4 comentários:
De afronauta a 30 de Julho de 2008 às 00:22
Qualquer dia para conduzir uma retroescavadora é preciso registo criminal limpo!
De Gonzas a 5 de Agosto de 2008 às 18:11
Julgo que eles estão a tentar dormir na mesma cama que eles próprios estão a fazer. Será sempre injusto para todos os outros árabes que não têm nada a ver com isso, que serão a maioria. Irá, mais cedo ou mais tarde, afectar igualmente os judeus, devido ao tal aumento de criminalidade a que os árabes terão que recorrer.
De Lu Orit a 5 de Setembro de 2008 às 18:02
ACHEI GROSSEIRO DE SUA PARTE AO REBAIXAR OS BRASILEIROS FALANDO QUE A MAO DE OBRA BARATA DE PORTUGAL SAO BRASILEIROS...achei o comentario infeliz e preconceituoso... como acho terrivel falar que as prostitutas de Portugal sao Brasileiras.

LU - ORIT
De Boaz a 6 de Setembro de 2008 às 21:38
Não entendi porque achou que ofendi os brasileiros. Afinal, essa não era de todo a minha intenção.
O que fiz foi dizer aquilo que acontece na realidade - na triste realidade - que em Portugal a mão de obra barata são os brasileiros (assim como os cabo-verdianos). Tal como em Israel são os árabes e os asiáticos. E no Brasil são os negros e os nordestinos, nos EUA são os mexicanos, etc. Cada país tem os seus "novos escravos". Ou acha que não?
Os portugueses são explorados em Espanha e na Irlanda. Dizer isto é ofender os portugueses? Sim, eu sinto-me ofendido quando sei que meus compatriotas são explorados, mas ignorar (não se deixar ser ofendido) é mais grave ainda...
Quanto ao facto de se falar que em Portugal as prostitutas são brasileiras: nem todas as prostitutas em Portugal (obrigadas a isso ou por vontade própria, mas isso é outra história), são do Brasil, mas é sabido que há muitas que o são. Se não acredita, leia as notícias de Portugal de vez em quando e verá do que falo. Em Espanha são nigerianas e colombianas e em Israel são do Leste Europeu. Tal como no caso dos novos escravos, todos os países têm os seus fornecedores de "carne branca".
Dizê-lo é ofender as respectivas nacionalidades? Talvez seja. Adoptemos então a atitude dos 3 macacos (não vejo, não ouço, não falo), e esperemos com ela atingir a resolução dos problemas...

Comentar artigo