6 comentários:
De JoanaTorrado a 31 de Julho de 2007 às 10:31
Bom dia.

Muitos Parabéns. O Blog tem um merecido destaque na Homepage do SAPO e dos Blogs.

Esperamos que esteja a gostar da experiência na nova plataforma. Qualquer dúvida não hesite em contactar-nos.

Boa continuação :)
De J.Wollvsttaven a 31 de Julho de 2007 às 17:02
Caro Boaz, Shalom.
Venho acompanhando teus passos pelo blog (que diga-se de passagem, está cada vez melhor), e mesmo que venhas a passar por tantos dissabores com a burocracia, alegra-me o fato de que tens alcançado o teu objetivo. Bem, enquanto não tornamos a Eretz Israel de modo definitivo, resta-nos agora esperar pelo convite do teu casamento. Sucesso.

J.Wollvsttaven
De MCA a 6 de Agosto de 2007 às 14:12
Olá, cá estou eu outra vez, a tua assídua visitante gentia
Tenho uma reflexão e um reparo a fazer a este post.

A reflexão é sobre a questão «porque é que Deus permitiu o holocausto?». Essa não é uma questão colocada apenas por judeus nem apenas em relação ao holocausto. Como sabes, não foram apenas os judeus a serem massacrados (embora fossem, indubitavelmente a maioria e os alvos pricipais do ódio nazi). Questionar o holocausto em termos apenas de perseguição aos judeus e, em consequência, perguntar porque é que Deus não protegeu o seu povo eleito é uma questão que se coloca, historicamente, em termos errados. Historicamente. Teologicamente não me pronuncio.

O reparo tem a ver com a «renúncia a Abraão». Nos termos da teologia cristã essa questão é incorrecta. Os cristãos (como sabes) veneram Abraão e Moisés, não os rejeitam. Apenas os cristãos acreditam que Jesus era o Messias esperado pelos judeus. Ou seja, do ponto de vista dos cristãos, os judeus é que rejeitaram o messias e os cristãos é que são os verdadeiros continuadores do judaísmo: «Veio ao que era seu e os seus não O receberam» (Jo. 1, 11).
Aliás, como sabes, a Bíblia cristã divide-se em Antigo e Novo Testamento. O Antigo Testamento não é rejeitado pelos cristãos, antes é considerado como o anúncio do que viria a ser narrado no Novo.
Não importa no que é que eu acredito. Importa que esta é a visão dos cristãos. Logo, dizer que aqueles cristãos de que falas rejeitaram Abraão não é correcto na teologia cristã.
De MCA a 6 de Agosto de 2007 às 14:14
Desculpa a formatação maluca do comentário anterior mas enganei-me nos comandos...
De Boaz a 6 de Agosto de 2007 às 21:36
Para os Cristãos, a Aliança de Deus com o Povo de Israel, conhecida como o pacto (brit) de Abraão, foi substituida pela Nova Aliança.
Os cristãos, dos quais os primeiros eram mesmo judeus, o que fizeram foi negar a validade desse pacto. É nesse contexto que disse também acerca desses judeus polacos convertidos ao Cristianismo que "renegaram a fé de Abraão".
De MCA a 7 de Agosto de 2007 às 10:29
Sim, tens razão. Para os cristãos há uma Nova Aliança. Mas os próprios cristãos não sentem isso como uma rejeição, percebes? Eles continuam a venerar Abraão. A leitura cristã da relação entre a Velha e a Nova Aliança é muito sofisticada: os cristãos acreditam que entre os Velho e Novo Testamentos há uma espécie de "efeito de espelho" em que o Velho Testamento preparava o Novo e o Novo reflecte o Velho. A Páscoa cristã é uma nova "Passagem" para o Reino dos Céus, espelhando a "Passagem" dos Judeus para a Terra Prometida. Os 40 dias de Jesus no deserto são o espelho dos 40 anos dos Judeus no Deserto. E por aí fora... Portanto, do ponto de vista cristão, não há rejeição, mas cumprimento. Claro que, do ponto de vista judaico, os cristãos estão enganados, seguiram um falso Messias, um impostor. Foram ludibriados, fizeram mal a agulha . Mas são sinceros na sua crença de que estão a cumprir Abraão, Moisés e os Profetas.

Comentar artigo