5 comentários:
De J.Wollvsttaven a 16 de Outubro de 2007 às 12:32
Caro Boaz, Shalom.
Realmente é com carinho e compreensão, aconchego e dedicação que devemos acolher aqueles que espontaneamente submetem-se aos estatutos e preceitos da Torah eterna e viva. No entanto, não podemos equecer que estas obrigações nem sempre são observadas apesar de estarem tão firmemente estabelecidas em nossas leis. Rezemos e trabalhemos para que mais e mais, os conversos possam ser aceitos e principalmente amados pelas comunidades que os acolhem, pois foram e são amados primeiramente por HaShem.

Saúde e paz a ti, meu caro.

Att,

Johann Wollvsttaven
De Matt Erlandsen a 16 de Outubro de 2007 às 13:41
Estoy completamente de acuerdo. De hecho, hace algún tiempo lei en alguna parte que los judíos conversos pueden ser catalogados "más judíos" porque ellos eligieron serlo entre múltiples opciones, mientras que los judíos de nacimiento nunca han sentido esa necesidad de buscar otra religión.
Saludos!
Matt.-
De MCA a 24 de Outubro de 2007 às 15:37
Curioso, desconhecia essa componente de "conversão" no judaísmo. E também é curioso porque no Evagenlho é dito algo semelhante a isto «vós acreditais [na ressurreição] porque vistes; bem aventurados os que acreditam ser terem visto».
De MCA a 24 de Outubro de 2007 às 15:45
E daí, não será de estranhar. Afinal, também no Evangelho há aquela ideia da «ovelha perdida» que volta ao redil ou a do «filho pródigo» que é recebido em casa do pai com mais alegria do que aquele que sempre tinha estado em casa.
De josé alves a 27 de Janeiro de 2010 às 11:49
Caro Boaz,

não imagina como é importantes tanto este como a maioria dos outros posts que tenho lido aqui! (tenho-me estado a actualizar)

quanto ao regresso a portugal, se um dia o fizer diga qualquer coisa...

a sua ajuda por mail (que já trocámos alguns há uns tempos) e a sua história têm sido catalisadores bastante importantes para esta viagem da minha vida.

os meus cumprimentos para si e para a sua família

josé tapadas alves

Comentar artigo