pelas chuvas. Durante os três serviços religiosos diários – na noite, manhã e tarde, por esta ordem – os fiéis devem incluir na oração principal um excerto pedindo pela misericórdia divina para que se abram as portas do céu e caiam chuvas abundantes. E não apenas isso, foi também decretado um dia de jejum.


Pescadores num cais de Tiberias, nas margens do Kineret, ou Mar da Galileia.
Veja-se o baixo nível das águas, em virtude da seca prolongada em Israel, 2009.

Israel, ao contrário da generalidade dos outros países, não dispõe praticamente de rios. O único que corre o ano inteiro, o Jordão, não é mais de um ribeiro estreito e, durante o Verão, é tão pouca a água que nele corre que não passa de uma vala fétida e lamacenta. As chuvas são portanto essenciais para as reservas de água da nação.

Na Yeshivat HaKotel, onde estudo, antes de Minchá (a oração da tarde), o Rosh (diretor) Yeshivá atual e o anterior falaram perante todos os alunos reunidos no Beit Midrash, a sala de estudos principal que funciona também como sinagoga. Lembraram a gravidade da condição de carência de chuvas e a relação, de acordo com as fontes judaicas, entre as bênçãos do céu e o cumprimento dos preceitos divinos. A seca é um sinal do alto, de que algo vai mal cá em baixo.

Apesar da importância da mensagem dos sábios, faltou referir algo que, ainda que seja simples, talvez não seja compreendido por todos: a necessidade de poupança de água. Nenhuma palavra foi dita nesse sentido. Fiquei espantado pela ausência deste recado nas prédicas dos rabinos. Porém, não totalmente. Afinal, a sociedade israelita em geral e o público religioso em particular, estão em grande medida afastados das questões ambientais.

Na região centro do país, nos arredores de Tel Aviv, a preocupação pela ecologia é algo que começa a fazer-se sentir, em especial nos subúrbios habitados por judeus originários da Europa e América do Norte. Para os judeus religiosos porém, a questão ecológica é relegada para um plano muito inferior na lista das prioridades. Talvez por estas questões estarem tão associadas aos esquerdistas, chilonim, os não-religiosos.

Um dos exemplos do descurar da poupança de água entre os religiosos relaciona-se com o preceito de netilat yadaim, a lavagem ritual das mãos. A Halachá (ou Lei Judaica) prescreve a lavagem das mãos para efeitos rituais assim que a pessoa se levanta, representando uma purificação do corpo que acaba de "renascer do sono". O mesmo se passa antes de comer pão, representando a pureza que deve existir na hora da refeição. A Halachá prescreve que a quantidade mínima de água necessária para netilat yadaim é de um reviit, uma medida de contagem de líquidos equivalente a pouco mais de 90 ml. Outras opiniões defendem que essa medida equivale a 160 ml. Em qualquer dos casos, não é muita água.

Para realizar o ritual de netilat yadaim usa-se uma natlá, uma caneca especial de duas asas. Uma natlá comum comporta cerca de um litro de água, ou até mais, bem acima da quantidade mínima necessária para a ablução das mãos. Porém, como se uma caneca cheia não fosse suficiente, alguns religiosos ainda são mais estritos no cumprimento desta prática, despejando sobre as mãos não apenas uma natlá cheia de água, mas duas. Um verdadeiro exagero, ainda mais nestes tempos de escassez.

A sabedoria judaica ensina que a reza destinada a receber uma bênção divina deve ser acompanhada do esforço pessoal para atingir esse objetivo. A isso chama-se histadelut. E o esforço não é sinal de falta de fé. Afinal, ninguém se questiona se em caso de doença, seja falta de fé ir ao médico e tomar medicamentos, ao mesmo tempo que se reza por saúde. Então, alguém pensará que é falta de fé rezar para que as chuvas caiam em abundância e, ao mesmo tempo esforçar-se para poupar as escassas reservas existentes?

Para além do aumento da reza, das boas ações e do estudo de Torá para receber a misericórdia dos Céus em relação às chuvas, deveria haver um esforço pessoal para não desperdiçar água. Não devemos esperar milagres nem basear a fé na sua eventual ocorrência. Só quando o homem dá o máximo de si mesmo, torna-se merecedor da ajuda divina.

publicado por Boaz às 10:24
link do artigo | Comente | ver comentários (2) | favorito
Sábado, 27 de Novembro de 2010

A Igreja e a borrachinha

Depois de anos a lutar contra a maré, as críticas, as manifestações de repúdio, os cartoons ofensivos – acrescentaria ainda a modernidade libertina e os esquerdistas anti-tudo-o-que-cheirar-a-velho –, o Papa resolveu dar o braço a torcer e permitir o uso do preservativo (camisinha, em português do Brasil). Porém, a permissão é apenas "em certos casos", para reduzir o risco de contaminação por HIV, o vírus da Sida (ou Aids). "Finalmente". "Um passo no bom caminho". "Já vem tarde", etc. Este é o tipo de reações ao volte-face papal. Numa instituição atacada por todos os lados, nada do que possa fazer, chega para melhorar os estragos já feitos.


Preservativo Papal, o polémico cartoon de António, 1993 | Bordel em Nairobi, Quénia.
O presidente sul-africano Jacob Zuma, com as três atuais esposas. Em Dezembro casará com a quarta.
Tem pelo menos 23 filhos de 11 mulheres diferentes. No país com maior número de seropositivos do planeta, o presidente além de polígamo é também famoso por ser promíscuo. Um exemplo para a nação.

Virou moda atacar o Cristianismo. Não há que negar os abusos. A pedofilia entre os sacerdotes católicos e respetivo encobrimento pela liderança da Igreja são factos graves. Porém, se alguém pensava o contrário, membros do clero pedófilos (e encobrimento dos casos pelas altas esferas da hierarquia) também existem no Islão, no Protestantismo, no Judaísmo ou no Hinduísmo. E poucos saberão o que se passa com os jovens monges nos recônditos mosteiros budistas. Experimente googlar sobre o tema – foi o que eu fiz – e saberá que, por detrás da reclusão e da modéstia monástica oriental, também há predadores da inocência infantil. Não é só na sombra da cruz que se escondem os depravados.

Abuso de poder do clero. Mas não existem pastores, imãs, rabinos, gurus e lamas que se aproveitam da sua posição para enriquecimento ilícito? E relações demasiados próximas entre o poder clerical e temporal em todos os países onde uma religião – seja ela qual for – seja a maioria, o que leva tantas vezes à corrupção daqueles que se acham e dizem incorruptíveis? Obviamente que o facto de haver outros que também pecam não desculpa os pecados de ninguém. Talvez os torne mais relativos. Menos exclusivos. Este rol de crimes, abusos, pecados e pecadilhos é em muitos casos público, criticado e condenado. E obviamente, condenável.

De toda a má fama que a Igreja ganhou com tantos escândalos, tornou-se alvo de todas as acusações. A cada discussão sobre o uso do preservativo e a SIDA, os dedos acusadores viram-se para o Vaticano. Uma das acusações é culpar o Vaticano/a Igreja Católica pela propagação da Sida, por via da proibição católica do uso do preservativo. Em primeiro lugar, este tipo de acusação é absurdamente cínico. À laia dos medievais (e em alguns casos ainda atuais) libelos de sangue anti-judaicos, este é nada menos que um libelo. Libelo de esperma, digamos. É certo que a Igreja é contra o uso das borrachinhas, mas apenas os católicos são supostos cumprir os decretos vaticanos. Usemos um pouco a lógica. Apenas os católicos são infetados com Sida? E se, caso exista algum não-católico infetado, a quem devem atirar-se então as culpas? Se não à Igreja, então a quem?

É pura desonestidade intelectual acusar a Igreja de responsabilidade na propagação da Sida. Em termos de comportamento sexual, a doutrina oficial católica – a qual aliás, coincide com a posição da Lei Judaica – é bastante clara: proibição do uso do preservativo e do sexo antes do casamento e a obrigação da fidelidade conjugal. Na África Subsariana – onde vivem 70% dos infetados com a doença a nível mundial – a promiscuidade sexual, a poligamia e o recurso à prostituição são práticas correntes. Máximas da moral católica como a abstinência sexual pré-matrimónio e a fidelidade depois dele são antagónicas com a profundamente machista cultura africana. Sejamos honestos, estas são as razões para a alarmante propagação da epidemia em África (e não só). E não qualquer norma anti-preservativo saída da Cúria Romana.

E não é apenas em África que o "ideal do macho-alfa africano" adoece, morre, contagia e mata com Sida. Nos EUA, os Afro-Americanos somam 47% do total da população seropositiva (infetada com o vírus HIV) e, mesmo após várias décadas de campanhas de prevenção da doença, são mais de metade dos novos casos de contágio da doença, apesar de os Afro-Americanos totalizarem apenas 12% da população do país. Entre as mulheres afro-americanas as estatísticas mostram que elas têm 19 vezes mais hipóteses de sofrerem da doença do que as mulheres americanas brancas. Dezanove vezes! Porém, é racismo fazer estas correlações. (Tal como é homofobia referir que a maioria dos infetados nos EUA são homossexuais, incluindo metade dos novos casos reportados anualmente.) Isto não quer dizer, obviamente, que a homossexualidade ou o ser africano implica automaticamente contágio com Sida. Somente que, alguns comportamentos prevalentes nestes grupos – mas não exclusivamente neles – podem explicar os maiores níveis de incidência da doença.

O Uganda foi, nas décadas de 1980 e 1990 o país com maior prevalência da epidemia. Hoje é tido como o único caso de sucesso de controlo da doença em África, sendo o único país africano a conseguir reduzir a sua taxa de infeção por HIV. É verdade que campanhas de informação sobre o uso do preservativo tiveram os seus resultados no estancar da doença. Porém, mesmo contrariando a cultura local prevalente, houve também uma promoção da abstinência sexual antes do casamento e da fidelidade. Tal como tem sido a doutrina católica neste assunto. E assim continua a ser, apesar da nova permissão – em certos casos – do uso da camisinha.

Contudo, num mundo em que "É proibido proibir" é um dos lemas vigentes; o auto-controle é sinónimo de fraqueza; a virgindade, a fidelidade e o casamento estão ultrapassados e uma pessoa moderna é aquela que experimenta de tudo, colocar travões nas vontades é digno de condenação. Daí a impopularidade da posição tradicional do Catolicismo nesta questão. Podem elogiar quanto quiserem o uso da camisinha na diminuição do risco de infeção de Sida ou outras doenças sexualmente transmissíveis. Mas sem uma educação do compromisso e da responsabilidade pessoal e sexual, não virá da borracha a salvação.

publicado por Boaz às 22:05
link do artigo | Comente | ver comentários (5) | favorito
Domingo, 15 de Novembro de 2009

Degraus de uma longa escada

Por via do blog e de um dos assuntos que trata: a conversão ao Judaísmo, muita gente me contacta pedindo informações sobre esse tema. Aqui fica uma lista dos passos do processo, com a explicação de cada um deles. Não é uma receita, nem um kit de montagem, mas talvez dê algumas dicas a quem procura assistência neste caminho às vezes tão complicado.


Jimmy e Pamela Harris são parte de um novo fenómeno americano:
negros convertidos ao Judaísmo.

0 – Porquê?
É o passo "0", porque antes de partir para o primeiro degrau, há que ter a mínima consciência do que implica uma conversão ao Judaísmo. As razões que levam cada pessoa a enveredar por este caminho variam e são pessoais. Do gosto pelo humor judaico (Porque não? É interessante poder contar piadas em nome próprio, por exemplo), reunião com as raízes familiares, busca espiritual, etc.

Na maior parte dos casos, são pouco mais que irrelevantes para o sucesso da empreitada. Como ouvi uma vez o meu rabino dizer: "Não me interessam as razões das pessoas. Só me interessa que sejam honestas". É apenas o ponto de partida.

1 – Contactar um rabino.
Obviamente, recomendo um rabino ortodoxo. As conversões das linhas reformista e conservadora não são reconhecidas pela linha ortodoxa. Apesar de as conversões não-ortodoxas darem o direito a emigrar para Israel, levantam problemas para quem desejar casar em Israel, pois apenas a linha ortodoxa é reconhecida para efeitos de casamento. Os rabinos ultra-ortodoxos (como os da linha Chabad) normalmente são mais hostis ao assunto da conversão, mas nem sempre.

O Judaísmo ortodoxo moderno é mais tolerante neste campo. As comunidades judaicas sírias (Nova Iorque e México, por exemplo) são completamente avessas ao assunto das conversões, considerando inválidas as conversões realizadas para efeito de casamento, por exemplo.

2 – Estudo de Judaísmo.
Depois de conseguir contactar com um rabino que aceite tratar do assunto da conversão, o candidato deve passar a estudar com ele. A maioria – se não todas – as comunidades têm classes de conversão. Normalmente, os rabinos não cobram qualquer quantia pelas aulas de conversão. Ensinar faz parte das funções normais do rabino. Podem ser cobradas despesas com fotocópias ou livros de estudo mas mais do que isso será, a meu ver, abusivo.

Além do estudo em classes, é importante estudar sozinho. Hoje há muita literatura sobre o assunto, seja em inglês como em português. A Internet também é uma ferramenta preciosa, mas a ser usada com cuidado. Nem todas as fontes são confiáveis.

3 – Contacto com a comunidade judaica.
Durante o período de estudo, que pode estender-se de alguns meses a vários anos, é muito importante ir mantendo um contacto com a comunidade, a par da frequência das aulas de conversão. Conhecer o ciclo anual judaico, como o Shabbat e as festas (Pessach, Shavuot, Rosh Hashaná, Yom Kippur, Succot, Chanuka, Purim) só se consegue com um contacto com a comunidade. Além de ser uma experiência preciosa, atesta o interesse do candidato no Judaísmo. Também ajuda a ter uma melhor relação com o rabino.

4 – Recomendação a um Bet Din (Tribunal Rabínico).
Dependendo do progresso do candidato na prática do estudo e da sua prática das tradições judaicas, o rabino fará uma recomendação a um Tribunal Rabínico. A maior parte dos países não têm Bet Din. Isso implica contactar com um Tribunal Rabínico noutro país. A melhor opção será Israel.

A falta de Bet Din pode implicar que a pessoa, pura e simplesmente, não possa terminar o processo no seu próprio país sem integrar um ulpan (curso) de conversão em Israel. É o que se passa na maioria dos casos de Portugal. Normalmente, o Tribunal Rabínico não facilita os processos de pessoas vindas de comunidades com poucas estruturas judaicas (como o caso de Portugal). Pode acontecer o Bet Din impor como condição a permanência em Israel (foi o meu caso).

5 – Reunião no Bet Din.
É um procedimento relativamente simples, apesar de ser o mais ansiado. Afinal, esta é a “grande prova”. Com as devidas diferenças, quem já passou um exame oral na escola pode ter ideia do tipo de acontecimento que é uma reunião de um Tribunal Rabínico. Três juízes rabínicos fazem várias perguntas ao candidato. Primeiro de apresentação, para saber a origem, como chegou ao Judaísmo, quanto tempo estudou, qual a prática que o candidato tem, etc.

Normalmente, o candidato vai acompanhado de alguém, seja o seu próprio rabino ou um professor do ulpan de conversão, ou alguém que conhece bem o candidato. São pedidas cartas de recomendação, do rabino que acompanhou o processo, da família adoptiva, de professores de yeshiva ou do ulpan, etc. São feitas várias perguntas sobre o Judaísmo: bênçãos sobre mitzvot (mandamentos judaicos) e alimentos, aspectos e leis das festas judaicas, etc.

É comum perguntarem sobre as diferenças entre o Cristianismo e o Judaísmo, para atestar a segurança das crenças do candidato à conversão, já que na maioria provêm de um ambiente cristão.

6 – Aprovação pelo Bet Din.
No final da reunião, que normalmente não dura mais de uma hora, no caso de o candidato ser aprovado como novo membro do Povo de Israel, o converso tem de enunciar a oração de Shemá Israel. É a profissão de fé judaica, na qual declara a fé no Deus Único e a aceitação da Torá e das mitzvot.

Nesta altura, o converso é obrigado ao cumprimento de todas as mitzvot. Apenas está excluído temporariamente de contar para um minyan – o número mínimo de 10 homens necessário para as cerimónias públicas judaicas.

7 – Brit Milá ou Circuncisão (só para homens).
Esta que é uma das mais respeitadas tradições do Judaísmo é uma das fases cruciais do processo. Quem estuda o fenómeno da conversão ao Judaísmo explica que a enorme predominância de mulheres em relação aos homens como candidatos à conversão, se deve à obrigação da circuncisão. Nem todos os homens estão dispostos a passar por esta operação.

No caso dos adultos, a operação é realizada num hospital, mas sempre por um mohel, um homem formado especialmente na realização da circuncisão de acordo com a lei judaica. Se o candidato já é circuncidado, é feita uma revisão por um rabino, para saber se está de acordo com a Halachá. Pode ter se ser realizada uma nova operação de correção, mas na maioria dos casos é apenas realizada uma pequena cerimónia em que é retirada uma gota de sangue, simbolizando que a circuncisão foi feita de acordo com a lei judaica.

8 – Tevilá ou Banho ritual
A Tevilá ou banho ritual consiste na imersão num mikve, que é um tanque de águas especial, construído de acordo com regras específicas e que se destina à purificação ritual. Para que a imersão seja completa, não pode existir qualquer barreira entre o corpo da pessoa e a água, por isso é a pessoa entra completamente nua na água.

A imersão é verificada por três rabinos (que são como um novo Bet Din). Estes, porém, não vêm a pessoa nua, já que apenas entram na sala de imersão quando a pessoa já está dentro da água. No caso das mulheres que passam pela tevilá, é uma mulher quem verifica que a imersão foi integral e apta. Neste caso os três juízes encontram-se num local onde não vêm a mulher dentro da água. Tudo é feito com discrição. No caso de o candidato tiver de passar pela circuncisão, a ferida da operação terá de curar completamente antes de poder ir ao mikve, o que pode demorar cerca de um mês.

A partir da imersão, a pessoa pertence oficialmente ao Povo Judeu, em todos os assuntos. As únicas limitações são a proibição de uma mulher convertida se casar com um cohen, um membro da antiga tribo sacerdotal judaica.

Todas estas fases, cada uma com as suas complicações, apenas pretendem garantir que a pessoa está realmente comprometida com o Judaísmo. Afinal, o Judaísmo não é uma religião missionária. Não procura converter os demais, nem impor-lhes a Torá, nem considera os não-judeus como "infiéis contra os quais há que travar uma guerra santa" ou "condenados ao fogo do Inferno".

Quaisquer que sejam as motivações para a conversão, é essencial que todos os que entram no Povo de Israel o fazem com fé clara e consciência da responsabilidade de cumprimento da Torá.

publicado por Boaz às 00:15
link do artigo | Comente | ver comentários (3) | favorito
Quarta-feira, 24 de Dezembro de 2008

Natal em Chanucá


Shopping Mamilla, em Jerusalém, decorado para Chanucá.

Este ano o Natal caiu na semana do festival judaico de Chanucá. Em Jerusalém, os símbolos de ambas as festas misturam-se. Na maior parte da cidade impera a decoração de Chanucá, com iluminações em forma de candelabro e dreidels (um brinquedo em forma de pião usado numa brincadeira tradicional nesta época).

Ao anoitecer, as famílias judaicas acendem as velas da chanukiá, o candelabro de Chanucá, o principal ritual da festa. Nas famílias judaicas ashkenazim (judeus originários do Leste Europeu) cada elemento da família acende o seu próprio candelabro, incluindo as crianças. Os sefarditas (judeus ibéricos e dos países árabes) acendem uma para toda a família. Depois de acesas as velas, seguem-se as canções tradicionais da época.

Na rua que sobe do Bairro Judeu da Cidade Velha em direcção ao Bairro Arménio, na porta de cada casa é possível encontrar um candelabro aceso. Ali perto, é possível ver um pinheiro decorado numa das janelas do Patriarcado Arménio. Mais adiante, uma loja de cerâmica arménia toca "Silent Night". Na praça em frente à Porta de Jaffa, as lojas de cristãos estão decoradas. Não existem árvores decoradas em locais públicos. O Shopping Mamilla, um dos locais da moda em Jerusalém está decorado para Chanucá, mas não há referências ao Natal. Só na Estrada de Hebron, já próximo do posto de controlo de Belém, é possível encontrar algumas decorações natalícias penduradas nos postes de iluminação pública.

Nos cafés e padarias, bandejas com montes de sufganiot – um bolo frito redondo, bem parecido com a bola de Berlim, mas com menos creme " despertam a gula dos clientes. Normalmente recheadas com geleia ou chocolate, as versões modernas do doce incluem uma autêntica bomba calórica com cobertura de chocolate e risquinhas de chocolate branco. São uma tentação, mas desculpem-me se o digo: nem a melhor das sufganiot ganha às filhós de laranja da minha mãe.

Natal não é feriado em Israel. Ao contrário das ocasiões das principais festividades judaicas, os serviços e transportes públicos funcionam normalmente. O Natal é apenas um dia. Chanuká são oito.

publicado por Boaz às 20:35
link do artigo | Comente | ver comentários (2) | favorito
Quarta-feira, 29 de Outubro de 2008

Provavelmente Deus

Um cartaz num autocarro diz: "PROVAVELMENTE DEUS NÃO EXISTE. ENTÃO PÁRA DE TE PREOCUPARES E APROVEITA A VIDA".

Uma organização de ateus britânica lançou recentemente uma campanha publicitária nos autocarros de Londres. A "Atheist Bus Campaign", ou "Campanha Ateísta nos Autocarros" destina-se a chamar a atenção para a tendência pró-religião do mundo da publicidade.

Um dos apoiantes da campanha, o Professor Richard Dawkins reclama que "a religião está acostumada a ter uma viagem à borla: isenção automática de impostos, 'respeito' indevido e o direito de não ser 'ofendida', o direito de fazer a lavagem cerebral às crianças".

"Mesmo nos autocarros, ninguém pensa duas vezes quando vê aí colado um slogan religioso. Esta campanha para colocar slogans alternativos nos autocarros de Londres vai fazer as pessoas pensar - e pensar é um anátema para a religião", desabafou o autor do best-seller The God Delusion, (Deus, Um Delírio na edição em português).

Acho uma certa graça a este tipo de fúria propagandista dos ateus. Se eles não querem acreditar que existe Deus - qualquer que seja - que não acreditem. Que deixem o resto do Mundo em paz. Afinal, eles devem incomodar-se bastante com as velhinhas Testemunhas de Jeová que vão bater à porta deles para entregar o panfleto A Sentinela, os jovens "elders" mórmones que tentam conquistar almas na via pública para a igreja deles, ou simplesmente que um qualquer pastor berre ao megafone na praça. No fundo, a "Campanha do Autocarro Ateu" (outra tradução possível para o nome "Atheist Bus Campaign") é também uma forma de proselitismo e uma campanha missionária.

De um ponto de vista puramente prático, como alguém disse um dia: "Não temos nada a perder por acreditar que Deus existe. Se no final não existir, não nos acontece nada. É preferível jogar pelo seguro."

tags:
publicado por Boaz às 18:24
link do artigo | Comente | ver comentários (2) | favorito
Segunda-feira, 13 de Outubro de 2008

Viver em cabanas

Os Judeus em todo o Mundo preparam-se para a festividade de Succot, a Festa das Cabanas, em memória das cabanas onde o Povo de Israel viveu durante os 40 anos do Êxodo do Egipto. Esta era uma das antigas ocasiões em que os Judeus faziam a peregrinação ao Templo de Jerusalém. Apesar de a peregrinação estar interrompida há quase 2000 anos, outras tradições persistem nesta festa.

O nome "Festa das Cabanas" deriva do facto da obrigação de residir numa cabana (sucá, em hebraico) durante os sete dias da festa. Nos primeiros dias do novo ano – o Ano Novo Judaico foi no último 30 de Setembro – milhares de famílias ocupam-se na construção da sua cabana particular. Seja no jardim, no lugar habitualmente ocupado pelo carro em frente da casa, ou na varanda, as cabanas têm aparecido como cogumelos nos bairros religiosos de Israel. São decoradas, muitas vezes com enfeites preparados pelas crianças, e transformadas em sala de jantar da família.

Na semana de Succot, as famílias devem fazer a maioria das suas actividades diárias na cabana. Devem comer todas as refeições, estudar nela. À excepção da linha Chabad do Judaísmo Ortodoxo, a tradição judaica defende que o homem deve dormir, se possível, na sua sucá.

Nos anos anteriores, costumava usar a sucá da yeshivá, apesar de optar por nunca dormir nela, tal era a desordem que a caracterizava. Dezenas de alunos costumam tirar as suas camas dos quartos, e durante a semana de Succot fazem da sucá o seu quarto colectivo. Sem os empregados da yeshivá para ordenarem o espaço, abunda a bagunça. E, para ajudar, há sempre os gatos vadios que habitualmente pernoitam no pátio da yeshivá.

Este foi o primeiro ano em que construí a minha própria sucá. Uma indústria sazonal fez surgir nos anos mais recentes, verdadeiros "milagres" como as cabanas que se montam em poucos minutos, bastando unir alguns ferros e atando uns panos ou plásticos a fazer de parede. Um dos pré-requisitos da cabana é que o seu telhado seja de matéria vegetal. Esteiras de cana ou palha e ramos de palmeira são as coberturas mais normais. A sucá, com toda a sua vulnerabilidade aos elementos da natureza e falta de conforto em relação a uma casa de tijolo e cimento, tem o simbolismo da plena confiança na protecção de Deus.


Inspecção do etrog no mercado das "quatro espécies", antes de Succot.

Para lá das cabanas que dão nome ao festival, o outro importante preceito de Succot é a presença dos arbaat ha'minim (as "quatro espécies"). São quatro tipos de plantas, usados pelos homens durante as rezas matinais dos sete dias. O ramo ainda fechado de uma palmeira (chamado lulav), dois ramos de chorão (aravá), três ramos de murta (hadas), e uma cidra (etrog), um fruto aparentado com o limão.

Um "quase-limão" por 20 Euros

A Halachá (Lei Judaica) é muito rigorosa com as características que devem ter cada uma das "quatro espécies". Nos bairros religiosos das cidades israelitas, surge nesta época um mercado especial para venda dos arbaat ha'minim. São centenas de vendedores que tentam atrair a clientela. Milhares de compradores verificam os ramos de murta e de chorão, inspeccionam cuidadosamente as pontas das folhas do lulav e, especialmente a cidra. Muitos usam lupas para conseguirem vislumbrar o mais pequeno defeito. O etrog, pela sua beleza e raridade – é difícil encontrar um exemplar perfeito – chega a atingir somas incríveis, para um fruto que parece um limão apenas um pouco mais rugoso.

Uma metáfora descreve as "quatro espécies" como os quatro tipos de Judeus. O lulav, que tem sabor (pelos seus frutos, as tâmaras) mas não tem cheiro, simboliza os Judeus que estudam Torá mas são pobres em boas acções. O hadas, ou murta, tem bom cheiro, mas não tem sabor, representa os Judeus que fazem boas acções, mas carecem de estudo da Torá. A aravá, ou chorão, não tem sabor nem cheiro, é como os Judeus que não estudam Torá nem fazem boas acções. O etrog, um fruto saboroso e com bom cheiro, simboliza os Judeus que são estudiosos da Torá e fazem boas acções. No entanto, tal como o conjunto não serve para cumprir o preceito se lhe faltar algum dos elementos, o Povo de Israel também não está completo sem cada um dos Judeus. Com todas as suas diferenças.

Apesar de alguns sinais da crise económica que também já começam a notar-se em Israel, o entusiasmo dos fiéis para cumprirem da melhor forma as mitzvot (os preceitos judaicos) da sucá e das "quatro espécies", não diminuiu. A agitação no mercado é a melhor prova. Se a chuva não estragar a quadra, impossibilitando dormir ou comer na cabana, o frio que já se começa a sentir, será o único senão da festa.

publicado por Boaz às 15:00
link do artigo | Comente | ver comentários (6) | favorito
Terça-feira, 7 de Outubro de 2008

Ai 'Jasus'

A organização "Jews for Jesus" (Judeus para Jesus) começou uma aguerrida campanha em Israel. Cartazes de rua em pontos estratégicos de diversas cidades do norte do país, como Haifa, Naharyia ou Kiryat Shemona; anúncios de página inteira em jornais diários nacionais e locais; spots de rádio. Tudo, para conquistar almas de fiéis Judeus para Yeshu (nome como é chamado em hebraico).

Esta organização religiosa é afiliada com o movimento cristão evangélico. Como qualquer igreja cristã, prega que Yeshu é o Messias. Porém, ao contrário da generalidade das igrejas cristãs de intuito missionário, que procuram conquistar todas as almas em qualquer ponto do mundo, o seu público-alvo é exclusivamente a comunidade judaica.

Os seus esforços propagandistas são bem patentes na sua atitude. Dissimulam-se entre as comunidades judaicas, usando simbologia como a Estrela de David ou a Menorá. Constroem os seus centros disfarçados de sinagogas, como o fizeram em São Paulo, por exemplo. Abriram a sua confraria em Higienópolis, um dos principais bairros de residência dos judeus. E um dos locais escolhidos para a propaganda de rua não poderia ser menos inocente: em frente a um dos colégios judaicos da cidade, a pouca distância de uma sinagoga de verdade.

O facto de quererem transformar Israel no seu próximo objectivo de conquista suscitou já protestos nas localidades onde a campanha se tem desenrolado. Cartazes de rua foram arrancados. Em Kiryat Shemona, o pneu do carro de um dos missionários foi esvaziado. Tzfania Drori, o rabino-chefe da cidade comentou assim o incidente: "Esta é provavelmente uma reacções mais brandas que se pode imaginar, em resposta à agressiva actividade missionária levada a cabo por estes Judeus para Yeshu."

"Acredito que temos o direito de impedir que estas pessoas entrem na nossa cidade e proclamarem o Novo Testamento e literatura missionária. Isto é equivalente a uma mulher que faz um striptease num lugar público."

Há uns meses, em Jerusalém, surgiu uma polémica, quando se descobriu que um dos mais requisitados salões de festas da cidade era patrocinador de uma organização messiânica do mesmo género da "Jews for Jesus". Imediatamente choveram os cancelamentos de casamentos e eventos no local, especialmente usado por judeus religiosos.

Note-se que, em Israel a liberdade religiosa é total. Porém, é absolutamente proibida qualquer actividade missionária de cariz proselitista. Ora, a "Jews for Jesus" é uma organização que não esconde as suas intenções de levar todos os Judeus para o "outro lado".

publicado por Boaz às 23:25
link do artigo | Comente | favorito
Domingo, 30 de Dezembro de 2007

Ícone rachado

Recebi bastantes comentários ao artigo Natal sem Natal. Foi, em mais de três anos de Clara mente, o mais comentado de todos os meus artigos. Na altura respondi por e-mail – em vez de deixar a minha resposta na página dos comentários – a um dos meus melhores amigos de Portugal, autor de vários desses comentários.

Entendo a incredulidade de alguns comentários. Afinal, é normal uma pessoa sentir-se perturbada quando é posta em causa a estabilidade das suas bases. Mas não deixa de ser também estranho, já que, no caso católico, noutras situações, não parece fazer a mínima mossa aos tolerantes crentes quando a própria liderança de Roma declara que só o Catolicismo é a verdadeira fé. E, ainda mais quando reitera que, quem não acredita em Jesus como deus e salvador, não pode aspirar à salvação. Ao contrário dos não-oficiais jogos de xadrez judaicos na noite de Natal, declarações doutrinárias oficiais como estas, na própria voz do Papa, não são vistas como radicalismo. É apenas a verdade aceite e acima de qualquer discussão.


Pastor da IURD pontapeia a Senhora da Aparecida. Talibãs arrasam os Budas de Bamian.

Alguém até insinuou que o não aceitar Jesus como um homem de bem parece equiparar-se a um nível de fanatismo tal que, fosse eu muçulmano em vez de judeu e já andaria por aí, de cinto de explosivos amarrado à cintura, pronto a mandar uns infiéis para o Inferno.

O histórico ódio anti-judaico dentro do Cristianismo, traduzido em incontáveis actos de barbárie ao longo dos séculos, não é algo que deriva de franjas do próprio Cristianismo. É claro que a responsabilidade pelos actos cabe aos seus autores. No entanto, os interessados, busquem nos Evangelhos palavras do próprio Jesus contra os fariseus, os herdeiros do Judaísmo Rabínico. Para não falar de várias epístolas do apóstolo Paulo. Os anátemas anti-judaicos não surgiram apenas da boca de alguns papas, bispos ou padres mais "exaltados". Saíram da boca dos próprios fundadores do Cristianismo.

Para lá de uma figura religiosa, Jesus é o ícone cultural máximo do Ocidente. Pôr em causa o seu valor como homem e deus, atinge um nível de sacrilégio maior que a destruição das estátuas de Buda pelos Talibãs ou o bispo da IURD a chutar a Senhora da Aparecida.

PS – Apesar das críticas recebidas, não me sinto como um pequeno Salman Rushdie pós-Versículos Satânicos. E a excomunhão também está fora do meu alcance.

publicado por Boaz às 21:15
link do artigo | Comente | ver comentários (5) | favorito
Quinta-feira, 6 de Dezembro de 2007

Diferente para quê?

Recentemente publicaram este comentário no Clara Mente: "Só por curiosidade, decidiu ser judeu só para ser diferente não foi? (...) foi por capricho, para ser do contra ou por convicção que decidiu abraçar o judaísmo? E se foi por convicção, que espécie de convicção foi essa? Religiosa ou política?"

Já contei a história do meu processo de conversão inúmeras vezes. Uma das últimas vezes foi ao meu mestre principal na yeshiva, o Rav Gadi. Ele ficou tão impressionado que até me pediu para contar a história numa aula, frente a toda a classe, a fim de estimular os outros alunos, alguns deles pouco dedicados ao estudo. Face à proposta dele, eu engelhei o nariz e disse-lhe que me desagrada esse tipo de exposição.

Contar uma vez por outra, numa conversa privada, quando as perguntas surgem – normalmente começam com “Mas há judeus em Portugal?” e umas perguntas depois, eu tenho de dizer que a minha família não é judaica e pronto, lá revelo que sou converso.

Não, o motivo da minha conversão não foi mesmo só para ser diferente. Obviamente que foi para tomar um caminho diferente na minha vida. Educado como católico e praticante até à adolescência, com aulas de catequese semanais durante 8 anos. Sempre fui uma pessoa religiosa, ou no mínimo com uma crença mais ou menos estruturada em Deus. E até me via como um membro convicto da Igreja Católica, mesmo que não concordasse com tudo o que a sua respectiva hierarquia e teologia impunham.

Quando comecei a fazer algumas perguntas sobre o papel de Deus no mundo, da responsabilidade pessoal de cada um no seu destino e no destino do Mundo, na salvação, etc., as respostas eram tudo menos satisfatórias, aceitáveis. Não procurava lógica – a fé não tem de ser lógica –, procurava coerência entre o deus apresentado pela doutrina e o seu papel no nosso mundo (se é que ele tinha algum), as descrições nas Escrituras...

Descobri no Judaísmo a mais completa, coerente, humana e ao menos tempo divina das religiões. E mais do que uma religião ou um conjunto de crenças, encontrei um modo de vida integral, guiado pelo divino e explicado pelo humano. Impossível de ser vivido cada um por si, apenas possível em comunidade, em família.

Só para ser diferente? Nunca me passou isso pela cabeça. Confesso que eu sempre fui um pouco marginal, excêntrico, original, entre os meus amigos. Não do género drogado ou de roupa estranha, punk, dread, metaleiro ou afins. Apenas à parte. Mas não o fazia de propósito, “só para ser diferente”. Nunca senti uma necessidade especial de afirmação perante os outros. Sou demasiado recatado para isso.

Para terminar, há muitos motivos para se decidir ser judeu. Talvez até “só para ser diferente” possa ser um deles. Nem vou comentar a sua validade. Não me compete. Mas um motivo desses só serve mesmo como ponto de partida. Quem levar a coisa a sério e decidir avançar a fundo no processo de conversão, verá que por “só para ser diferente” não vale a pena passar tantas provas.

E afinal, quem é que, por exemplo, desejaria ter de se levantar cedo todos os dias para rezar durante cerca de uma hora (às vezes até mais), ainda antes de tomar o pequeno-almoço e ir trabalhar? Não poder fazer o que a maioria das pessoas fazem ao Sábado, por a maioria dessas coisas estarem interditas nesse dia? Jejuar algumas vezes por ano, duas delas um jejum integral, sem comer ou beber, por 25 horas? Não comer tudo o que me apetece? Só para ser diferente. Além disto, ser uma minoria, na grande parte dos casos, minúscula e em regressão, em quase todos os países, vivendo em sociedades onde os judeus, se não são perseguidos, no mínimo são “olhados de lado”? Só para ser diferente?

Fashion? Talvez ache que a Madonna e os amigos dela do Kabbalah Center são judeus e que esse é o Judaísmo autêntico. Engana-se. Nem Cabala a sério é, mas uma mísera versão light, para estrela. Uma espécie de vídeos de ginástica da Jane Fonda ou curso de auto-ajuda para tontos, versão pseudo-cabalista.

Judeu por convicção política? O que tem a ver uma coisa com a outra? Hello?! O Judaísmo é uma religião, não a Internacional Socialista.

Não, só para ser eu mesmo.

PS – Outra pessoa comentou ao comentário inicial: "Agora que vem o Natal sejam vocês mesmos e deixem os outros na paz do Senhor, que é todo o mesmo, para qualquer religião." Uma correcção: o "Senhor" não é – de todo – o mesmo. Antes pelo contrário. O meu Senhor é o Deus Uno e Único, o Rei dos Reis, o Criador do Céu e da Terra, que sacou o Seu povo do Egipto por meio de prodígios. O da manjedoura, esse joga noutro campeonato.

publicado por Boaz às 21:05
link do artigo | Comente | ver comentários (9) | favorito
Sexta-feira, 8 de Abril de 2005

Comove-me

Nestes dias foi impossível ficar indiferente à gigantesca procissão que passou diante do corpo de João Paulo II na Basílica de São Pedro. É certo que muitos entre os peregrinos, não passavam de turistas curiosos aproveitando a ocasião deste acontecimento histórico para estar ali, tirar uma foto com o seu telemóvel e poder dizer "eu estive lá".

Porém, a grande maioria era sem dúvida gente movida por uma forte consciência espiritual. É que esperar 15 horas de pé, sem protestar, numa fila que culmina com um breve olhar sobre um cadáver, não é para aventureiros ou gente impelida por uma curiosidade mórbida. A resistência dessas horas passadas a rezar e a cantar - para manter firme o espírito e desse modo também o corpo - entre pessoas desconhecidas é impressionante.

Fé

Sempre me comoveram as manifestações públicas de fervor religioso. Seja de que fé for. É óbvio que me comove uma multidão que reza em frente ao Muro Ocidental (também chamado das Lamentações). Eu próprio já vivi essa experiência. Estar sozinho, sem conhecer ninguém, na Western Wall Plaza apinhada de judeus a rezar no local mais sagrado para o Judaísmo, em que todos são estranhos, mas ao mesmo tempo existe uma comunhão de identidade que aproxima as pessoas, é qualquer coisa de sublime.

Mas também me impressiona a ideia de dois milhões de muçulmanos em Meca, aguentando o calor sufocante do deserto da Arábia Saudita, rumando por todos os meios possíveis ao vale de Mina para cumprir os rituais da Hajj, um dos pilares do Islão. Ou as multidões de hindus nas margens do Ganges e nas enormes peregrinações do Kumbha Mela, que chegam a juntar mais de 12 milhões de pessoas! Os tibetanos que percorrem a pé centenas de quilómetros, prostrando-se a cada passo, rumo a Lassa. Impressiona-me Fátima, mesmo que desaprove a mortificação física e um certo alarde daqueles que, de joelhos, percorrem o santuário. No entanto respeito.

Impressiona-me especialmente porque vivemos num tempo em que são poucos os que se afirmam crentes. Em que a crença se limita a vivências privadas, seja por detrás dos muros dos templos, seja nas próprias casas. "O meu minyan", como lhe chama Francisco José Viegas. O exemplo extremo é a França, onde, por decreto, se esconde a manifestação da identidade religiosa, sob a obrigatoriedade da laicidade do Estado e a sombra da igualdade. Como se alguém por não usar a cruz, a kippa ou o véu em público se tornasse igual ao seu vizinho. Há dias, nas Cortes espanholas, os deputados da esquerda republicana da Catalunha, do Partido Comunista e alguns do PSOE (no governo) recusaram-se a cumprir em pé o minuto de silêncio pela morte do Papa. Invocaram a regra da separação da religião e do Estado para justificar a sua atitude.

Os europeus desdenham dos americanos por andarem sempre a falar em Deus, por não se coibirem de se afirmarem publicamente como crentes. Uma das mais importantes festividades nos EUA é o Dia de Acção de Graças que tem um cariz nacional e religioso, mas multi-confessional, unindo todas as comunidades. Eu também acho um bocado hipócrita quando Bush termina o seu discurso perante o Congresso com um God bless America, depois de defender a invasão e ocupação do Iraque, num tom quase messiânico. Mas isso é a maneira de ser americana, em que os símbolos da religião entram na política, porque afinal os americanos são religiosos.

Deste lado do oceano a moda é ser ateu, ou no mínimo "agnóstico". Os portugueses engelhavam o nariz quando o então primeiro-ministro Guterres se afirmava como católico praticante e mais recentemente com as repetidas manifestações católicas de Paulo Portas. Conversão oportunista, diriam alguns.

Estamos no tempo do ser "não praticante", esse estatuto religioso que não é carne nem é peixe, em que cada um vive, obviamente, a religião à sua maneira, mas sem se deixar comprometer. "Eu cá tenho a minha fé"...

É por isso que me comove ver tanta gente empenhada em demonstrar publicamente a sua identidade e fazer disso uma festa, mesmo num tempo em que estão de luto.

publicado por Boaz às 17:13
link do artigo | Comente | ver comentários (7) | favorito
Sábado, 2 de Abril de 2005

Um justo entre as Nações

João Paulo II em Israel
Imagem histórica: O Papa coloca uma oração entre as pedras do Muro Ocidental, 26 de Março de 2000

"Mediante a surpreendente pluralidade das religiões, que se dispõe entre elas quase em círculos concêntricos, chegamos à religião mais próxima de nós: a do povo de Deus da Antiga Aliança. (...)

«A Igreja não pode (...) esquecer que foi por meio desse povo, com o qual Deus se dignou, na sua inefável misericórdia, estabelecer a antiga Aliança, que ele recebeu a revelação do Antigo Testamento e se alimenta da raiz da oliveira mansa, na qual foram enxertados os ramos da oliveira brava, os gentios (...).»

Por trás das palavras da declaração conciliar [Nostra aetate, do Concílio Vaticano II] está a experiência de muitos homens, quer hebreus, quer cristãos. Está também a minha experiência pessoal, desde os primeiros anos da minha vida na cidade natal. Recordo, antes de mais, a escola primária de Wadowice onde, na minha classe, pelo menos um quarto dos alunos era composto por rapazes hebreus. E devo agora mencionar a minha amizade, nos tempos de escola, com um deles, Jerzy Kluger. Amizade que continuou, desde os bancos da escola até hoje. Tenho viva diante dos olhos a imagem dos hebreus que todos os Sábados se dirigiam à sinagoga, situada por detrás da nossa escola. Ambos os grupos religiosos, católicos e hebreus, estavam unidos, suponho, pela consciência de invocar o mesmo Deus. Não obstante a diversidade da linguagem, as orações na igreja e na sinagoga baseavam-se, em considerável medida, sobre os mesmos textos."

Estas palavras constituem uma parte do capítulo dedicado ao Judaísmo do livro "Atravessar o Limiar da Esperança", escrito por João Paulo II em 1994. De facto, este Papa merece, ser lembrado como um homem de gestos de conciliação entre a Igreja Católica e as outras religiões, nomeadamente, com o Judaísmo.

Para lá de certas posições em questões doutrinais, cuja discussão cabe, a meu ver, apenas aos católicos, e, apesar dos seus desejos de beatificação ou canonização de figuras de santidade questionável como Pio XII e Isabel a Católica, ficou uma série de atitudes exemplares pelas quais merece (também) ser lembrado. Visitou Auschwitz na sua primeira viagem à Polónia. Foi o primeiro Papa a visitar uma sinagoga, em Roma, em 13 de Abril de 1986. Foi o Papa que reconheceu o Estado de Israel e visitou Jerusalém, incluindo o Yad Vashem e o Muro Ocidental, em Março de 2000. Pediu perdão pelos pecados da Igreja contra os Judeus, os Muçulmanos e os Protestantes.

Não foi um homem perfeito – nem o poderia ser, sendo humano – mas foi, sem dúvida um homem de bem e de coragem. O Jerusalem Post chamou-lhe o Papa do Tikkun Olam (melhorar o mundo, em hebraico). Não tenho problemas em dizê-lo, já que não é preciso ser católico, nem sequer cristão para o reconhecer. Um homem para a eternidade. Abençoada seja a sua memória.

NOTA: O título do artigo encerra uma feliz coincidência. "Justo entre as Nações" é também um título atribuído pelo Yad Vashem aos não-judeus que ajudaram judeus durante a II Guerra Mundial. Já durante as notícias de hoje (3 de Abril) soube-se que o Yad Vashem estuda a possibilidade de conceder esse título a Karol Wojtyla, devido à sua recusa em baptizar uma criança que ele sabia ser judia, e que fora adoptada por uma família cristã polaca.

tags:
publicado por Boaz às 23:03
link do artigo | Comente | ver comentários (3) | favorito
Sexta-feira, 1 de Abril de 2005

Acerca da morte

Túmulos do cemitério judeu do Monte das Oliveiras, JerusalémNesta altura em que se fala tanto da morte, hoje especialmente fala-se da morte do Papa João Paulo II, estando ele ainda vivo, gostaria de deixar uma passagem do Talmude que aprecio especialmente.

«Numa baía, havia dois navios: um saindo para uma viagem e outro chegando ao porto. Todos aplaudiam o navio que partia, mas o que chegava mal era notado. Sobre isto observou um sábio homem: "Não vos alegreis com um navio que parte, pois não se pode saber que terríveis tempestades ele terá de enfrentar, e que perigos ameaçadores poderá ter de passar. Alegrai-vos antes com o navio que chegou ao porto em segurança e que trouxe os seus passageiros de volta em paz.

E é assim o mundo: quando nasce uma criança, todos se alegram; quando alguém morre, todos choram. Deveríamos fazer o contrário. Pois ninguém pode prever que provas e sofrimentos esperam uma criança recém-nascida; mas, quando um homem morre em paz, deveríamos alegrar-nos, pois ele completou uma longa jornada, e não há maior dádiva que deixar este mundo com a indestrutível coroa de um bom nome.»

tags:
publicado por Boaz às 17:22
link do artigo | Comente | ver comentários (4) | favorito

.Sobre o autor


Página Pessoal
Perfil do autor. História do Médio Oriente.
Galeria de imagens da experiência como voluntário num kibbutz em Israel.


Envie comentários, sugestões e críticas para:
Correio do Clara Mente

.Pesquisar no blog

Este blog está registado
IBSN: Internet Blog Serial Number 1-613-12-5771

É proibido o uso de conteúdos sem autorização

.Artigos recentes

. Pontes e muros entre Roma...

. Habemus "chaver" no Vatic...

. Jihad casher? – os fanáti...

. Kiddush com tequila (Em t...

. Este não é o meu Deus

. Fé e esforço

. A Igreja e a borrachinha

. Degraus de uma longa esca...

. Natal em Chanucá

. Provavelmente Deus

. Viver em cabanas

. Ai 'Jasus'

. Ícone rachado

. Diferente para quê?

. Comove-me

.Ligações

.Visitantes

Jewish Bloggers
Powered By Ringsurf

.Arquivos

. Maio 2014

. Março 2013

. Novembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

.subscrever feeds

Partilhar