Terça-feira, 20 de Outubro de 2009

A moeda tem dois lados

Duas notícias do dia no Público:

Portugal assume 40 por cento do orçamento da candidatura (conjunta com Espanha ao Mundial de Futebol de 2018 ou 2022).

Jovens à procura do primeiro emprego e trabalhadores precários são os mais vulneráveis à pobreza

Alguém consegue ver uma relação de causa-efeito entre as duas notícias? Ao longe, parece-me mais uma manifestação da eterna e tão portuguesa mania das grandezas a funcionar. E os respetivos resultados. O zé-povinho nem se dá conta do engodo, desde que a bola continue a rolar. Ou talvez esteja tudo bem e seja eu que, ao fim de quatro anos no estrangeiro, a olhar Portugal de longe, já não conheça o país.

publicado por Boaz às 23:10
link do artigo | Comente | favorito
Domingo, 2 de Agosto de 2009

Crónicas da crise III: E constrói Jerusalém

Três vezes ao dia, durante os serviços religiosos, os judeus rezam pela reconstrução de Jerusalém. É o desejo de retomar a antiga glória perdida da cidade, antes da destruição pelos Romanos. Vemos que, mesmo em tempo de crise, as bênçãos têm funcionado. Pelo menos aparentemente. Em Jerusalém, as obras de grande envergadura não param. A maior delas é a mal-fadada rakevet kalá, o "metro ligeiro de superfície". Há mais de três anos, vem esburacando a cidade de ponta a ponta, deixando o centro em estado caótico e, por toda a capital o trânsito à beira do impossível.

A polémica, megalómana, mas linda ponte de Santiago Calatrava para a passagem do tal "metro ligeiro" foi inaugurada há um ano. Ainda que se mantenham as dúvidas em relação ao final das obras e início do funcionamento da rakevet. Apesar de pronta, hoje serve apenas como novo local de fotos de turista e de passagem de peões e ciclistas num dos cruzamentos principais da Cidade Santa. O orçamento da obra já foi várias vezes multiplicado em relação ao valor inicialmente estimado. As derrapagens nas obras públicas não são só em Portugal...

Bendito és Tu, Eterno, que reconstrói Jerusalém.

Também fora dos cálculos – e dos carris – está a obra do comboio rápido Jerusalém-Tel Aviv. Destinada a aproximar as duas principais cidades do país e inverter assim a saída de habitantes e trabalhadores da capital em direção à costa, a obra enfrenta as dificuldades do terreno montanhoso, dos arrojos arquitetónicos necessários para vencer vários lanços de túneis e viadutos e a desconfiança dos ecologistas.

Ainda assim, mesmo em frente à Gare Central de Jerusalém, e ao lado de uma das bases da ponte de Calatrava, prossegue a escavação da futura estação de comboio. Para compensar a localização elevada da cidade e evitar que a linha de comboio tenha um declive demasiado acentuado para as altas velocidades a que pretende funcionar, a solução foi descer a localização da estação. Ou seja, será uma enorme obra subterrânea: a 80 metros de profundidade.

Outra das obras polémicas é a nova residência oficial do Primeiro-Ministro. É um monumental projeto de dezenas de milhões de dólares junto à Kiryat Hamemshala, a Cidade do Governo, o complexo dos novos edifícios governamentais construídos nos últimos anos em redor da Knesset, o Parlamento de Israel. Depois de tanta discussão pelos gastos excessivos na palacial obra para servir de domicílio oficial e local de trabalho do chefe de governo, o tamanho da casa vai ser reduzido.

Envolta em controvérsia está também um novo museu na capital, o Museu da Tolerância. Baseado no museu homónimo de Los Angeles, a sucursal de Jerusalém já promete discussão. Não tanto pelo audacioso projecto arquitectónico de Frank Gehry (autor do famoso Museu Guggenheim de Bilbau), mas mais pela localização da obra: sobre um antigo cemitério islâmico desativado. Para um museu destinado a promover a convivência dos povos, o facto de a sua construção implicar a remoção de campas de um dos povos envolvidos no conflito na região é, no mínimo, falta de tacto...

A poucos metros da projectada obra do Museu da Tolerância, avançam as obras do luxuoso Hotel Waldorf-Astoria e, do lado oposto do mesmo cruzamento, foi inaugurado há poucas semanas o exclusivo Hotel Mamilla. O turismo israelita, apesar da crise internacional, parece não ter sentido um retrocesso acentuado, pelo menos em Jerusalém.

Um dos mais eloquentes exemplos da transformação de Jerusalém – um autêntico renascimento das cinzas – é a reconstrução da antiga sinagoga de Rabbi Yehuda Ha'Hassid. Arrasada, junto com a quase totalidade do Bairro Judeu da Cidade Velha, pelo exército jordano na Guerra da Independência de Israel, foi apenas um monte de ruínas durante a ocupação jordana de Jerusalém Oriental, entre 1949 e 1967. Após a reunificação israelita da cidade em 1967, foi reconstruído um dos arcos da fachada. Ficou conhecida como Ha'Hurva, "a Ruína". Em 2005, foram iniciadas as obras de reconstrução seguindo o antigo aspeto da sinagoga. Situada junto à Yeshivat HaKotel, tenho seguido, dia-a-dia, a progressão da obra daquela que já foi a maior sinagoga do país.

Na cidade mais pobre de Israel – que é Jerusalém, acredite-se ou não – a construção de prédios de habitação de luxo não pára. Destinados a milionários judeus estrangeiros, urbanizações de alto nível avançam em praticamente todos os cantos da cidade. Porém, serão deixadas vazias na maior parte do ano, uma vez que os seus donos têm residência fixa em Nova York, Miami ou Londres. O apartamento de Jerusalém, por mais luxuoso que seja, será só para umas curtas semanas de férias, de vez em quando.

Um dos mais recentes espaços cobiçados pelos imobiliários é o Vale da Gazela, um espaço semi-abandonado próximo ao shopping Malcha, entre o estratégico cruzamento Pat e a via-rápida Begin. É o habitat de uma outrora numerosa manada de gazelas – daí o seu nome. Hoje só restam quatro animais, já que o bando tem sido sucessivamente dizimado por matilhas de cães selvagens ou atropelamentos fatais na via-rápida vizinha. Os ecologistas e parte da opinião pública querem preservar o espaço como área natural, um dos poucos grandes espaços ainda intactos no território da cidade. Os empreiteiros, obviamente, querem aproveitar a localização estratégica para erguer um novo bairro.

Alguns projetos polémicos têm sido erigidos em bairros de população maioritariamente árabe. Um deles é o tão falado Hotel Shepard, um edifício originalmente pertença do antigo mufti (líder religioso muçulmano) Amin al-Husseini, apoiante de Hitler e instigador das revoltas anti-judaicas na antiga Palestina Britânica que causaram a morte de centenas de judeus antes da independência. Há vários anos, o edifício foi adquirido por um milionário americano defensor da colonização judaica na Terra Santa e hoje pretende transformá-lo num novo condomínio judaico.

Ainda que as gruas de construção civil sejam uma visão comum em toda a cidade, os preços das casas não têm parado de aumentar. A solução para muitos jovens tem sido procurar casa nos arredores. A falta de habitação para as classes média e baixa é evidente e a solução para os menos abonados é deixar a capital. A cidade perdeu dezenas de milhar de habitantes na última década. Esta sangria de habitantes é agravada pela falta de empregos. Daí os planos anunciados para desenvolver o ramo da indústria farmacêutica e da alta-tecnologia na capital.

A bênção pela reconstrução de Jerusalém parece não ser correspondida pelas ações dos empreiteiros. Preocupados mais com a promoção do luxo para domicílio ocasional de forasteiro do que com a fixação dos que desejam fazer de Jerusalém o seu lar. A cidade vai apresentando uma cara nova – um verdadeiro lifting – mas é mais para estrangeiro ver.

publicado por Boaz às 20:09
link do artigo | Comente | ver comentários (1) | favorito
Terça-feira, 28 de Julho de 2009

Crónicas da crise II: Entre pobres e ricos

Israel não é exceção à regra mundial da recessão económica. Também aqui se fazem sentir os abalos da crise mundial, resultado de uma economia moderna e com fortes ligações ao estrangeiro. Uma das áreas mais afetadas é o negócio dos diamantes, do qual Tel Aviv é um dos principais centros mundiais de lapidação e de comércio.

As principais empresas israelitas têm participação de empresas estrangeiras, em especial americanas. Ao mesmo tempo, boa parte dos negócios das companhias locais é feito em outros países. De acordo com as estatísticas, Israel será, após os EUA e o Canadá, o país com mais empresas cotadas no NASDAQ, o índice das empresas tecnológicas da Bolsa de Nova Iorque. Basta este dado para perceber a exposição do país à influência da situação económica internacional.

O recente escândalo financeiro realizado por Bernard Madoff afectou com especial severidade inúmeras fundações filantrópicas judaicas americanas, as quais por sua vez patrocinavam outras instituições em Israel. Yeshivot, organizações de caridade e de desenvolvimento de projectos no país foram especialmente afectados pela bancarrota de Madoff.

Milhares de famílias em Israel, em especial as famílias numerosas dos judeus ultra-ortodoxos, são mantidas em grande parte com ajudas de organizações de caridade. Muitos dos habituais doadores para causas israelitas, falidos pelo esquema de Madoff ou simplesmente afetados pelo panorama sombrio nas finanças mundiais, reduziram as suas contribuições.

Depois da crise nos têxteis – também por cá a mão-de-obra mais barata do Oriente cortou postos de trabalho –, e nas empresas de produção agrícola, até o outrora robusto sector das novas-tecnologias – principal base da economia de Israel – foi afectado pelo recuo económico internacional. Milhares de trabalhadores dispensados, redução das horas de trabalho e do respetivo salário e congelamento das contratações foram a regra durante os últimos meses.

As universidades e centros de investigação da área tecnológica deixaram de parecer tão atrativos para os jovens que escolhem uma futura carreira profissional. Ao contrário do que vinha acontecendo nos últimos anos. Ainda assim, a área das novas tecnologias, como a bioquímica e as novas energias são apostas de muitos jovens. A crise (como a bonança) não é eterna.

Há anos que a moeda israelita, o novo shekel, se tem valorizado progressivamente em relação ao dólar e ao euro. Até ao ano passado, as rendas das casas eram cobradas em dólares, mas face à acentuada desvalorização da moeda dos EUA, passaram a ser cobradas diretamente em shekels. A moeda forte – ainda mais depois de o shekel ter passado a integrar o grupo de divisas que podem ser cambiadas em todo o mundo – é boa para as centenas de milhar de israelitas que passam férias no estrangeiro. Porém, é má para as exportações israelitas.

Morar em Israel esteja cada vez mais caro. Tel Aviv é mesmo a cidade mais cara do Médio Oriente. Mais ainda do que as metrópoles dos petrodólares e da megalómana arquitectura futurista de Abu Dhabi e Dubai, nos Emirados Árabes Unidos. E a nível mundial é a 17ª cidade mais cara, ao nível de Roma e Nova Iorque.

Em Jerusalém, com crise ou sem ela, a verdade é que os mercados de rua, os supermercados, os cafés e restaurantes e os centros comerciais estão sempre bem apinhados. Os turistas enchem a Cidade Velha. O principal clube de futebol da capital, o Beitar, recebeu uma lufada de ar fresco de um milionário brasileiro. A Macabíada, uma espécie de Jogos Olímpicos Judaicos realizados em Israel a cada 4 anos, realizou-se com pompa e milhares de atletas, apesar dos apertos nas finanças e do receio da gripe A. Ou seja, a crise bate às portas, mas não as deita abaixo. Pelo menos a todas.

publicado por Boaz às 21:58
link do artigo | Comente | favorito
Sexta-feira, 24 de Julho de 2009

Crónicas da crise I: Colonização embargada

Os colonatos judaicos ainda são uma opção mais económica em relação ao crescente preço das casas nas principais cidades de Israel. Na região de Jerusalém, as opções são Gush Etzion, Maale Adumim ou Beitar e outras dezenas de colonatos mais pequenos. Porém, até aí os preços das casas têm aumentado. Por exemplo Beitar Illit, um gigantesco colonato de população ultra-ortodoxa, tradicionalmente bem mais barato que Jerusalém, já começa a ser demasiado caro para as novas famílias. Muitos casais jovens apenas conseguem arrendar uma cave apertada, com a perspetiva de terem de viver aí com as suas famílias que crescem rapidamente.


Nuvens ao pôr-do-sol sobre o colonato de Efrat, 2006.

Numa época de recessão generalizada nos preços imobiliários, o aumento dos valores das casas nos arredores de Jerusalém deve-se em grande parte às crescentes pressões americanas de congelamento da construção nos colonatos. Os colonatos dos arredores, assim como o recente bairro de Har Homa no sudeste de Jerusalém, eram as opções ideais para quem procurava casas espaçosas e baratas.

Todavia, a gravidade da crise nos EUA que fez aumentar em 15% a imigração de judeus americanos para Israel e a chegada em massa de imigrantes franceses – por via da vaga de anti-semitismo que tem assolado a França na última década –, ambos com maior poder de compra que o israelita médio, fizeram agravar os preços. As leis de mercado são claras: com pouca oferta e muita procura, o resultado foi o disparo do preço das casas em toda a região de Jerusalém.

O ritmo da construção nos colonatos abrandou após a eleição de Obama para a presidência americana, o qual não tem parado de pressionar Israel para congelar toda e qualquer colonização dos territórios disputados com os Palestinianos, incluindo o "crescimento natural da população". Ou seja, os filhos de colonos que se casem, não poderão viver junto aos pais, porque qualquer nova construção – na mente de Obama e da nova administração americana – é ilegal. No fundo, o que se pretende é abolir o mandamento "crescei e multiplicai-vos".

Ainda assim, desafiando as pressões, algumas ordens de novas construções foram emitidas pelo governo para os colonatos de Maale Adumim, Adam e Modi'in. A população local exige do governo que se preocupe mais com os seus cidadãos do que com as pressões oportunistas do "amigo americano".

publicado por Boaz às 14:55
link do artigo | Comente | ver comentários (4) | favorito
Quarta-feira, 3 de Setembro de 2008

A ilha dos helicópteros


Kinneret, Mar da Galileia ou Lago de Tiberíades. Imagem de satélite.

Ao voltar da viagem de duas semanas de férias em Portugal, a primeira impressão que tive ao sair do aeroporto de Tel Aviv foi o calor extremo. Eram 4 horas da manhã, mas os termómetros marcavam quase 30ºC. Até à altura da minha saída para Portugal, o Verão israelita, nomeadamente em Jerusalém, tinha sido relativamente ameno. Nada de temperaturas extremas ou ondas de calor. Porém, à chegada, o céu de Jerusalém apresentava-se cinzento-acastanhado. Não por via dos incêndios florestais, os quais felizmente, são desastres raros de em Israel, mas pelo Hamsin, uma onda de calor vinda do deserto da Arábia, marcada pelos ventos carregados de areia.

Uma das primeiras notícias que recebi foi sobre o estado de gravidade da principal reserva de água doce de Israel, o Kinneret, ou Mar da Galileia. Tão grave que actualmente é visível uma ilha numa zona do lago anteriormente coberta de água. A sua área é suficiente para albergar seis helicópteros.

Há anos que o nível de água no lago está alguns metros abaixo da quota máxima. Em Tiberias (ou Tiberíades), a principal cidade da região, situada na margem ocidental do Mar da Galileia, uma escultura moderna situada na margem do lago, informa da altura da água. Há um ano, quando estive na cidade, indicava que a altura da água se encontrava mais de 2 metros abaixo do normal. Hoje a situação é ainda de maior penúria. A falta de chuvas abundantes nos últimos Invernos e a permanente captação de água do Kinneret – para ser distribuída pelo Aqueduto Nacional para todo o país –, levaram o lago a uma situação grave.

A sul do Mar da Galileia, no local onde o Rio Jordão sai do lago e inicia a sua descida até ao Mar Morto, a parede de uma barragem parece uma estrutura totalmente obsoleta. Foi construída para regular o nível da água do lago. A abertura das comportas da barragem serviria para evitar as inundações na cidade de Tiberias e das povoações limítrofes do Kinneret, em caso de subida acentuada do nível das águas. Há mais de 20 anos que as comportas não são abertas.

publicado por Boaz às 22:34
link do artigo | Comente | favorito
Terça-feira, 12 de Outubro de 2004

"El Dorado" Portugal

Ontem fui fazer umas compras a um supermercado aqui da terrinha. Quando cheguei, estacionado em frente da entrada, estava um autocarro de turismo.

Dentro do supermercado, uma multidão, como eu nunca tinha visto no local. Estrangeiros, que falavam uma língua estranha. Não eram ucranianos, nem romenos, porque não dava para entender nem uma palavrinha do que diziam e o sotaque era estranho. Depois acabei por descobrir que eram húngaros...

Quando acabei as minhas compras, deparei-me em todas as caixas, com filas de gente com carros atafulhados de coisas banais: sacos de rebuçados, pacotes de maços de lenços de papel, rolos de cozinha, pacotes de leite achocolatado e acima de tudo, muitas garrafas de vinho do Porto.

Uma fúria consumista só possível em gente que vem de uma terra onde a escassez já se fez sentir. E a fúria era tanta que quando foram para o autocarro, alguns até levavam os cestos de transportar as compras a pensar que eram "oferta da casa" e enchiam os seus sacos com outros sacos de compras.

Não deixa de ser irónico que num tempo em que tantos portugueses se lamentam com a crise, outros se embriaguem com a nossa abundância.

publicado por Boaz às 17:52
link do artigo | Comente | ver comentários (3) | favorito

.Sobre o autor


Página Pessoal
Perfil do autor. História do Médio Oriente.
Galeria de imagens da experiência como voluntário num kibbutz em Israel.


Envie comentários, sugestões e críticas para:
Correio do Clara Mente

.Pesquisar no blog

Este blog está registado
IBSN: Internet Blog Serial Number 1-613-12-5771

É proibido o uso de conteúdos sem autorização

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.Ligações

.Visitantes

Jewish Bloggers
Powered By Ringsurf

.Arquivos

. Maio 2014

. Março 2013

. Novembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

.subscrever feeds

Partilhar